Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Três servidores da Cassems estão com coronavírus

Eles tiveram contato com idosa de 64 anos, que deu entrada na unidade e morreu em Dourados
01/04/2020 07:42 - Daiany Albuquerque


Três funcionários da Cassems de Nova Andradina, que tiveram contato com uma idosa de 64 anos, diagnosticada com a doença e que morreu em Dourados, foram testados positivos para a Covid-19, o novo coronavírus. Em coletiva realizada na terça-feira (31), porém, o secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, havia dito que eram dois servidores infectados.

De acordo com o hospital, todos os colaboradores que se envolveram no atendimento à paciente foram testados, conforme orientação da Vigilância Epidemiológica, e três tiveram o exame positivo para a doença e passaram por rigorosa bateria de exames.

Em nota, a Cassems disse ainda que os funcionários estão assintomáticos e isolados em quarentena. “Gostaríamos de reafirmar o compromisso da Cassems no cuidado integral aos seus pacientes e colaboradores e informar ainda, que contamos com rede de apoio à disposição e que asseguramos que cada colaborador esteja protegido com os equipamentos de segurança indicados pelos órgãos competentes e que recebam a assistência necessária em caso de adoecimento”.

A paciente deu entrada no hospital de Nova Andradina já com quadro grave e foi transferida para a unidade de Dourados, onde ficou internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A idosa, que morreu na terça-feira (31), também testou positivo para a Covid-19. Este foi o primeiro caso de morte pela doença registrado em Mato Grosso do Sul.

Conforme o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), 48 casos foram confirmados pelo novo coronavírus e há 554 notificações. A maioria continua sendo em Campo Grande, com 37 confirmações.

 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!