Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ATRASADOS

Vereadores aprovam projeto de prevenção ao coronavírus que já existe há duas semanas

Secretaria de saúde do município informou que plano foi lançado em fevereiro
12/03/2020 14:30 - Bruna Aquino


Em meio ao surto de coronavírus no Brasil e no mundo, vereadores da Câmara Municipal de Campo Grande votaram e aprovaram nesta quinta-feira (12) em regime de urgência projeto de lei que solicita a secretaria municipal de saúde (Sesau) a apresentar um plano de contingência e enfrentamento contra a doença (Covid/19). No entanto, o plano já está existe desde o dia 27 de fevereiro com base os protocolos pré-estabelecidos pelo Ministério da Saúde, segundo informou a Sesau. 

O projeto aprovado em votação simbólica é de autoria do vereador Vinicius Siqueira (DEM) mas também foi assinado e apoiado pela maioria dos parlamentares, principalmente da comissão de saúde. 

O plano que já em prática, traz um panorama da situação epidemiológica no Brasil, além da características gerais sobre a infecção humana por Covid-19, modo de transmissão, período de incubação, manifestações clínicas, diagnóstico laboratorial, definições, fluxo de coleta, armazenamento e envio da amostra e orientações para atendimento ambulatorial, pronto atendimento e hospitalar. Segundo a secretaria o plano será atualizado com frequência conforme informações do Ministério da Saúde.

São citados também, as estratégias para redução da transmissão da doença, por meio do monitoramento e controle dos pacientes já detectados, assim como a capacitação do profissionais de saúde da rede municipal e as atividades de educação, mobilização social e comunicação a serem implementadas também fazem parte das recomendações do plano.

O assunto foi abordado na palavra livre pelo vereador Eduardo Cury (Sem Partido) que informou que mesmo com a boa administração do ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta contra a pandemia é preciso ter prevenção no Estado e no município. “Estamos em pandemia há 48 horas, somos um país tropical não temos casos graves nem internados em UTI, mas é preciso ter prevenção, que é voltada para o que está acontecendo no mundo”, disse. 

Sobre a possível suspensão das sessões nos próximos dias, o vereador comentou que existe a possibilidade se caso a situação piorar, mas não tem nada acordado ainda. “È possível, pensamos nisso, mas não podemos tomar nenhuma decisão precipitada se o impacto for parecido na Europa vamos ter que tomar as mesmas providências. Estamos conversando com a secretaria de saúde e fizemos o convite para o secretário José Mauro vir apresentar do plano dele”, explicou. 

Mesmo sendo aprovado em regime de urgência o projeto segue para a sanção do prefeito Marcos Trad (PSD) que possivelmente será vetado. 

A DOENÇA

Os Coronavírus causam infecções respiratórias e intestinais em humanos e animais, são altamente patogênicos (SARS e MERS). Na infecção Humana por COVID-19 o espectro clínico não está descrito completamente, bem como não se sabe o padrão de letalidade, mortalidade, infectividade e transmissibilidade. Não há vacina ou medicamento específico disponível. O tratamento é de suporte e inespecífico.

Os Coronavírus são uma grande família de vírus comuns em muitas espécies diferentes de animais, incluindo camelos, gado, gatos e morcegos. Raramente, os Coronavírus animais podem infectar pessoas e depois se espalhar entre pessoas como MERS-CoV e SARS-CoV. No início, muitos dos pacientes com surtos de doenças respiratórias causadas pelo Coronavírus 2019 (COVID-19) em Wuhan, na China, tinham alguma ligação com um grande mercado de frutos-do-mar e animais vivos, sugerindo a disseminação de animais para pessoas. No entanto, um número crescente de pacientes, supostamente não teve exposição ao mercado de animais, indicando a ocorrência de disseminação de pessoa para pessoa.

Confira abaixo o plano completo de enfrentamento contra o Covid/19.

 

 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!