Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FALTA RECURSO

Sem repasse da União, obras da Ernesto Geisel continuam em ritmo lento

Governo Federal deve verba referente a medições que foram feitas no ano passado
10/03/2020 11:29 - Daiany Albuquerque


 

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) previa para este mês a retomada das obras nos outros dois trechos da Avenida Ernesto Geisel, em Campo Grande, onde é feita a revitalização das margens do rio Anhanduí. O Governo Federal deve cerca de R$ 1 milhão para as duas empresas responsáveis pelos três trechos das obras. 

Mesmo sem receber o que já havia sido feito, a empresa Gimma Engenharia Ltda retomou, no ano passado, o seu trecho da obra, que fica entre as ruas Santa Adélia e Abolição. A obra é tocada em ritmo lento devido a falta de pagamento. No local, a pista da ciclovia já foi pavimentada, mas ainda falta fazer a calçada da via.

“A gente esperava que o governo repassasse o que ficou faltando do que as empresas já produziram do ano passado agora nesse início de 2020, para retomarmos os outros dois trechos em março. Tínhamos esperança, mas não houve nenhuma sinalização da União até agora”, declarou o titular da Sisep, Rudi Fiorese.

O segundo e o terceiro trecho da obra ficaram sob a responsabilidade da empresa Dreno Construções – Eireli EPP. Essas duas partes compreendem o trecho da rua da Abolição até a do Aquário. Hoje as margens nesse trecho está paralisada, aguardando o repasse.

Em um dos trechos, inclusive, um sofá foi abandonado na obra parada. No final do ano passado a União chegou a repassar R$ 740 mil para as empresas, verba que só foi liberada neste ano.

O valor que ficou em atraso era referente aos meses de julho, agosto e setembro. Das obras na região, segundo o secretário, pouco mais de 60% está concluída – mais de 75% do primeiro lote, 55% do segundo e 50% do terceiro lote –, sendo investidos até agora total de R$ 29.416.122,52 nos três trechos.

Para a retomada das obras no trecho entre a Rua da Abolição e Santa Adélia o local depende de uma readequação na tubulação do esgoto, que será feita pela Águas Guariroba, concessionária de tratamento e abastecimento de água e esgoto de Campo Grande.

Em contato no início do ano, a assessoria de imprensa da empresa informou que o remanejamento no local será de 1,3 km de rede de esgoto, na margem esquerda do córrego Anhanduí (sentido bairro/centro). “No momento, a concessionária está em processo de contratação da empresa que ficará responsável pela realização das obras. Além da seleção, já está em trâmite as licenças para a realização da obra”, detalhou. 

O serviço é necessário porque, segundo o superintendente de Obras da Sisep, Francisco Torres Martins, a tubulação está muito próxima da margem e quando forem feitas escavações para a construção do gabião que margeia o rio a estrutura pode se romper e derramar esgoto no Anhanduí. A previsão é de que a mudança seja feita de 60 a 90 dias, só então o local poderá passar pela qualificação prevista.

Iniciada em fevereiro de 2018, a revitalização da Avenida Ernesto Geisel abrange trecho de quase dois quilômetros da via, atravessando os bairros Coophamat, Taquarussu, Jacy e Marcos Roberto. Paredões de gabião com até 9 metros de altura foram levantados para proteger as margens da erosão e evitar o transbordamento do rio que terá drenagem, ciclovia, urbanização e recapeamento das duas pistas.

A obra total está orçada em R$ 48.497.999,21 e tinha previsão de término para no aniversário da cidade do ano passado, apenas no lote três que o prazo era maior, e seria entregue em agosto deste ano. Ainda não há previsão estabelecida para a conclusão.

CHUVA

Após placas do muro de contenção do riu Anhanduí desabarem devido a grande quantidade de chuva em fevereiro, funcionários da Sisep iniciaram na manhã de hoje, após o período chuvoso, a recomposição da área e reconstrução da parede de concreto.

O local foi escavado novamente, para que o aterramento seja refeito e só então o muro será reconstruído. Como a obra necessita de maquinário pesado, a avenida, no sentido centro/bairro, foi completamente fechada na manhã desta terça-feira (10) pela Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran).

O local ficará interditado por três dias e opção para o motorista que precisa trafegar pela região é pegar a alça de acesso na avenida para a Salgado Filho e de lá chegar na rua Brilhante.

 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!