Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Se ocupação de leitos continuar crescendo saúde entrará em colapso, diz prefeito

Campo Grande está com taxa de ocupação de 75%; a maior do Estado
06/07/2020 16:27 - Fábio Oruê


Com aumento da taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Campo Grande, o prefeito Marcos Trad (PSD) disse que sistema de saúde da Capital pode entrar em colapso se a situação não mudar. No fim de semana, o município ultrapassou Dourados em números de casos confirmados de coronavírus. 

Segundo o boletim epidemiológico estadual, Campo Grande tem 3.164 casos confirmados da Covid-19. A taxa de ocupação de leitos de UTI está em 75% , de 212 ofertados na Macrorregião Campo Grande. Dentre as quatro macrorregiões, a da Capital é a única que ultrapassa os 50%. 

Confira a tabela:

 
 

Atualmente Campo Grande tem 122 pacientes internados, sendo 84 em leitos clínicos (30 são públicos - 54 privados) e 38 em leitos de UTI (23 públicos - 15 privados), segundo o último boletim municipal, de ontem.  

E a Covid-19 continua avançando no Estado. Em comparação com o mês passado, no dia 6 de junho haviam 2.132 casos, taxa de ocupação de leitos clínicos em 7%, UTI em 10% e 21 óbitos. Um mês depois, são 10.253 testes positivos, ocupação de leitos clínicos em 22%, de UTI em 40%, e 123 mortes

O prefeito criticou os comerciantes que continuam com seus estabelecimentos abertos após o horário do Toque de Recolher, que atualmente vai de 23h até as 5h do dia seguinte. Segundo ele, neste último final de semana, 74 estabelecimentos foram fechados por descumprirem o decreto e funcionar além do horário. 

“[...] as pessoas lá estiveram lá [nos bares] podem hoje encontrar um filho seu, acontece que essas pessoas que lá estiveram pode estar com você agora”, comentou. 

Na sexta-feira (3), Mato Grosso do Sul registrou o menor índice de isolamento social para o mês com índice de 35,9%. No sábado (4) a adesão foi de 39,5% e no domingo (5) subiu para 46,8%. As médias continuam muito aquém do recomendado para conter a disseminação do vírus de 60% a 70%.

Campo Grande, que recentemente voltou a ser o epicentro da doença no Estado, também desenha o cenário de montanha russa com as taxas de recolhimento mapeadas. Na sexta-feira foi de 35,5%, no sábado de 39,2% e domingo 46,2%.

Apesar do aumento exponencial e baixa adesão ao isolamento social, Trad diz que descarta um ‘“lockdown” na cidade.  “[Falam] ‘fecha tudo Marquinhos’; mas se você não me ajudar, nem fechando tudo a gente vai conseguir”, disse ele, explicando que na última vez que o Executivo Municipal “fechou tudo” a população desrespeitou o isolamento domiciliar e saiu de casa. 

“Algumas pessoas iam para os parques, outras iam para o mirante do aeroporto, outras iam fazer prática de corrida na rua, outras não usavam máscaras. Então a questão é mais comportamental do que trancar todo mundo dentro de suas casas”, comentou Trad.

Por isso o prefeito fez um apelo aos campo-grandenses para que respeitem as normas de enfrentamento ao coronavírus e cuidam da saúde pessoal e de todas as outras pessoas da Capital. “É uma cidade toda contra esse vírus”, finalizou ele. 

 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.