Clique aqui e veja as últimas notícias!

COLAPSO

Sem vagas, hospital de referência no tratamento à Covid em MS opera no limite

Com 125 pacientes entubados e rede de oxigênio sobrecarregada, Hospital Regional não consegue admitir novos pacientes
03/06/2021 19:00 - Mariana Moreira


Com superlotação, o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS), referência no atendimento à Covid-19 opera no limite de sua rede de oxigênio com 125 pacientes entubados e mais 15 enfermos respirando com o auxílio de cateter. 

Por essa razão, a instituição suspendeu a regulação de vagas para pacientes que necessitem de ventilação mecênica, para tentar evitar que a rede de oxigênio sofra uma sobrecarga ainda maior e comprometa o fornecimento como um todo.

A diretora-presidente do HRMS, Rosana Leite de Melo relatou que a instituição só vai admitir pelas próximas horas, pacientes que necessitem de cateter de oxigênio. 

"O problema não é a reserva de oxigênio e sim a estrutura física do hospital, da década de 1990 que não comporta tantos pacientes dependendo de oxigênio. Se admitirmos mais entubados, corremos o risco da tubulação estourar", salientou Melo. 

Últimas notícias

De acordo com o último boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Mato Grosso do Sul possui 1.337 pessoas internadas com Covid-19. 

Destes, 797 estão em leitos clínicos. Em situação mais grave, 540 estão hospitalizados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). 

A fila de espera no Estado conta com 292 pacientes, sendo 189 na macrorregião de Campo Grande e 63 na macrorregião de Dourados. 

Pela Central de Regulação do Estado (Core), 40 enfermos aguardam por um leito clínico ou de UTI. 

Em uma tentativa de contornar a situação, a SES está em tratativas para transferir 9 pacientes para Rondônia. Conforme a pasta, ainda não há data definida para o envio dos doentes. 

Conforme o último boletim epidemiológico divulgado pela SES, 297.323 pessoas já foram contaminadas pela Covid-19 em Mato Grosso do Sul. 

No total, 6.976 pessoas morreram em decorrência da doença no Estado.

Assine o Correio do Estado