Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AV. JOSÉ BARBOSA RODRIGUES

Voluntário cuida da avenida, mas entulhos continuam na local

Idoso de 66 anos cuida do canteiro da avenida e cultiva árvores no local
06/06/2020 13:00 - Gabrielle Tavares


 

Lixos jogados na Avenida José Barbosa Rodrigues incomoda moradores que usam a avenida para praticar exercícios físicos. “Tem muito entulho aqui, jogam televisão, vaso sanitário, sofá, colchão”, explicou um idoso que cuida de maneira voluntária do canteiro da Avenida. A Prefeitura da Capital disse que a responsabilidade de fazer a limpeza do local é a Secretaria Municipal De Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep).

Segundo a prefeitura, a Sisep faz a limpeza regularmente, mas o voluntário Valmir Martins de Assis, de 66 anos, contou que as pessoas continuam jogando lixo. “Tem muita coisa jogada na beira da pista, que é de caminhada”, contou. Ele capina o mato que fica na beira da pista e planta árvores no local.

Valmir trabalha no Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), e fez do trabalho voluntário um passatempo, que pratica desde 2012, logo após a inauguração da avenida. “Plantei árvores desde o Orto até o início do bairro Jardim Zé Pereira”, disse.

Ele mostrou com orgulho os ipês-amarelos que plantou, que já estão grandes. O idoso escolheu árvores que dão flores amarelas para cultivar no local, para contrastar com o verde que há nas folhagens que beiram o córrego Imbirussu, e segundo ele, causar uma paisagem impactante.

O voluntário não deixou de trabalhar no canteiro por causa da pandemia, mas aderiu o uso da máscara. “Acho prazeroso fazer isso. Como tenho conhecimento dessa prática, foi a oportunidade que achei de fazer algo para a comunidade”, explicou.

Valmir disse que é grato pela prefeitura deixar ele cuidar do local, mas que alguém precisa limpar a avenida. “Ela precisa de mais fiscalização também, principalmente de noite. Estou tentando impedir que uma espécie de árvore grande invada a pista de caminhada, porque de noite ela deixa o lugar muito escuro e as pessoas têm medo de passar”, apontou.

Valmir parou por alguns minutos para conversar com a reportagem do Correio do Estado, mas assim que se despediu já voltou a trabalhar em uma muda que estava plantando. “Todos nós estamos aqui de passagem né. Tudo que pudermos fazer para o bem da humanidade, para o bem das pessoas que estão vivendo com a gente, é bom”, concluiu.

 
 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...