Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PREFEITO

"Triste dia para o Brasil", diz Marcos Trad sobre demissão de Moro

Prefeito elogiou o agora ex-ministro e lamentou crise no atual momento de pandemia
24/04/2020 15:29 - Glaucea Vaccari


 

Horas após Sérgio Moro pedir demissão do catgo de ministro da Justiça e Segurança Pública, prefeito de Campo Grande, Marcos Trad, usou as redes sociais para tecer elogios ao agora ex-ministro e afirmou que a situação é lamentável diante da crise que o País já enfrenta pela pandemia do novo coronavírus e que é "um triste dia para o Brasil".

“Desapontado com a saída daquele que é, na minha opinião, sinônimo de luta contra a corrupção. Sempre o admirei. Com a toga, com o terno ou com roupas comuns, Moro vestia a esperança de um Brasil melhor”, afirmou Marcos Trad em postagem no Twitter e Facebook.

Moro anunciou sua demissão na manhã desta sexta-feira (24). Segundo ele,a substituição do diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, foi uma sinalização de que Bolsonaro não o queria no cargo.

No discurso, o ex-ministro acusou Bolsonaro de interferência direta nas investigações da Polícia Federal, tendo pedido acesso a dados sigilosos de inquérito, e de ter publicado no Diário Oficial da União informações falsas sobre o processo de demissão "a pedido" de Valeixo. Moro negou ter assinado com o presidente a portaria de exoneração de Valeixo, seu homem de confiança, que por sua vez, garantiu o ministro, não pediu para deixar o cargo.

Sobre as acusações, Marcos Trad apenas comentou que são “contudentes e, mais uma vez, lamentou a saída de Moro no atual momento.  

“Ele não apenas se demitiu, mas fez contundentes denúncias. Lamentável que em um momento de crise na saúde mundial como este, a gestão federal perca um aliado de tamanha envergadura moral. Triste dia para o Brasil”, disse o prefeito.

 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.