Cidades
NATUREZA

Seriemas invadem Paraíso das Águas e se tornam “mais populares” do que cães

Cidade de 5,7 mil habitantes está com uma ocupação de espécie, que chega a ter 90 centímetros de altura

Rodolfo César

28/05/2022 09:30

Ela não está na bandeira do município nem tem título de cidadã paraisense, mas faz parte do dia a dia de Paraíso das Águas. A seriema se tornou a ave mais comum no município mais jovem de Mato Grosso do Sul. 

A cidade já convive com essa ocupação, que aparentemente está se acentuando neste ano, desde sua emancipação, em 2003.

A ave chama atenção por onde passa porque não se trata de uma espécie comum em muitos lugares. Ela não tem penas coloridas, mas seu tamanho é o que impressiona. Ela pode chegar a 90 centímetros na fase adulta e pesar cerca de 1,5 kg.  

A plumagem dela é cinza-amarelado, com as patas e o bico vermelhos e o abdômen, muitas vezes, um pouco mais claro que o resto do corpo. Além disso, é uma das poucas aves que têm cílios e podem se alimentar de cobras, além de insetos e pequenos vertebrados.

É fato que ela pode ser encontrada em todo o Brasil. Porém, conforme dados do Zoológico do Distrito Federal, no Centro-Oeste há uma ocorrência mais comum, bem como no Nordeste e no Sudeste. Além disso, na Bolívia, no Paraguai, no Uruguai e na Argentina, a seriema também deixa sua presença.

O caso envolvendo Paraíso das Águas tem uma história mais particular. Recentemente, houve a realização do evento mundial chamado Big Day, que conglomera observadores de aves por todos os continentes para realizar registros nas mais diversas localidades. 

Mato Grosso do Sul, em especial, tem se consolidado nessa atividade por conta de uma mobilização que vem crescendo nos últimos dois anos. As seriemas começaram a atrair olhares de quem não vive na cidade, após os muitos registros que foram feitos.

Locais como o Pantanal, em Corumbá e em Miranda, são tradicionais por terem uma fauna muito diversificada para aves. Não ocorre essa mesma pluralidade em Paraíso das Águas. O que as seriemas fizeram por lá foi “roubar” a cena da diversidade para se tornarem mais que comuns. Em vez de encontrar cães ou gatos na rua, são seriemas por lá.