Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Prefeitura prorroga suspensão de vistorias em táxis e mototáxis em Campo Grande

Vistorias estão suspensas desde março devido a pandemia do coronavírus
01/10/2020 13:27 - Glaucea Vaccari


Vistorias de veículos cadastrados para atividades de transporte individual de passageiros, os táxis e mototáxis, e de veículos utilizados para prestação do serviço de caçambas, continuam suspensas até o fim deste mês em Campo Grande.

Portaria que prorroga a suspensão por mais 30 dias, até 31 de outubro, foi publicado hoje no Diário Oficial do município.

Conforme a portaria, assinada pelo diretor presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), Janine de Lima Bruno, a manutenção da suspensão é devido à pandemia do coronavírus, que demanda algumas medidas de prevenção.

A inexigibilidade de vistoria para táxis e mototáxis contempla apenas àqueles que deveriam realizar a vistoria obrigatória no período que corresponde à suspensão, ou seja, do dia 19 de março até o fim de outubro.

Além disso, o decreto também estende o período de suspensão de vistorias para as prestadoras de serviço de caçamba pelo mesmo período.

Aqueles permissionários e prestadores dos serviços de táxi convencional, mototáxi e caçambas, que deveriam ter realizado a vistoria veicular em período anterior a pandemia da Covid-19 e a consequente suspensão das vistorias, devem fazer a vistoria para fim de regularização para o exercício da atividade.

Para isto, vistoria deve ser agendada através do telefone (67) 3314-3400, ramal 4736, das 8h às 13h30min, em dias úteis.

Todos os que prestam estes serviços devem se atentar para o cumprimento de medidas de biossegurança e demais recomendações sobre a prevenção e controle do coronavírus, respeitando a legislação vigente. 

 
 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!