Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PROJETO

Sem conseguir verba, obras contra enchentes ficam no papel em Campo Grande

Prefeitura tenta conseguir R$ 120 milhões, por meio de empréstimo ou com o governo federal, para a construção de barragens no Segredo e Prosa
06/10/2020 09:00 - Daiany Albuquerque


A Prefeitura de Campo Grande tem projetos para a construção de barragens nos córregos Segredo e Prosa, para contenção de águas pluviais. 

A ideia existe desde 2018, entretanto, até agora a gestão não conseguiu viabilizar as obras. 

Isso porque, segundo o titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), Rudi Fiorese, para essas construções serem feitas, é necessário o investimento de R$ 120 milhões, verba que a cidade não conseguiu.

“Tentamos por meio de operação de crédito internacional e tentamos, no ano passado, com o governo federal. O prefeito esteve conversando pessoalmente com o ministro do Desenvolvimento, deixamos uma carta, mas não obtivemos sucesso ainda”, explicou Fiorese.

Segundo o secretário, essas obras seriam essenciais para evitar as enchentes recorrentes na cidade, principalmente na região norte de Campo Grande, onde todos os anos ocorrem alagamentos, como na rotatória da Avenida Rachid Neder.

“Não temos condições de fazer essas obras sozinhos, precisamos desse recurso e vamos continuar tentando. Enquanto isso, temos outras obras em andamento, que ajudam, mas não resolvem completamente o problema”, afirmou o secretário.

OBRAS

Atualmente, duas frentes de contenção de enchentes são tocadas, uma na região do Bairro Nova Lima e outra na Vila Nasser. 

Ambas em fase final de implantação, conforme a prefeitura.

No Nova Lima, a obra faz parte do Complexo José Tavares, onde foi construída uma bacia de contenção para evitar que toda a água pluvial acumule no Córrego Segredo, fazendo-o transbordar, o que causa os alagamentos na região da Avenida Rachid Neder.

A obra, que tem recursos de R$ 18,1 milhões, está sendo executada pela Prefeitura de Campo Grande, em parceria com o governo do Estado, e a previsão é de que seja entregue ainda neste ano. 

A bacia também ajudará a conter a erosão no Parque Estadual Matas do Segredo.

No caso das obras na Vila Nasser, a construção é feita no Córrego Imbirussu. 

A piscina de contenção de águas pluviais foi construída em uma área de 5 mil metros quadrados, com capacidade para reter 10 mil metros cúbicos de água da chuva.  

Essa obra evitará que as águas pluviais encham o córrego e causem alagamentos nos arredores do Bairro Popular, região oeste de Campo Grande. 

Segundo a prefeitura, a bacia de retenção vai segurar a enxurrada que desce da parte alta do Santa Luzia e da Vila Nasser. 

Deste ponto, escoará pela rede existente até a Avenida Miguel Vieira e desembocará no Imbirussu.  

“Nesses dois pontos estamos em fase final, só fazendo o acabamento. A tubulação está instalada e, se chover, já estará em funcionamento”, destacou Fiorese.

Outro projeto para construção de uma bacia de retenção, entre as avenidas Mato Grosso e Hiroshima, está sendo finalizado. 

Segundo o secretário, assim que for finalizada essa parte, o plano segue para a abertura de licitação da obra. 

“O projeto fica pronto este ano, e a licitação deve sair ainda este ano. Acredito que até novembro o edital já esteja publicado”, afirmou.

ERNESTO GEISEL

Um dos pontos que também faz parte do projeto para contenção de enchentes em Campo Grande, a Avenida Ernesto Geisel segue em obras. 

No local é feita, atualmente, a mudança de tubulação de esgoto, para que seja construída a parede de contenção do Rio Anhanduí.

Sobre o trecho próximo à obra que desmoronou no início deste ano, a restauração deve ficar pronta em 2021.

Dois paredões que davam sustentação às margens do rio caíram com as chuvas de fevereiro deste ano. Uma das paredes já foi erguida e a outra está em fase final de restauração. 

Segundo o secretário, esse processo deve levar um mês. Depois disso, será construída uma segunda parede, atrás da contenção, para evitar desabamentos. 

“Serão mais três meses de obras. Concretando [essas paredes], essas a chuva não vai derrubar”, alegou Fiorese.

 
 

Felpuda


Candidato a vereador caiu em desgraça, pelo menos em um dos bairros de Campo Grande, ao promover comício em ginásio de esporte, com direito a ônibus lotados e espoucar de muitos fogos de artifício.

Aí dito-cujo foi alvo de muitas críticas, tanto pela zoeira causada, como por ter mandado às favas quaisquer cuidados na prevenção da Covid-19, ao promover grande aglomeração. Irresponsabilidade é pouco, hein?!