Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

GIBA UM

“É um homem “A Odebrecht merece um monumento na América Latina, de tantos governos que corrompeu e ajudou a derrubar”

de MÁRIO VARGAS LLOSA // peruano, Nobel de Literatura, sobre a empreiteira brasileira.
10/11/2020 05:00 - Giba Um


O Ministério da Economia prepara uma série de iniciativas nas áreas rural e de crédito. Uma das ideia é a criação da Cédula do Produtor Rural (CPR), um mecanismo de antecipação de recursos.

Mais: estes recursos serão baseados na safra agrícola. À Cédula Verde estaria atrelada a conservação de matas naturais nas propriedades rurais, ou seja, a manutenção das florestas em pé.

In – Flores de jardim: margaridas

Out – Flores de jardim: prímula

 
 

Trajetória em livro

A atriz e cantora Mariana Rios, 35 anos, algum tempo longe da TV e recuperada do aborto que sofreu este ano está lançando sua biografia Basta Sentir, onde conta sua trajetória de vida e também o método que usou para conquistar seus objetivos. “Nosso corpo é feito de energias. O que você pensa e fala tem um poder muito grande. O que você sente tem um poder maior ainda. 

Aquela alegria de realizar algo grande dá formiguinhas no estômago”. Mais: ela está apresentando a segunda edição do reality-show no canal do Villa Mix no YouTube, O próximo Número1 Villa Mix, que busca descobrir um novo talento sertanejo. 

A primeira edição no ano passado foi comandada por Luan Santana que participou do primeiro episódio deste ano. O programa será exibido todos os sábados as 20h. O bastidor fica por conta de Lívia Andrade. 

Quanto custa

Joe Biden sabe que enfrentará no Senado o obstrutor-mor do partido Republicano, Mitchell Mc Conell, que fará tudo para que o novo presidente não cumpra o que prometeu, expandindo o pacote de estímulos de pandemia e aumentando impostos dos mais ricos. 

A derrota de Trump também deixa Bolsonaro mais isolado, especialmente na temática ambiental. O atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, é próximo dos filhos do presidente, mas Ricardo Salles também se aproximou, mais recentemente da prole bolsonarista, quando ficou claro que precisava ampliar o leque de apoio para permanecer no cargo. 

O chanceler Ernesto Araújo teria mais chances de ficar se baixasse o perfil em que atua. As maiores dificuldades de Bolsonaro decorrem no Congresso, mais precisamente na Câmara, onde tornam maiores as chances de um candidato como Arthur Lira (PP-AL) vir a ser presidente da Casa. 

A confiança que seus pares lhe depositam se deve à sua capacidade de arrancar benesses. Soma-se a tudo isso, os prognósticos de resultados nada animadores para o presidente em centros como São Paulo, Rio, Recife, Fortaleza, Porto Alegre e Manaus. 

A frente para 2022 será estabelecida quando se fecharem todas as urnas nos Estados Unidos e nos municípios brasileiros. E tudo isso custa caro.

 
 

Vestido de grife

A cantora Anitta (à esquerda) não perde a chance de esbanjar sua elegância. E não foi diferente na entrega do EMA MTV 2020, que foi feito de forma totalmente on-line, com apresentadores, convidados e concorrentes em diversos locais que foi comandado pelo grupo Little Mix em Londres. 

Apesar de não ter ganho o prêmio de melhor Artista brasileiro, Anitta foi eleita uma das mais elegantes da noite. Ela usava um vestido preto bufante da Dolce & Gabanna. 

Quem também chamou atenção foi Rita Ora (meio) com um vestido de tule amarelo em camadas e Alícia Keys (à direita) que apareceu com top e calça larga com um maxi casaco longo.

Nada de novo

Em torno dos festejos também de Kamala Harris, vice de Joe Biden, primeira mulher negra nessa posição, já são alimentados os profetas de 2024, quando Biden não disputaria a reeleição devido à idade (estará com 82 anos). 

Os analistas já apostam que Harris, poderá ser uma “candidata natural” dos Democratas na próxima eleição presidencial norte-americana.

 
 

Silêncio

O ainda presidente norte-americano Donald Trump está revoltado com sua derrota e pede recontagem de votos. Pessoas próximas de Trump garantem que ele tem a mais verdadeira convicção de que com a recontagem dos votos irá reverter a situação. 

Enquanto Donald Trump mostra sua revolta, a primeira-dama Melania Trump faz a mesma coisa que fez durante a administração do marido: fica em silêncio.

Favorito

Nos gabinetes do Planalto, onde o nome do desembargador Abel Gomes circula como favorito para a próxima vaga no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em substituição ao ministro Napoleão Maia, que se aposenta em dezembro. 

Muitos dizem que seria uma maneira de Bolsonaro esvaziar ainda mais a Lava Jato. Gomes é rigoroso relator dos processos da Operação do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no Rio. Gomes tem negado recursos e pedidos de habeas corpus de vários condenados em primeira instância.

VULNERÁVEIS

O auxílio emergencial teve um papel muito importante durante os primeiros meses da pandemia. O governo sabe que algo deve ser feito a partir de janeiro de 2021 porque o auxílio está com os dias contados. 

Desde março, a população ocupada pelo mercado de trabalho foi reduzida em cerca de 12 milhões de pessoas. Boa parte dessas pessoas terão que retornar ao mercado mais cedo ou mais tarde. 

Uma das soluções a ventadas seria manter o Bolsa Família, ampliando o público-alvo para incluir os “invisíveis” e ajustando seus valores. 

Verbas de socorro

Os estados perderam para a pandemia uma queda de arrecadação de R$ 6 bilhões, queda de partilha de tributos federais (sem verbas de socorro cairia R$ 13 bilhões) e aumento das despesas (R$ 21 bilhões). 

O custo fiscal da calamidade para os Estados seria de R$ 40 bilhões. A ajuda federal foi superior. 

Somando a injeção de dinheiro a fundo perdido (R$ 45 bilhões) com a suspensão do pagamento de dívidas (R$ 47 bilhões) a folga de caixa dada aos estados em 2020 alcançou R$ 92 bilhões. Portanto, o socorro superou as perdas de R$ 52 bilhões. 

NADA DE SONHOS

Que ninguém sonhe que Jair Bolsonaro vai se reagrupar globalmente com Donald Trump depois da vitória de Biden. Se internamente houver um reagrupamento, ele se deu em razão da habilidade do centrão e da franqueza política de Bolsonaro. 

No lado externo, o Brasil vai retomar o caminho da lucidez e do bom senso. E isso pode significar, de cara, o afastamento de Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Salles (Meio Ambiente) e muito rapidamente.

Prato frio

A Vale retomou as conversas para a compra da participação da Cemig na Aliança Energia – joint venture entre mineradoras e a empresa mineira. 

Em janeiro, na primeira tentativa, a estatal pedia R$ 2 bilhões pela sua fatia de 45% no capital. 

Esperou o prato esfriar e agora, se a Vale colocar R$ 1,5 bilhão sobre a mesa, é bem capaz de levar. A Aliança tem seis hidrelétricas em Minas Gerais e um parque eólico no Ceará.

Quem pagou

Depois da decisão do Congresso de proibir doação de empresas a campanha eleitorais é o contribuinte quem financia quase toda a atividade dos partidos no país. 

Em 2020, essa conta bateu novo recorde: R$ 3 bilhões que representa soma dos valores distribuídos pelo fundão eleitoral (R$ 2 bilhões) que banca campanhas e pelo fundão partidário (R$ 1 bilhão) que financia as atividades do partido. 

O fundão eleitoral vai dividir R$ 2 bilhões entre 23 partidos e o PT é o maior beneficiado (R$ 201 milhões), seguido pelo PSL (R$ 199 milhões). 

O fundão partidário dividiu R$ 1 bilhão entre 33 partidos. O PSL já levou R$ 81 milhões e o PT R$ 68,5 milhões.

SEGUNDO TURNO

Bruno Covas com 28% parece estar assegurado no segundo turno em São Paulo. O outro candidato que disputará a segunda rodada, parece estar empatado entre três postulantes: Celso Russomano (16%), Guilherme Boulos (13%) e Márcio França (13%). 

França é o campeão de promessas: diz até que abrirá 12 clubes da terceira idade para eventos e bailes. 

Também no Rio, o segundo classificado está empatado entre Marcelo Crivella 15% e Delegada Martha Rocha com 13%. Eduardo Paes está distanciado em primeiro lugar com 31%.

 

MISTURA FINA

  • JOÃO Doria e Bruno Covas (se ganhar) estão ameaçados de perder a Fórmula1. A Liberty Média, dona da F-1, quer tirar a prova de São Paulo e levá-la para o Rio. Pode ser o empurrão que faltava para o projeto de construção do autódromo carioca sair do papel (e provavelmente se Eduardo Paes vencer a eleição lá). Problema fundamental: o Rio não tem dinheiro para isso. 
  • A CAMPANHA de Andrea Matarazzo a prefeito de São Paulo tem sido tocada na raça, sem dinheiro. O PSD deixou o candidato sem dinheiro e sem articulação política. Aliados de França chegaram a dizer que Matarazzo poderia desistir para apoiar o candidato do PSB. Andrea garante que nunca pensou nisso, embora alianças possam surgir num segundo turno. 
  • EM toda sua campanha até agora, Bruno Covas tem evitado a participação de João Doria. Concorrentes já veicularam a proximidade de Doria e Bruno como elemento negativo de campanha. Quem mais usou essa ligação foi Jilmar Tatto, que mostra “erros” da gestões de Doria e Bruno misturadas. Até a farinhata sobrou para ao atual prefeito.
  • JAIR Bolsonaro cogitou não mandar nem mesmo o embaixador brasileiro em La Paz à posse do novo presidente da Bolívia, Luiz Arce. Foi dissuadido em cima da hora pelos ministros Braga Neto e Luiz Eduardo Ramos.
  • O MINISTRO Nunes Marques agirá com rigor profissional ao relatar casos envolvendo os irmãos Flávio e Eduardo Bolsonaro. Quem o conhece, diz que ele não se impressiona com a pressão da “opinião pública” e não usaria a toga para agradecer a nomeação.
  • PROJETO tocado pelo novo presidente do Banco do Brasil André Brandão – e ainda guardado a sete chaves: cisão da carteira digital do BB e criação de um novo banco a partir desse bloco.
  • NA Anac já se dá como certo um aumento do número de voos semanais entre Argentina e Brasil a partir de dezembro, com a proximidade do verão. O motivo principal é a decisão de autoridades do Uruguai em manter a fronteira fechada devido a pandemia. São os bônus da permanente política de relaxamento do governo Bolsonaro.

Felpuda


Esforços vêm sendo feitos por certos candidatos derrotados na tentativa de conseguir emplacar em cargos públicos comissionados alguns ex-integrantes das equipes de trabalho da campanha eleitoral.

A preocupação não seria, na realidade, com situação de dificuldades que essas pessoas enfrentariam a partir de agora, mas, sim, para livrarem-se de pagar pendências trabalhistas referentes ao período da disputa. Tem cada uma!