Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INTERMUNICIPAL

Sem movimento, rodoviária volta a funcionar com restrições

Já no primeiro dia, equipes da Semadur e Vigilância Sanitária fiscalizaram o terminal
25/04/2020 10:22 - Bruna Aquino, Gabrielle Tavares


 

Depois de ficar 32 dias sem viagens por conta da disseminação do novo coronavírus em Mato Grosso do Sul, o terminal rodoviário de Campo Grande Senador Antônio Mendes Canale voltou ao funcionamento neste sábado com 70% da capacidade e apenas para viagens intermunicipais. Como esperado por conta do isolamento social, a retomada das atividades hoje teve pouco movimento e alguns ônibus seguiram (viagem) praticamente vazios. 

Fiscais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) e Vigilância Sanitária estiveram no local para verificar se as normas contidas no plano de biossegurança como as marcações no chão, a limpeza do local, o fluxo e embarque de pessoas está sendo feito de maneira correta. 

Segundo o secretário da Semadur, Luis Eduardo Costa, a fiscalização serve para ajudar o funcionamento uma vez que o objetivo principal da prefeitura é diminuir ao máximo o fluxo de pessoas. Acontece as pessoas estão usando a forma clandestina para embarque e desembarque interestadual, mas se tivesse, aumentaria muito o fluxo dessas pessoas, e estamos tentando diminuir a quantidade de pessoas nos municípios apenas para viagens necessárias”, disse. 

Acosta também explicou que as empresas também apresentaram plano de segurança na prefeitura e serão fiscalizadas. “Se houver denúncia a fiscalização vai vir e tomar as devidas providências, não terá agentes fixos para ficar aqui, não tem nem como, porque temos outras situações na cidade de fiscalização e isso aqui é uma forma de viver com a pandemia, todos vão ter que aprender a viver nesse formato por um período”, explicou. 

 
 

De acordo com a chefe de serviços de fiscalização municipal Renata Rodrigues o terminal rodoviário ainda passa por fase de adaptação, mas que os próximos dias também serão fiscalizados. Se houver irregularidades, após processo administrativo o local poderá ser multado em até R$ 15 mil reais. 

Percorrendo os corredores quase vazios, a reportagem do Correio do Estado, conversou com uma das poucas passageiras que chegaram à rodoviária. 

A aposentada Hirene da Silva, de 65 anos, saiu de Rondônia onde estava desde dezembro na casa da irmã estava esperando abrir uma das empresas para comprar uma passagem rumo a Três Lagoas, sua cidade natal. “Estava na casa da minha irmã quando começou a pandemia e consegui voltar só agora, eu ouvi dizer que tinha várias mortes na minha cidade, estou com um pouco de medo de voltar”, contou.  

A retomada das viagens é uma luz no fim do túnel para as empresas de transporte rodoviário. Encarregado da agência Cruzeiro do Sul, contou que, com a retomada das viagens a expectativa agora é que a compra de passagens aumente nos próximos meses já que a empresa trabalha apenas com passagens intermunicipais. “A expectativa é que melhore o movimento, ficamos mais de 30 dias sem vender passagens e ficamos parados, estamos retomando aos poucos, teve ônibus que viajou com apenas dois passageiros”, disse. 

RESTRIÇÕES
A principal mudança é que os ônibus só poderão circular em viagens intermunicipais e com 50% da capacidade. As empresas devem respeitar o distanciamento dentro dos ônibus, pulando fileira de poltrona e permitindo apenas que parentes fiquem próximos.

Geralmente os carros possuem entre 43 e 46 lugares, mas só poderão seguir viagem com 23 poltronas ocupadas, seguindo recomendação do plano de biossegurança.

Os passageiros deverão estar usando máscaras e antes da viagem passarão por uma triagem, com aferição de temperatura e entrevista.

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido