Clique aqui e veja as últimas notícias!

PROTEÇÃO

Quer saber se seu CPF foi usado por terceiros? O Correio do Estado te mostra

Mais de 223 milhões de brasileiros tiveram seus dados vazados nas últimas semanas
15/02/2021 18:30 - Thais Libni


Nas últimas semanas vazamentos de dados de de mais de 223 milhões de brasileiros surpreendeu a todos. Considerado o maior episódio do tipo já ocorrido no país, as informações foram expostas na internet, abrindo caminho para golpes virtuais.

Entenda o caso deste vazamento aqui!

Golpes realizados por criminosos após o vazamento dos dados, simulavam falsas contas de telefone e de televisão por meio do e-mail. 

Últimas Notícias

No entanto nesses casos a pessoa pode entrar diretamente no site da empresa prestadora de serviço e descobrir a real situação.  

Outros golpes podem trazer prejuízos reais, como aqueles em que terceiros utilizam de seus dados para para abrir contas bancárias, chaves Pix e fazer empréstimos.  

Para estas situações o Banco Central (BC), desenvolveu um sistema para proteger o cidadão de fraudes, o Registrato, que oferece informações da pessoa com instituições financeiras, permitindo que esta saiba como anda sua vida financeira e todas as ações executadas.  

A ferramenta apresenta informações como, a abertura de contas bancárias, dívida e envios de dinheiro para o exterior.

Confira como se cadastrar

  • O cidadão deve credenciar-se no site do Banco Central. É preciso fornecer CPF, data de nascimento e primeiro nome da mãe.
  • No mesmo site, o usuário deve informar um banco em que tenha conta para validar o cadastro. O Banco Central comparará as informações prestadas com a base de dados da instituição financeira.
  • O sistema fornecerá uma frase de segurança, que precisa ser copiada.
  • O usuário deverá abrir, em outra aba do navegador, o site do banco informado anteriormente.
  • Na página do banco, basta buscar pela opção “Registrato” e colar a frase de segurança. O sistema pedirá a senha de seis dígitos da conta corrente. Caso não faça o procedimento em até 48 horas, o cliente deve gerar uma nova frase de segurança no site do BC.
  • Após validar a frase de segurança no site do banco, o usuário deve retornar ao site do BC e concluir o cadastramento, clicando no botão “Próximo”.
  • No site do BC, o cliente deve digitar novamente o CPF, a frase de segurança e selecionar a instituição financeira. Em seguida, a página pedirá para informar um endereço de e-mail e criar uma senha de oito dígitos.
  • Basta rolar a página e clicar no botão “Concluir credenciamento”. Caso o procedimento dê certo, aparecerá uma janela pop-up com a opção “Acessar Registrato”.

Como realizar a consulta

  • Concluído o cadastro, o cidadão pode entrar no site do Registrato e consultar o histórico de relacionamento com instituições financeiras. Basta usar o CPF e a senha criada anteriormente para fazer o login.
  • A página do Registrato oferecerá as opções “Meus endividamentos”, “Meus relacionamentos financeiros” e “Minhas operações de câmbio”. Em cada um desses painéis é possível gerar um relatório.
  • É preciso aceitar os termos de responsabilidade em cada painel. A tela exibirá todos os relatórios gerados nos últimos seis meses.
  • Se o cliente quiser, pode baixar o relatório de operações cambiais em arquivo PDF, mas o arquivo leva até dois dias úteis para ser oferecido pelo Registrato.

Vazamento dos dados e comercialização

Mais de 223 milhões de brasileiros tiveram seus dados vazados , informações pessoas como nome completo, CPF entre outros. Disponíveis na Internet para compra, o vazamento coloca em risco a privacidade e segurança da população. Além de documentos, o vazamento inclui informações detalhadas de 104 milhões de veículos e cerca de 40 milhões de empresas. 

Sobre os carros, questões como número do chassi, placa, município e até cor foram divulgados. No caso dos empreendimentos, dados como CNPJ, razão social e razão social estão espalhados.

A Psafe confirmou que dados do presidente Jair Bolsonaro estavam inclusos no vazamento, com informações como número de celular, valor da conta telefônica, minutos gastos por dia, CPF e data de nascimento. 

Os mesmos dados da apresentadora Fátima Bernardes também estariam disponíveis, além do jornalista William Bonner. A PSafe não confirmou se existem dados de outras autoridades no pacote.

Fora do Brasil, o criminoso estaria vendendo as informações individualmente ou por pacotes, inicialmente ao valor de US$ 1 cada, mas com preços ainda menores se os dados fossem adquiridos em grande quantidade. 

O hacker ainda afirmou à empresa de cibersegurança que possui informações de 57,2 milhões de contas telefônicas da Vivo e de 45,6 milhões de contas da Claro.

A PSafe também informou que vai entrar em contato com a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) para que uma investigação sobre o caso seja conduzida.

Assine o Correio do Estado