Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Rio tem 95.537 casos confirmados e 8.824 mortes por Covid-19

Há ainda, de acordo com a secretaria estadual, 1.164 óbitos em investigação
21/06/2020 05:00 - Agência Brasil


 

A cidade do Rio de Janeiro ultrapassou a marca de 50 mil casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus, chegando a 50.129 de acordo com o boletim divulgado hoje (20) pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. Em todo o estado são 95.537 casos confirmados e 8.824 mortes por Covid-19. 

Há ainda, de acordo com a secretaria, 1.164 óbitos em investigação, e 288 foram descartados. Até o momento, entre os casos confirmados, 75.899 pacientes se recuperaram da doença.

A capital concentra a maior parte dos casos confirmados, aproximadamente 52,5% do total. Ao todo, foram registrada até o momento na capital 5.791 mortes, o equivalente a 65,6% do total no estado. 

Niterói é a segunda cidade com mais casos confirmados no estado, 5.347. Em seguida está São Gonçalo (3.885), Nova Iguaçu (2.893); Duque de Caxias (2.625); e Itaboraí (2.066). Ao todo, 34 municípios têm menos de 100 casos confirmados, sendo que cinco têm menos de 10:  São Sebastião do Alto (9); Macuco (8); Santa Maria Madalena (7); Duas Barras (6) e Rio das Flores (4). 

Já as cidades com maior número de mortes confirmadas por covid-19, depois do Rio de Janeiro, são Duque de Caxias (371), São Gonçalo (347), Nova Iguaçu (314), Niterói (175), São João de Meriti (174), Belford Roxo (161), Magé (124), Itaboraí (114) e Mesquita (100). 

Areal, Cantagalo, Carapebus, Conceição de Macabu, Itaperuna, Natividade, Pinheiral, Quissamã, Rio das Flores, São José do Vale do Rio Preto, São Sebastião do Alto, registraram a confirmação de uma morte cada por Covid-19. 

 

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!