Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

GIBA UM

“Afinal, Trump não é o homem mais importante do mundo”

de JAIR BOLSONARO // em comentário único sobre a derrota do republicano para Joe Biden.
13/11/2020 05:00 - Giba Um


O governo Bolsonaro retornou aos estudos para a fusão do CNPq e da Capes numa só fundação, projeto que chegou a ser cogitado na campanha eleitoral e depois foi para gaveta. 

Mais: O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, é contra a proposta, o que não quer dizer muita coisa. Na reforma ministerial, qualquer novo ministro nessa Pasta, pode ser totalmente a favor.

In – Série: O Gambito da Rainha

Out – Série: Pequenos Incêndios por Toda Parte

 
 

Só dá ela

Assim como em outras premiações a entrega do 27º Prêmio Multishow, teve que se reinventar, por causa da pandemia. E o evento deve ficar para história: os tradicionais shows musicais foram apresentados em cinco estados: Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Ceará e Minas Gerais. 

O comando da atração ficou por conta de Iza, Paulo Gustavo e Tata Werneck. Aliás a cantora, que está nos palcos há pouco mais de quatro anos, antes atuava na publicidade, mostrou que está no caminho certo. 

Durante a entrega dos prêmios dividido em 16 categorias Iza exibiu 6 looks deslumbrantes. Todos os looks desfilados durante o evento eram assinados por estilistas brasileiros. São eles: Giulia Borges (rosa), Fabiana Milazzo em parceria com Andrea Hotfix (roxo), Helo Rocha (dourado), Michelle X (bodys rosa) e Patricia Bonaldi (verde água). 

A estilista Giulia Borges é uma das preferidas da cantora e também assinou seu vestido de noiva em 2018.

Carta aberta

Cientistas da Fundação e do Instituto Butatan estariam discutindo a viabilidade de uma carta aberta conjunta contra a permanente tentativa de intervenção em seus trabalhos científicos, notadamente em relação à vacina contra o coronavírus. 

A ideologia em torno dos testes seria o ponto central do manifesto. Mas, é preciso muito cuidado. A instituição está ligada diretamente ao governo federal. E nesse caso, há ainda o problema que a carta seria divulgada num momento de disputa pela presidência da Fiocruz. 

Todos acham que a possibilidade de intervenção do presidente da entidade criaria um ambiente de incômodo coletivo: a atual presidente da entidade, Nisia Trindade é uma espécie de consenso na Fiocruz. 

A ideia de protesto vem crescendo a cada declaração do presidente Bolsonaro contra a ciência. Com referência à suspensão de testes da vacina chinesa, ele postou no seu perfil no Facebook e Twitter: 

“Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”. Os estudos foram suspensos após a morte de um voluntário que recebeu dose da vacina – posteriormente, soube-se que foi suicídio. Para Bolsonaro, não importa. Hora depois, ele voltou a atacar ao falar da covid-19 dizendo que “o Brasil precisaria deixar de ser um país de maricas”.

 
 

Nua num Caixão

A cantora, compositora e atriz Miley Cyrus, 27 anos, mostrou que também é uma ótima amiga. Ela está na capa do livro do fotógrafo Vijat Mohindra, chamado High Gloss: The Art. Aliás Miley é amiga de Vijat. 

Além da capa ela está também no recheio da publicação. Sem perder seu lado cômico e polêmico, a cantora aparece em uma das fotos totalmente nua, cobrindo estrategicamente as partes intimas e dentro de um caixão. 

Já na capa Cyrus aparece como diabinha. Por enquanto, infelizmente, não existe planos para o lançamento do livro no Brasil.

País de maricas”

Tanto a declaração de que a interrupção em testes da vacina Coronovac é vitória contra João Doria quanto a de que o Brasil tem que deixar de “ser um país de maricas” ainda provocarão mais reações políticas e na mídia. 

Rompem com a imagem de maior equilíbrio emocional presidencial, mas animarão parte da base governista, o que pode ser um fator em pleitos municipais. 

Quanto a nova onda de conflitos com o vice Hamilton Mourão, o presidente faz questão de mostrar distância hoje. E quanto maior a distância, mais Mourão fala.

 
 

Contra a Globo

O ex-presidente Lula rasgou o verbo contra a matéria exibida no Fantástico no último domingo (8) sobre a desigualdade social no país. 

Para ele, foi mais um ataque da Globo contra os governos petistas que comandaram o país de 2002 a 2016. Lula definiu a matéria como “censura política” e disse que a Globo se esforça para fazer o PT desaparecer e contar a história do Brasil.

Corredores

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, enviou projeto à Câmara que prevê a outorga de “corredores” de passagem entre lotes residenciais no lago Sul e Norte para os respectivos ocupantes. 

A outorga é condicionada ao pagamento anual de valores calculados a partir da Pauta de Valores Venais de Terrenos e Edificações do DF. Corredores são fonte de aflição, há anos, por razões de segurança: as casas ficam vulneráveis a invasão de assaltantes. 

Os corredores entre lotes, a maioria, com dois metros de largura, sem iluminação e limpeza, são usados também como sanitários públicos.

INDENIZAÇÃO

Ainda a indenização pretendida por Dilma Rousseff: além da milionária que pretende, com pagamento retroativo, a ex-presidente ataca em outra frente, de um antigo emprego. 

Quer reajuste de sua aposentadoria como economista do Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Ela ficou afastada das funções no IFRGS até ser reintegrada e agora quer que o período de afastamento seja concedido como “trabalhado”.

Longe

Sobre o distanciamento que Bolsonaro faz de Hamilton Mourão: os dois não se falam e só se encontram em eventos públicos, e quando falam cada um fica no seu canto. 

A cada entrevista de Mourão mais ele se afasta do núcleo do poder e especialmente da chapa de reeleição em 2022; e para o núcleo do poder, Bolsonaro repete um mote: “Quem fala demais dá bom dia a cavalo”, ironia que se refere à paixão de Mourão, o hipismo.

CONTRA BRASÍLIA

O governador do Amapá, Waldez Góes, pretende acionar o governo federal na Justiça, cobrando uma indenização milionária pelo caos no fornecimento de energia elétrica no estado. 

Ele quer responsabilizar a Aneel pelo acidente, alegando negligência na fiscalização dos serviços da espanhola Isolux, responsável pela subestação que pegou fogo.

É o Brasil!

Virou galhofa a fala de Bolsonaro, nesses dias, sobre um eventual conflito com Joe Biden, dizendo que “quando acaba a saliva tem que ter pólvora”. 

No almoço da Casa Porto, no Largo de São Francisco da Prainha, espaço culinário e de eventos, o produtor cultural Raphael Vidal, dono do lugar, distribuiu cem pacotinhos de estalinhos, aquelas bombinhas de festa junina, de fraco estampido, “para ajudar os brasileiros a se defenderem na guerra contra os Estados Unidos”.

Quase “chanceler”

A ministra da Agricultura, Teresa Cristina deverá ter papel importante para reduzir a temperatura diplomática entre Brasil e Estados Unidos. Ela é a principal interlocutora entre o governo brasileiro e o embaixador norte-americano no país, Todd Chapman. 

O bom diálogo entre eles já foi usado no começo do ano na suspensão do embargo à importação de carne bovina do Brasil. Detalhe: no dia em que Bolsonaro disse “quando a saliva acaba, entra a pólvora”, pouco depois Chapman publicou nas redes sociais um post enaltecendo os fuzileiros navais norte-americanos.

TROPAS FEDERAIS

No domingo, muitas cidades que pediram proteção, por força das eleições às tropas federais, vão ficar sem elas. 

O deslocamento de militares para o combate às queimadas na Amazônia e no Pantanal e parte da força engajada no Programa Nacional de Enfretamento à Criminalidade em vários estados, fez com que não desse para atender todos os pedidos. 

Quase 550 municípios pediram reforço para o domingo e cem deles não serão atendidos. O TSE confirmou envio de tropas para 346 cidades. O caso que chama mais atenção é do Rio, espécie de capital nacional das milícias, que não solicitou um reforço das tropas de segurança.

 

MISTURA FINA

  • O SECRETÁRIO da Desestatização, Diogo Mac Cord, planeja realizar o leilão de privatização na Trensurb, o sistema de trens de Porto Alegre, em abril do ano que vem. Os estudos estão sendo conduzidos pelo BNDES que informa que ainda não há prazo para sua conclusão.
  • O PRESIDENTE da Câmara, Rodrigo Maia, fez uma ameaça grave e sinistra durante entrevista à CNN. Segundo Maia, se algumas pautas não forem aprovadas pelo Congresso “o Brasil vai explodir e o dólar pode chegar a R$ 7”.
  • JAIR Bolsonaro aparece tantas vezes na propaganda de Marcelo Crivella no Rio que um eleitor mais distraído pode pensar que o candidato é ele – e não o bispo. Para os cariocas, 66% dos moradores da cidade consideram sua gestão ruim ou péssima e 58% dizem não votar nele de jeito nenhum. 
  • DILMA Rousseff deu uma de Dilma Rousseff: depois de defender a autonomia do Banco Central nas campanhas de 2010 e 2014, mudou tudo e passou a atacá-la porque a ideia é defendida por Bolsonaro. Se bem que o que ela acha disso ou daquilo, não tem mais a menor importância.
  • NAS contas do general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria do Governo, a candidatura de Arthur Lira à presidência da Câmara em fevereiro, já tem 210 votos certos, faltando apenas 46 para vitória. Isso num cenário onde Rodrigo Maia é impedido de disputar a reeleição.
  • NA corrida municipal de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) parece ter garantido sua vaga no segundo turno. Na última pesquisa do Ibope o atual prefeito aparece com 34% das intenções de votos, 19 pontos a mais do que o segundo lugar Guilherme Boulos (Psol) com 15%. Celso Russomano (Republicanos) que liderou grande parte das pesquisas agora aparece em terceiro com 12%, com Márcio França (PSB) ex-governador de São Paulo colado com 10%.
  • PELO menos uma capital brasileira não terá definido seu prefeito ainda em novembro. Devido ao apagão no Amapá, o Tribunal Superior Eleitoral por unanimidade decidiu adiar as eleições municipais de Macapá. Ainda sem data definida para realização do pleito, o presidente do TSE Luís Roberto Barroso só garante que ocorrerá ainda este ano.

Felpuda


Tropas de choque ligadas a alguns vereadores estão agitadas que só nas redes sociais na tentativa de desbancar a concorrência das “chefias” que querem porque querem. Querem a cadeira maior da Câmara Municipal de Campo Grande. A da presidência.

Segundo políticos mais antenados, trata-se do “segundo turno” das eleições do dia 15 de novembro, só que com apenas 29 eleitores.