Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MEDIDA EXCEPCIONAL

UFMS forma médicos e enfermeiros antecipadamente para combate a Covid-19

Medida tem caráter excepcional e valerá enquanto durar a situação de emergência na saúde pública
04/05/2020 18:01 - Glaucea Vaccari


 

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul formaram, desde o início da pandemia do novo coronavírus, 41 novos profissionais de saúde. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), são 40 médicos e um enfermeiro recém-graduados no Estado que poderão atuar no enfrentamento da Covid-19.

Na quinta-feira, a primeira turma de Medicina do campus de Três Lagoas da UFMS colou grau, com 36 formandos. Com relação aos outros cinco foramdos antecipadamente, não foi divulgado em qual município ocorreu a graduação.

A chegada desses novos profissionais no mercado tem relação com a decisão do MEC de antecipar a formatura de alunos dos cursos de medicina, enfermagem, farmácia e fisioterapia, exclusivamente para atuação desses profissionais nas ações de combate à pandemia do novo coronavírus.

Para antecipar a colação de grau, os alunos precisam ter cumprido 75% da carga horária prevista para o período de internato médico ou estágio supervisionado. A medida tem caráter excepcional e valerá enquanto durar a situação de emergência na saúde pública.

Ainda não há informações sobre como esses profissionais reforçarão o combate à epidemia. A entrada deles no sistema público de saúde só poderá ser feita através do voluntariado, uma vez que para ser profissional de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) é necessário prestar concurso público. 

No cenário atual, eles atuariam como voluntários em hospitais ou postos de saúde, em um acerto feito diretamente com as Secretarias Estaduais de Saúde. Esses profissionais também ficam à disposição de hospitais e clínicas particulares, onde podem ser contratados normalmente.

* Com Agência Brasil

 

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.