Cidades

Campo Grande

Quadrilha invade residência, amarra casal e foge com carro

Quadrilha invade residência, amarra casal e foge com carro

VÂNYA SANTOS

23/12/2015 - 11h14
Continue lendo...

Quatro bandidos invadiram a residência de um casal nesta terça-feira (22) e fugiram levando o carro da família. O assalto aconteceu na Rua Manoel Crescente Silva, Bairro Edson Brito Garcia, em Campo Grande.

O morador procurou a Delegacia Especializada em Roubos e Furtos de Veículos (Defurv), onde contou que estava em sua casa, na companhia de sua esposa, quando um dos criminosos apareceu nos fundos do imóvel e anunciou o assalto.

Em seguida, os demais comparsas entraram na casa e passaram a revistar os cômodos. Conforme a vítima, todos os criminosos aparentavam ter entre 17 e 22 anos, sendo que um deles estava armado com um revólver calibre .38.

Bandidos colocaram panos sobre os rostos das vítimas, amarraram suas mãos com fio de energia e as trancaram no banheiro.

Um dos marginais exigiu a chave do veículo que estava estacionado em frente a residência, um Corsa. Além do carro, os criminosos roubaram também aparelhos celulares, documentos pessoais, roupas e produtos que estavam na geladeira do casal.

PRESO EM MOSSORÓ

Jamil Name Filho será julgado por videoconferência pela morte de Playboy da Mansão

Júri está marcado para setembro e deve durar quatro dias; juiz deferiu pedido do acusado devido aos altos custos para a transferência e permanência na Capital durante o julgamento

19/06/2024 16h01

Conhecido como Playboy da Mansão, empresário foi assassinado em 2018

Conhecido como Playboy da Mansão, empresário foi assassinado em 2018 Arquivo

Continue Lendo...

O juiz Aluizio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, deferiu pedido do réu e Jamil Name Filho será julgado por videoconferência por participação no assassinato do empresário Marcel Hernandes Colombo, 31, conhecido como Playboy da Mansão, morto em 2018 em Campo Grande.

O júri está marcado para começar no dia 16 de setembro e tem previsão para durar até quatro dias.

Inicialmente, o juiz determinou que Jamilzinho, como é conhecido, participasse presencialmente do julgamento. Para isto, seria montado um forte esquema de segurança, com escolta federal, para trazê-lo de Mossoró, onde está preso, até Campo Grande.

No entanto, o réu entrou com recurso pedindo para participar através de videoconferência. 

Na decisão, o juiz afirma que foi o próprio acusado que manifestou o interesse da participação presencial e que, depois, mudou de ideia. "Nesta vertente encaixa que, certamente, não pretende passar por maiores constrangimentos em conexões de aeroportos, algemado, etc", diz o magistrado.

Ele cita ainda o julgamento anterior, onde Jamil Name Filho foi julgado e condenado pelo homicídio do estudante de Direito Matheus Coutinho Xavier, que também durou vários dias.

"Imagina-se o quantum ficou o julgamento anterior para escoltá-lo até esta capital com despesas aéreas de três acusados, diárias de, salvo engano, uns 15 (quinze) policiais penais federais, etc, vinda e ida em cumprimento a liminar do ministro do STJ supracitado", cita.

Além disso, Aluizio Pereira dos Santos ressalta que o pedido vem de encontro as normas presídio federal, que preconiza que o deslocamento de presos para a realização de atos judiciais extramuros deve ser realizado apenas em casos extremos, quando os outros métodos de realização dos atos não puderem ser feitos dentro do sistema da penitenciária federal.

Desta forma, o juiz deferiu o pedido, mas condicionado ao acusado preencher uma declaração de próprio punho, onde concorda que, caso haja interrupções da videoconferência durante a oitiva de testemunhas e debates, a sessão poderá seguir normalmente.

A exceção é para casos de falha na conexão durante o depoimento de Jamilzinho e a leitura da sentença, casos em que serão aguardados o retorno da conexão para continuidade dos atos.

Por consequência, o ex-guarda municipal Marcelo Rios também será julgado por videoconferência porque
se encontra no mesmo presídio federal.

Além de Jamilzinho e Marcelo Rios, também são réus o policial federal aposentado Everaldo Monteiro de Assis e Rafael Antunes Vieira, que responde por porte ilegal de arma de fogo.

Jamil Name e José Moreira Freires também eram réus, mas morreram no decorrer do processo.

Jamil Name Filho e Marcelo Rios já foram condenados pelo assassinato do estudante Matheus Coutinho Xavier, no chamado júri do século, realizado durante três dias em julho do ano passado.

Playboy da Mansão

Marcel Hernandes Colombo foi assassinado em um bar situado na Avenida Fernando Correa da Costa, em 2018.

Ele e mais dois amigos estavam sentados à mesa na cachaçaria, quando por volta da 0h, um suspeito chegou ao local de moto, estacionou atrás do carro da vítima e, ainda usando capacete, se aproximou pelas costas e atirou.  

A vítima morreu no local e um jovem de 18 anos foi atingido no joelho.

A motivação do crime, conforme o processo, seria vingança por um desentendido anterior da vítima e Jamilzinho em uma boate, em Campo Grande, quando Marcel deu um soco no nariz de Jamilzinho.

José Moreira Freires, Marcelo Rios e o policial federal Everaldo Monteiro de Assis foram os intermediários, sendo encarregados de levantar informações sobre a vítima, e Juanil Miranda foi o executor.

O ex-guarda Rafael Antunes Vieira não teve participação no homicídio, mas foi o responsável por ocultar a arma usada no crime.

Falha da rede

Instabilidade na Rede afeta números de emergência 190 e 193 em Campo Grande

A Sejusp informou que houve uma falha na transmissão da empresa de telefonia responsável e que os contatos estão funcionando normalmente.

19/06/2024 15h44

As linhas de emergência 190 e 193 em Campo Grande, apresentou falhas nesta quarta-feira (19).

As linhas de emergência 190 e 193 em Campo Grande, apresentou falhas nesta quarta-feira (19). Divulgação/

Continue Lendo...

Um problema técnico na rede deixou os contatos de urgência 190, da Polícia Militar, e 193, do Corpo de Bombeiros, sem receber ligações por algumas horas desta quarta-feira (19). De acordo com a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), o problema foi resolvido na tarde de hoje, e os telefones de urgência estão funcionando normalmente. 

Em contato com a pasta, a assessoria explicou que a rede na manhã desta quarta-feira (19), passou por uma instabilidade na falha de transmissão da empresa de telefonia responsável e que os problemas foram resolvidos por volta das 15h. 

 Veja a nota abaixo: 


A concessionária de serviços de telefonia relatou que houve um problema técnico na rede, afetando comunicações telefônicas, incluindo parcialmente o serviço tridígito de emergência. A empresa já foi notificada pela SEJUSP e se comprometeu a sanar a falha o quanto antes. Neste momento, o problema técnico na rede de telefonia, que afetou parcialmente os chamados de emergência, já foi resolvido pela empresa responsável.
Os números 190 (Polícia Militar) e 193 (Corpo de Bombeiros Militar) estão funcionando normalmente.


Falha 

Conforme apurado pelo Correio do Estado, os telefones de urgência 190 e 193 começaram a ficar inoperantes por volta das 9h. A reportagem tentou contatos com os telefones e verificou que ligações não eram completadas. 

Em contato com a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), confirmou a instabilidade da rede e relatou que estavam correndo contra o tempo, para sanar os problemas.  

A concessionária de serviços de telefonia relatou que houve um problema técnico na rede, afetando comunicações telefônicas, incluindo parcialmente o serviço tridígito de emergência. A empresa já foi notificada pela SEJUSP e se comprometeu sanar a falha o quanto antes. Mesmo diante do problema técnico, o CIOPS continua recebendo acionamentos e atendendo a população, bem como monitorando a situação em busca de uma ágil e célere solução.

Para serviços de urgência e emergência, a população que não conseguir entrar em contato pelo 190 ou 193, pode  ligar para os seguintes números: 

  • 67 99273-5825 - Polícia Militar
  • 67 99199-9983 - Corpo de Bombeiros Militar

Por volta das 15h, a própria Sejusp confirmou que os problemas de instabilidade nas linhas de urgência foram resolvidos.

A SEJUSP informa que o problema técnico na rede de telefonia, que afetou parcialmente os chamados de emergência, já foi resolvido pela empresa responsável.
Os números 190 (Polícia Militar) e 193 (Corpo de Bombeiros Militar) estão funcionando normalmente.


 

 


Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).