Cidades

Sofisticação

Venda de smartphones cresce 85%, com Android na liderança

Venda de smartphones cresce 85%, com Android na liderança

Continue lendo...

No primeiro trimestre deste ano foram vendidos 427,8 milhões de dispositivos móveis de comunicação para usuários finais, diz o Gartner --um aumento de 19% em relação ao mesmo período de 2010.

Desses aparelhos, 23,6% são smartphones -segmento que viu um expressivo aumento de 85% no número de unidades vendidas, alcançando quase 100,8 milhões no primeiro trimestre de 2011.

A venda de smartphones poderia ser ainda maior, mas o Gartner acredita que alguns consumidores decidiram esperar pelo lançamento de aparelhos mais sofisticados que foram anunciados justamente durante o período da pesquisa.

Fabricantes

No mercado de celulares em geral, a líder Nokia continua a perder terreno -teve queda tanto no número absoluto de unidades vendidas (107,6 milhões contra 110,1 milhões) quanto em fração do mercado (25,1% contra 30,6%). A Samsung, segunda colocada, cresceu em número de vendas, mas perdeu participação.

Apple (quarta colocada), ZTE (sexta) e HTC (sétima) tiveram aumento tanto no número de unidades vendidas quanto em fração do mercado. A primeira vendeu cerca de 16,9 milhões de celulares iPhone no primeiro trimestre deste ano (contra 8,3 milhões no mesmo período de 2010) e aumentou sua participação de 2,3% para 3,9%.

Plataformas

Entre os smartphones, o plataforma líder é o Android, que equipa cerca de 36,3 milhões ou 36% das unidades vendidas -há um ano, estava na quarta colocação, com participação de 9,6%.

Em segundo vem o ex-líder Symbian, que caiu de 44% para 27,4% do mercado, seguido pelo iOS (que cresceu de 15,3% para 16,8%) e o BlackBerry (que caiu de 19,7% para 12,9%).

A Microsoft viu sua participação diminuir de 4,4% para 3,3%. Dos 3,7 milhões de smartphones vendidos com um sistema da empresa, apenas 1,6 milhão tinham Windows Phone.

O Gartner lembra que a grande notícia do primeiro trimestre de 2011 no mercado de smartphones foi a aliança estratégica entre Nokia e Microsoft, dois gigantes que têm perdido terreno e lutam para se recuperar.

ENCHENTE

RS precisa fazer estudos de riscos antes de projetos de novas obras

Para especialistas, reconstrução deve levar em conta eventos extremos

18/05/2024 21h00

Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Continue Lendo...

A reconstrução do Rio Grande do Sul, que sofre sérios danos em consequência das fortes chuvas que atingem o estado desde o fim de abril, terá que ser feita com base nas projeções para o futuro climático.

Construções antigas que desabaram ou foram arrastadas pela quantidade e intensidade das águas, como diversas pontes e estradas, não atendiam ao nível de resiliência necessários, na atualidade, diante das mudanças climáticas que provocam os eventos extremos. Especialistas argumentam que, agora, as obras de reconstrução precisam levar em consideração a tendência de eventos extremos, cada vez mais frequentes. Aí se inclui os estudos de engenharia para definir o planejamento urbano das cidades.

Para o professor de Recursos Hídricos da Coppe/UFRJ Paulo Canedo, as soluções que serão dadas para tornar as cidades mais resistentes vão depender de local para local. “Por exemplo, tem pontes que foram levadas e devem ser reconstruídas. Determinadas pontes já estavam mal alocadas, já estavam baixas ou com alicerces em zona de risco. Não se trata de refazê-las tais quais estavam há pouco dias.

Elas têm que ser refeitas pensando que eu população, eu governo, fiz errado há 20 anos atrás, e agora não vou refazer com o mesmo erro.Vou corrigir. Outra coisa, é que muitas vezes a pressa em fazer desenvolvimento econômico e social leva a medidas que não tornam resiliente a região para o problema de inundação. Com muita facilidade o ser humano invade terras que pertencem às águas para o seu uso”, explicou à Agência Brasil.

“Se sabemos que erramos, está na hora de doravante começar a corrigir e tomar novas atitudes, portanto, respeitar as áreas não apropriadas para intensificar moradias ou estrada. As construções devem ser evitadas para não repetirmos o mesmo erro”, reforça Canedo. 

Na visão do especialista, a tragédia de agora mostrou as diferenças entre as chuvas que caem desde abril com as de 1941, quando o estado sofreu outra inundação intensa.

“A chuva [agora] foi extraordinariamente grande. Se comparar com a década de 40, o progresso no Rio Grande do Sul era muito menor, a quantidade de habitantes era muito menor, portanto, a impermeabilização do solo era muito menor. O que significa dizer que uma mesma chuva caindo hoje já daria danos de inundação muito maiores”, disse, acrescentando que “na etapa de reconstrução se deve ter em mente a ocupação do solo e a capacidade de sua impermeabilização para impedir danos causados pelas enxurradas”.

O engenheiro civil especialista em desastres e professor da Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Leandro Torres di Gregório defende a importância de se fazer estudos antes da formulação de projetos de construção. Para ele, é preciso ter uma avaliação preliminar de perigo de destruição, justamente para verificar a capacidade de suportar eventos extremos.

Segundo o professor Gregório, como nesse caso a inundação é a principal ameaça, se faz um estudo que mostra como ficam em diferentes cenários de chuva, os reflexos em termos de inundações.

“Esse é um primeiro ponto. O estudo do perigo visa entender como a ameaça se distribui no território e qual a magnitude. No caso de inundação, qual a altura da lâmina d’água ou coisas assim. Na medida que se tem o estudo, se começa a montar diferentes cenários de obras que possam amenizar as inundações. Depois do estudo do perigo, se começa a montar obras de engenharia ainda em fase de planejamento e se simula como seria com o novo cenário de inundações para ver quais as áreas que deixaram se ser inundadas, ou as que tiveram inundação reduzida. Assim vai se compondo uma série de medidas com a finalidade de mitigar o efeito das inundações”, explicou.

COMBATE AO ABUSO

Disque 100 registrou 342 relatos de violência sexual contra menores em MS

As violações descritas para o serviço Disque Direitos Humanos informam casos de importunação física, sexual e estupro de vulnerável

18/05/2024 17h30

O serviço Disque 100 registrou em Mato Grosso do Sul 158 denuncias envolvendo violência sexual contra menores

O serviço Disque 100 registrou em Mato Grosso do Sul 158 denuncias envolvendo violência sexual contra menores Foto: Alexas Fotos por Pixabay/ Divulgação

Continue Lendo...

Neste primeiro semestre de 2024, o serviço de denúncias Disque 100, do Ministério dos Direitos Humanos,  registrou 342 relatos de violência sexual contra menores em Mato Grosso do Sul.

Segundo os dados do Painel da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, o serviço recebeu 158 ligações informando sobre casos de  violência sexual contra menores no Mato Grosso do Sul, envolvendo uma vítima e um suspeito. Ao todo 342 relatos de crimes contra os Direitos Humanos foram mensionados, sendo 157 casos de estupro de vulnerável, 135 de violência fisica sexual e 50 de importunação sexual.

O período quando houve o maior número de denuncias ocorreu nos meses de fevereiro e abril, sendo que 25% das denuncias informaram que as violações, contra a vitima criança ou adolescente, inicaram a mais de um mês e 17% disseram que a violação se iniciou a mais de um ano.

Das 158 denuncias, 75 informaram que o cenário da violação ocorre onde reside a vítima e o suspeito, e 31 disseram que a violência sexual acontece na casa da vítima.

A capital, Campo Grande, é a cidade onde se concentra o maior número de denuncias (90) e violações (200) informadas,  Dourados, Três Lagoas e Rio Brilhante são as cidades do interior com mais denuncias através do disque 100.

NACIONAL

Estatísticas nacionais mostram que a violência sexual contra crianças e adolescentes permanece alta no Brasil. O serviço Disque Direitos Humanos (Disque 100) registrou entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano 7.887 denúncias de estupro de vulnerável. A média de denúncias em 134 dias é de cerca de 60 casos por dia ou de dois registros por hora. 

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) estima que apenas 8,5% dos estupros no Brasil são relatados à polícia. A projeção do instituto é que, de fato, ocorram 822 mil casos anuais. Mantida a proporção de três quartos dos casos registrados nas delegacias, o Brasil teria mais de 616 mil casos de vulneráveis por ano.

Em 2022, de cada quatro estupros três foram cometidos contra pessoas “incapazes de consentir, fosse pela idade (menores de 14 anos), ou por qualquer outro motivo (deficiência, enfermidade etc.)”, descreve o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicado em 2023 pelo FBSP.

Este sábado (18) é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A data, instituída pelo Congresso Nacional em 2000, marca a passagem do assassinato da menina Araceli Cabrera Sánchez Crespo, há 51 anos em Vitória (ES). Depois de seis dias de desaparecimento, o corpo da criança foi encontrado com marcas de violência, desfigurado por ácido e com evidências de estupro. O crime, conhecido como “Caso Araceli”, permanece impune. 

(Com informações: Agência Brasil)

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).