Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Quase 90% dos casos suspeitos deram negativo para Covid-19 em MS

Nas últimas 24 horas, houve apenas cinco novas pessoas que testaram positivo
06/05/2020 12:50 - Ricardo Campos Jr


 

Mato Grosso do Sul já descartou Covid-19 em 2.788 pacientes que apresentaram sintomas compatíveis com a doença ou que tiveram contato com casos confirmados. O número representa 89,2% de todas as notificações feitas no Estado, conforme dados do boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (6).

Nas últimas 24 horas, houve apenas cinco novas pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus, cada um em um município diferente: Campo Grande, Três Lagoas, Brasilândia, Dourados e Ladário.

A Capital acumula nove casos desde o dia 2 de maio e caminha para uma das semanas com menor evolução da Covid-19.

Embora apresente a maior quantidade absoluta de casos confirmados, Campo Grande tem incidência de 16 casos a cada 100 mil habitantes, menor valor do país entre as capitais. Sonora, por outro lado, está em primeiro lugar do ranking com 13 casos confirmados.

Batayporã, onde viviam inclusive duas das pessoas que morreram em decorrência do novo coronavírus, aparece na sequência com incidência de 53 casos nessa mesma faixa e Três Lagoas, segunda com maior número de contaminados em valores absolutos, está em terceiro com 49,4 casos por 100 mil pessoas.

SITUAÇÃO DAS VÍTIMAS

Foram declaradas curadas 184 pacientes em Mato Grosso do Sul, o que corresponde a 63,88% do total. Outras 75 pessoas se recuperam em casa e 19 estão internados. Desses, três não engrossam as estatísticas oficiais do Estado porque são de outras localidades, um inclusive é paraguaio.

Sete ocupam leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), três no Sistema Único de Saúde (SUS) e quatro em hospitais particulares. Outros 15 internados estão em unidades clínicas, dez na rede pública e cinco na particular.

 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!