Clique aqui e veja as últimas notícias!

PANDEMIA

Quarta remessa de vacinas será usada para garantir 2ª dose

Com o adiamento do envio, Estado ainda não tem quantitativo nem nova data para receber imunizantes
06/02/2021 08:19 - Ana Karla Flores


A quarta remessa de vacinas para imunização contra a Covid-19 será destinada à aplicação da segunda dose em idosos com mais de 80 anos.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) havia informado nesta sexta-feira (5) que Mato Grosso do Sul receberia 32 mil doses.

Entretanto, o Ministério da Saúde adiou o envio do imunizante, reduziu a quantidade total distribuída no País e não definiu uma nova data nem o número de frascos para o Estado.

Ultimas Notícias

Segundo a SES, se Mato Grosso do Sul recebesse o mesmo quantitativo de 32 mil doses que havia sido informado anteriormente, este seria distribuído com prioridade para os idosos que já receberam a primeira aplicação do imunizante.

Do total, 10.200 seriam enviadas aos municípios para segunda aplicação nas pessoas com mais de 80 anos e que receberam a vacina chinesa, Coronavac.  

“O restante seria para profissionais de saúde e os idosos acima de 80 que ainda não receberam nenhuma dose, mas agora precisamos saber qual será a nova quantidade enviada pelo Ministério da Saúde”, informou a secretaria por meio de nota.

A secretaria afirmou que o quantitativo de doses enviadas ao Estado será alterado, visto que o Ministério da Saúde divulgou que haverá redução no número total de doses enviadas para o País.

O número anterior seria de 2,9 milhões, das quais 32 mil seriam apenas para Mato Grosso do Sul, mas na tarde desta sexta-feira houve mudanças e foi informado que o total disponibilizado nesta remessa passou para 2,6 milhões de doses da Coronavac.

“A única informação que nos foi repassada pelo Ministério é de que as vacinas não serão distribuídas aos estados nesta sexta-feira. No sábado é que vão informar a data de envio. Com a mudança no número de doses, todos os estados terão alteração”, completou nota da Secretaria de Saúde de Mato Grosso do Sul.

Na quinta-feira (4), o Ministério da Saúde divulgou nota informativa com o direcionamento do público-alvo para o novo lote de vacinas.

De acordo com o documento, a Campanha Nacional de Imunização em andamento incorporou como grupos prioritários os trabalhadores de saúde de forma parcial, todos os idosos residentes em instituições de longa permanência, todas as pessoas com 18 anos ou mais com deficiência e institucionalizadas e indígenas aldeados.

Assim, para a distribuição do novo lote, o Ministério priorizou a vacinação total de pessoas com 80 anos ou mais e a continuidade da vacinação dos trabalhadores de saúde, com um porcentual de 6%, para totalizar a meta mínima de 73% deste público no País.

Segundo orientação, para atingir tais metas, Mato Grosso do Sul necessita de um total de 32 mil doses, das quais 4.908 seriam destinadas para profissionais da saúde e 15.264 para idosos com mais de 80 anos.  

Os grupos prioritários definidos têm como objetivo promover a redução da morbimortalidade causada pelo coronavírus, bem como a manutenção do funcionamento da força de trabalho dos serviços de saúde e a manutenção do funcionamento dos serviços essenciais.

“Durante as últimas reuniões, avaliou-se a transmissão comunitária em todo o território nacional. Em plenária, foi observado o risco para óbito por Covid-19 relacionado às faixas etárias mais avançadas, que chega a 8,5% para hospitalização e 18,3% para óbito entre idosos com 80 anos ou mais”, explicou o Ministério em nota.

Vacinação em MS

De acordo com o Vacinômetro da Covid-19, desenvolvido pela SES, a população a ser imunizada na primeira fase é de 176.721 pessoas, entre idosos institucionalizados, idosos com 80 anos ou mais, profissionais de saúde e indígenas aldeados.

A meta é vacinar 90% do grupo, e o porcentual de vacinados aponta que 45,07% já foram imunizados.  

Em relação à população geral de Mato Grosso do Sul, o porcentual de pessoas imunizadas é de 2,55%. Dados apresentados pelo governo do Estado no início da vacinação apontaram que o primeiro grupo prioritário era formado por 219.215 pessoas.