Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ISOLAMENTO SOCIAL

Violações do toque de recolher batem recorde e 172 são mandadas para casa

Outros 70 estabelecimentos que atendiam clientes foram orientados a fechar as portas
30/03/2020 09:54 - Ricardo Campos Jr


 

A quantidade de estabelecimentos e pessoas que violaram o toque de recolher entre domingo e segunda-feira (30) bateu recorde em Campo Grande. Guardas municipais tiveram que orientar o fechamento de 70 pontos comerciais e mandaram 172 cidadãos para casa.

Para evitar colapso no sistema de saúde motivado pelo novo coronavírus, a Prefeitura tem adotado medidas de isolamento social desde 18 de março, quando as escolas da rede municipal foram suspensas. 

Com objetivo de manter a população em casa, entrou em vigor no dia 23 o toque de recolher. A medida estabelece que ninguém circule pelas ruas da cidade sem necessidade.

Inicialmente o período era das 22h às 5h. Contudo, o prefeito Marcos Trad Filho (PSD) decidiu antecipar para 20h o período em que todos devem obrigatoriamente ficar em casa.

A exceção é apenas para acessar serviços essenciais, como saúde e segurança pública, desde que o cidadão se desloque sozinho para unidade de saúde, supermercados e trabalhadores desses serviços. Também fica proibida nesse período a circulação em praças abertas - já que parques e praças gradeadas estão fechadas.

Segundo a Guarda Municipal, nenhum dos estabelecimentos e pessoas abordadas desde ontem a noite resistiu às orientações. Alguns estabelecimentos do setor de alimentação fecharam as portas e seguiram atendendo pelo disque-entrega. 

Houve ainda dois motoristas abordados que estavam com documentação irregular. Os automóveis foram apreendidos e encaminhados para o pátio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). 

 

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!