Cidades

abastecimento

Quase metade dos municípios de MS pode ficar sem água até 2015

Quase metade dos municípios de MS pode ficar sem água até 2015

anahi zurutuza

19/07/2011 - 19h20
Continue lendo...

Quase metade dos municípios de Mato Grosso do Sul pode ficar sem água se não investir na ampliação ou adequação dos sistemas de abastecimento até 2015. A previsão é da Agência Nacional de Águas (ANA), que em março divulgou relatório de levantamento que reúne informações sobre a capacidade dos sistemas de produção de água e dos serviços de coleta e tratamento de esgoto dos 5.565 municípios do Brasil. Segundo a ANA, são necessários R$ 48 milhões para melhorar o abastecimento urbano em Mato Grosso do Sul.

De acordo com a pesquisa, quatro cidades do Estado – Aparecida do Taboado, Coronel Sapucaia, Mundo Novo e Sete Quedas – precisam construir novo sistema para retirar água de outros mananciais e não sofrer desabastecimento.

Outros 32 municípios têm de adequar os sistemas já existentes. O abastecimento de água em 42 cidades de MS, inclusive Campo Grande, é considerado satisfatório. Para a Capital, conforme informações do relatório, a tendência é a ampliação do abastecimento por poços, com a exploração do Aquífero Guarani.

Para os quatro municípios que precisam aproveitar novos mananciais, são necessários pelo menos R$ 12 milhões em investimentos. Para as outras 32 cidades que só precisarão ampliar os sistemas que já utilizam, terão de ser destinados no mínimo R$ 36 milhões.

Investimentos
Para o presidente da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul), José Carlos Barbosa, são necessários “muito mais” que R$ 48 milhões em investimento para evitar o desabastecimento de alguns municípios do Mato Grosso do Sul.

Ele garante, entretanto, que o relatório da Agência Nacional de Águas (ANA) serve de alerta para as autoridades competentes e até mesmo facilita o acesso da concessionária aos recursos do governo federal destinados ao saneamento básico e abastecimento de água no Brasil. Segundo Barbosa, a Sanesul precisa de aproximadamente R$ 150 milhões para garantir o acesso da população urbana do Estado à água pelos próximos 20 anos.

“Na verdade a avaliação da Agência Nacional de Águas parte das informações das próprias companhias. É por conta disso, as informações divulgadas pela ANA não são desconhecidas da empresa, não nos pegaram de surpresa. De qualquer forma, este é um dado importante na medida que nos buscamos recursos, do governo federal, da Caixa Econômica Federal. Essas informações nos servem como base para argumenta e pleitear esses repasses”, explica José Carlos Barbosa.

O presidente da Sanesul afirma, ainda, que muitas da cidades que aparecem no relatório da ANA já estão recebendo investimentos. Em outros casos, a concessionária já tem projetos para melhorar a rede de abastecimento. “Para Aparecida do Taboado, por exemplo, já temos projeto concluído de adoção de novo manancial e já estamos buscando recursos em Brasília. Nós estamos buscando sempre novas alternativas”.

Brasil
Dos 5.565 municípios brasileiros, 3.059, ou 55%, poderão ficar sem água, segundo a Agência Nacional de Águas. Os investimentos para adequar ou construir sistemas de captação totalizam R$ 22,2 bilhões. As obras nos mananciais e nos sistemas de produção são fundamentais, segundo a ANA, para evitar déficit no fornecimento de água na localidade indicadas, que daqui a 14 anos vão concentrar 139 milhões de habitantes, 72% da população brasileira. Concluídas até 2015, as obras podem garantir abastecimento para até 2025.

Segurança

Muros de 8 metros são construídos na Máxima com o objetivo de inibir arremessos de drogas

A construção foi iniciada após um homem de 35 anos morrer em confronto com o Batalhão de Choque, após ser pego arremessando drogas para dentro do presídio.

21/05/2024 17h22

Mutos de 8 metrosd estão sendo intalados para inibir arremessos de drogas e celulares no presídio de segurança máxima.

Mutos de 8 metrosd estão sendo intalados para inibir arremessos de drogas e celulares no presídio de segurança máxima. Fotos: Gerson Oliveira

Continue Lendo...

Um muro de aproximadamente 8 metros está sendo erguido na área de convivência dos internos do Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, localizado no Jardim Noroeste, em Campo Grande. A medida tem como objetivo inibir a prática de arremesso de aparelhos celulares e drogas para dentro do estabelecimento penal, seja por meio de drones ou outras formas.

De acordo com o diretor-presidente da Agepen, Rodrigo Maiorchini, dois muros, um de 8 metros e outro de 4 metros, estão sendo construídos em dois pavilhões. Ambos serão cobertos por uma tela na tentativa de dificultar o arremesso de entorpecentes e eletrônicos. 

A construção dos muros deve custar R$240 mil reais, custeados com o dinheiro do Estado. 

Questionado, o diretor-presidente da Agepen afirmou que a construção dos muros não tem nenhum envolvimento com a morte de Milton Cezar Santos de Souza, de 35 anos, conhecido como Cezinha, que foi morto após ser pego em flagrante arremessando celulares para dentro do presídio de segurança máxima.

“O que aconteceu no final de semana foi um caso isolado e que não tem nenhum envolvido com crime organizado. A construção desses muros já estava no planejamento da Agepen. Temos exemplos nos presídios de Ivinhema, Caracol, Bataguassu, São Gabriel e Naviraí e já possuem esses muros há anos e não tiveram nenhum registro até hoje”, relatou.  

Diretor- presidente da Agepen, Rodrigo MarchionniDiretor-presidente da Agepen, Rodrigo Marchionni/ Fotos: Gerson Oliveira 


Medidas para inibir entrada de drogas

Ainda durante a coletiva na tarde de hoje, Maiorchini explicou que vistorias estão sendo realizadas periodicamente, como as operações de pente-fino, quando há um empenho maior dos agentes na busca de drogas e outros objetos dentro das celas.

Questionado sobre o que está sendo feito para inibir a entrada de celulares no presídio, Maiorchini disse que sistemas de raio-x e bodyscan, que conseguem ver dentro do corpo das pessoas, são tecnologias implantadas recentemente e que têm trazido bons resultados.

Fotos: Gerson Oliveira 

 
Morte após arremesso de celulares 

Na madrugada de domingo, Milton Cezar Santos de Souza, 35 anos, foi morto pelos policiais do Batalhão de Choque após ser abordado na Rua Adventor Divino de Almeida, no bairro Jardim Noroeste.

Conforme informações da polícia,  o suspeito seguia a pé, quando houve troca de tiros com os policiais do Batalhão de Choque. Em tentativa de abordagem, houve troca de tiros e o suspeito foi atingido. 

Ao ser atingido por tiros, foi socorrido pelos policiais e encaminhado até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Nova Bahia, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo no local. 

Conforme informações policiais, Milton Cezar, mais conhecido como CEzinha, é acusado de estuprar e matar uma mulher em junho de 2022.   

Medidas de segurança

A tecnologia será forte aliada da Agepen, para aumentar a segurança no estabelecimento penal, entre elas estão a instalação de câmeras com sensor de movimento que pode auxiliar os agentes a impedir eventuais tentativas de fuga. 

Outro ponto apontado foi a utilização de bloqueadores de sinal, que acabou não conseguindo ser totalmente eficaz. A Agepen informou que no presídio existem "pontos sombra" locais em que o sinal não é bloqueado. Além disso, como a Máxima fica próxima à vizinhança, o bloqueador interfere no sinal dos populares.

"Estamos comprometidos em garantir um sistema penitenciário mais controlado, reduzindo a influência da criminalidade e protegendo a sociedade", afirma o diretor-presidente da Agepen, Rodrigo Rossi Maiorchini e completou:

"A meta é erradicar a comunicação ilegal em presídios, diminuindo os riscos associados à atividade criminosa organizada dentro e fora das prisões".

 


 

Assine o Correio do Estado

 

Cidades

Número de mortes por Gripe tipo A quintuplicou neste ano em Campo Grande

Capital já soma 16 óbitos; vacinas estão disponíveis para todos com mais de 6 meses de idade

21/05/2024 16h15

Divulgação: Prefeitura de Campo Grande

Continue Lendo...

Desde o início do ano, 16 pessoas morreram em decorrência da Influenza A em Campo Grande, número mais de cinco vezes maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando três pessoas haviam morrido por causa da doença.

Além disso, o monitoramento realizado pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (CIEVS-Sesau) mostrou ainda que o número de casos confirmados de Influenza A triplicou em Campo Grande, também em comparação com o mesmo período do ano passado.

Em 2024, já foram notificados 162 casos, contra 51 registrados em 2023.

Quanto aos óbitos, a maioria (10) foi de idosos acima de 60 anos, que fazem parte do público prioritário para a vacinação. Na sequência, estão pessoas dos 50 aos 59 anos. Confira o levantamento:

No dia 30 de abril, a Sesau decretou situação de emergência por conta do aumento de casos de síndrome respiratória que acarretou superlotação nas Upas e Hospitais da Capital.

Já em 1º de maio, a pasta anunciou que a vacina seria ampliada para toda a população - com mais de 6 meses de vida. Desde então, a vacina está sendo oferecida nas unidades de saúde de Campo Grande. A dose protege contra três tipos de vírus influenza: A – H1N1 e H3N2; e influenza B – linhagem Victoria.

A relação de unidades, endereços e horários para vacinação podem ser consultadas no site da Sesau (confira aqui).

Óbitos por síndromes gripais chegam a 101 na Capital

Segundo a Sesau, o tempo seco e as temperaturas mais baixas são a combinação ideal para o aumento das doenças respiratórias e síndromes gripais, que podem afetar todas as idades, principalmente crianças e idosos que têm o sistema imunológico mais suscetível.

Este ano, 101 óbitos foram registrados por síndrome respiratória aguda grave (SRAG), dessas mortes, quase metade das vítimas (49) tinha 70 anos ou mais.

Como as pessoas também têm o hábito de passar mais tempo em ambientes fechados e com pouca ventilação, o contágio é facilitado.

Sintomas

Os vírus da influenza causam infecções no trato respiratório humano. existem quatro tipos da influenza: A, B, C e D.

Para os humanos, os dois tipos que mais impactam a saúde são o A e o B. Os de tipo A são os conhecidos por causar emergências de saúde pública, como no caso da pandemia de 2009 (causada pelo vírus H1N1 da influenza A). Os vírus da influenza A são divididos em subtipos, com base em duas proteínas presentes nas superfícies do agente infeccioso: a hemaglutinina (H) e neuraminidase (N). Daí deriva sua classificação específica, como H1N1 e H3N2, por exemplo.

De modo geral, os sintomas começam a se manifestar entre o primeiro e o quarto dia da infecção e os mais comuns são:

  • Febre;
  • Calafrios;
  • Tosse;
  • Dor de garganta;
  • Nariz escorrendo ou entupido;
  • Dor muscular e/ou corporais;
  • Dor de cabeça;
  • Fadiga (cansaço);
  • Vômito e diarreia, mais comum no público infantil.

A maioria das pessoas se recupera em menos de duas semanas, mas alguns indivíduos podem apresentar complicações, como Pneumonia.

Prevenção

A gripe por influenza A pode ser prevenida através da vacinação. Os imunizantes disponibilizados pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) são compostos a partir de RDC da Anvisa, que avalia as cepas em circulação dos tipos A e B da influenza nas temporadas de circulação do vírus.

Outras medidas não-farmacológicas colaboram para a não infecção, como lavar as mãos com frequência, utilizar máscaras e priorizar ambientes com circulação do ar.

Assine o Correio do Estado.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).