Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

PARALISAÇÃO

Sindicato afirma possibilidade de greve em transporte público

Paralisação dos motoristas causaram transtornos para os passageiros nesta segunda-feira
20/07/2020 11:16 - Gabrielle Tavares


Quem depende de ônibus para ir trabalhar teve que achar outra alternativa na manhã desta segunda-feira (20). Os ônibus só começaram a rodar depois das 7h, porque os motoristas dos ônibus estavam em uma reunião com o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo (STTCU).  

O sindicato quer que a Lei 6.481/20 seja revista, para que os motoristas não precisem pagar valores, que variam entre 2 e 5 mil reais, em multas. Segundo o STTCU, há possibilidade de greve.

A jornalista Ethieny Karen, 22 anos, optou por chamar um motorista de aplicativo para não chegar atrasada ao trabalho.

Ela relatou que precisa pegar dois ônibus para chegar ao serviço, mas nem o primeiro apareceu. “Sem condições, demorou demais”, comentou.

Ethieny não sabia da paralisação, mas mesmo pagando mais caro no transporte, disse que ainda chegou atrasada. 

“Não estava no orçamento, mas não vai me prejudicar muito. Porque não é tão longe” falou.

A auxiliar administrativo Edilaine de Jesus de Mendonça, 24 anos, foi pega de surpresa com o atraso do coletivo. 

“Só foi avisado ontem, e não tenho costume de olhar o jornal no domingo. Ai tive que avisar meus chefes que iria chegar atrasada”, explicou.  

Ela entra no serviço às 7h45, hoje só conseguiu chegar às 8h23. Edilaine esperou por quase uma hora no ponto, o ônibus que geralmente passa às 6h45 no bairro Coophavila II, só passou às 7h28. “E teve muita gente que teve que esperar mais”, comentou.  

Como os transportes coletivos estão rodando com capacidade máxima de pessoas, em razão à pandemia da Covid-19, teve gente que não conseguiu embarcar na primeira volta de ônibus. 

“Não conseguiu pegar todo mundo que estava nos pontos. Chegou um certo de limite de pontos que já estava cheio e não dava para entrar mais gente”, disse Edilaine.

 
 

Sindicato afirmou que pode haver greve

O presidente do STTCU, Demétrio Ferreira de Freitas, disse que a assembleia foi feita para discutir Lei 6.481/20, de 14 de julho de 2020.

 A principal reivindicação da categoria é sobre os valores de multas que, segundo Demétrio, os motoristas terão que pagar.  

“O motorista tem um horário para fazer a rota, se atrasar é gerado uma notificação, que gera uma multa. Fizemos a assembleia para mostrar que a gente não concorda com a nova lei. As multas vão de 2 mil a até 5 mil”, relatou o presidente.  

Segundo Demétrio, a categoria tentou negociar com a Câmara Municipal de Campo Grande, responsável pelo projeto, mas não houve sucesso.

 “A lei partiu do Executivo, procuramos várias vezes o presidente da Câmara [João Rocha (PSDB)], tentamos falar com ele várias vezes, mas simplesmente cotou e sancionou a lei na nossa frente”, apontou.

Foi aprovado na assembleia, através de votação, que caso a lei não seja revista, haverá greve. Mas dessa vez, segundo Demétrio, será avisado com antecedência e “tudo dentro da lei”. 

“Caso o prefeito não rever essa lei, quando chegar a primeira multa para algum motorista, vai ter greve no outro dia. Ou ele revê isso aí, ou vai ter uma briga muito grande aqui”, ressaltou.

Consórcio Guaicurus

Em nota, o Consórcio Guaicurus disse que a empresa também foi surpreendida com a paralisação, assim como os usuários, e que a realização teria de ser comunicada com a antecedência mínima exigida por lei.

A empresa reforça ainda que medidas administrativas e judiciais serão tomadas.

 “O Consórcio Guaicurus, em respeito aos seus milhares de clientes que todos os dias utilizam o transporte público, condena e repudia com veemência esse tipo de iniciativa”. 

 
 

Felpuda


Ex-petista de quatro costados, que acabou se aboletando em outro partido já há algum tempo, decidiu se submeter mais uma vez às urnas na tentativa de voltar a comandar cidade do interior de Mato Grosso do Sul. O eleitorado não botou fé e decidiu reeleger o atual prefeito.

Agora, há quem diga que o dito-cujo, que é fã de Carnaval, já pode ir preparando sua fantasia: “palhaço das perdidas ilusões”. Ô maldade!