Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REDE SOCIAL

Bilionário apoiador de Donald Trump compra parte do Twitter

Com venda, companhia deve passar por mudanças
02/03/2020 15:22 - Estadão Conteúdo


 

Um megadoador de recursos para campanhas do Partido Republicano dos Estados Unidos - do Presidente Donald Trump -, comprou uma parte das ações do Twitter e pretende implementar mudanças na companhia. Uma das medidas seria a troca do presidente executivo e cofundador da empresa, Jack Dorsey.

A agência de notícias Bloomberg informou que a gestora de investimentos Eliott Management adquiriu uma "parte considerável" da empresa e planeja pressionar por mudanças. A Eliott Management foi fundada pelo bilionário Paul Singer, um grande doador do Partido Republicano. Singer foi contra Donald Trump em sua campanha para a presidência dos Estados Unidos, mas mudou de ideia com o passar do tempo.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, após uma visita à Casa Branca em 2017, Trump afirmou que Singer lhe deu total apoio e falou em "unificação".

O Twitter tornou-se uma plataforma de comunicação cada vez mais usada por líderes mundiais, como Trump, Jair Bolsonaro e o indiano Narendra Modi. Tanto que o Twitter ganhou as manchetes no fim do ano passado quando anunciou que proibiria propagandas políticas. Na época, Dorsey afirmou que permitir propaganda política na rede pode trazer riscos e influenciar o voto de 'milhões de pessoas'. Na época, a medida foi elogiada pela democrata Hillary Clinton.

Dorsey também é diretor da Square, uma empresa de pagamentos online, e anunciou no ano passado um plano de morar e trabalhar na África durante uma parte do ano. Segundo o The Guardian, a Elliott Management é uma investidora que costuma implementar regularmente mudanças nas empresas em que compra ações. Nem o Twitter nem Paul Singer comentaram as notícias.


 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!