Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SAÚDE PÚBLICA

Residência em saúde ajudará a ampliar em 10% cobertura de pacientes

São 30 médicos da família, dois psiquiatras e 76 profissionais de seis áreas ligadas a saúde
02/03/2020 13:28 - Daiany Albuquerque


Começaram a trabalhar oficialmente nesta segunda-feira (2) os 111 profissionais aprovados para o período de dois anos de residência em saúde nas unidades de saúde de Campo Grande. No primeiro dia eles participaram de um encontro sobre a atenção primária, que contou com a presença do prefeito Marcos Trad, mas na terça-feira iniciam os trabalhos nas unidades. Com esses profissionais, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) estima aumento de 10% de cobertura na rede primária.

“Nós estamos falando de 111 profissionais a mais dentro da atenção primária, financiadas por bolsas do MEC (Ministério da Educação). Nós vamos aumentar nosso percentual de cobertura de 52% para 62%, isso é um salto de 10% na atenção primária”, declarou o secretário municipal de saúde, José Mauro de Castro Filho.

Das vagas, 30 são para médicos da família, dois para psicologia e 76 para multiprofissionais, nas áreas de enfermagem, farmácia, fisioterapia, odontologia, educação física e assistente social.

“São profissionais que vão fazer sua qualificação de 2 anos focados em atenção primária e que vão ter bolsas reconhecidas pelo MEC. É uma residência que, independente de qualquer gestão, ela vai ser permanente. Para a gente isso é importante porque eles vão atuar nas unidades de atenção primária, nós vamos iniciar por nove unidades, que vão aumentar as equipes e complementar as equipes que estão com falta de profissionais”, declarou Castro.

Ainda segundo o secretário, os médicos devem ser distribuídos pelas seguintes unidades: Moreninha, Batistão, Itamaracá, Tiradentes, Noroeste, Vida Nova, Parque do Sol, Coophavilla II e Oliveira. Já os psicólogos serão alocados em Centros de Atenção Psicossociais da Capital.

Para essas vagas, a secretaria teve concorrência de cinco candidatos por cada uma e com procura de nove estados diferentes, conforme o secretário. Entre os interessados, estão pessoas do Acre, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Paraná.

“A bolsa da residência é a mesma do Mais Médicos, são R$ 12 mil e ele (médico) ainda pode dar plantão na rede, podendo chegar o salário a R$ 20 mil, numa residência, quem é que não quer isso? Por isso que tivemos concorrência. Tudo é questão de mercado, essa é a diferença desse tipo de projeto, que você vai em busca do financiamento”, complementou. 

Em anos anteriores, a Sesau tinha apenas duas vagas para residência médica e agora passaram para 30, que a cada dois anos receberão novos alunos. Já no caso dos multiprofissionais, que antes não havia vagas, Campo Grande passou a oferta a maior quantidade de vagas nessas áreas do Brasil por meio deste programa. “Isso vai fazer com que a cada dois anos tenhamos 111 profissionais entrando na atenção primária e sendo multiplicadores”.

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.