Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“As Forças Armadas não podem se identificar com governo algum. Não pode haver essa identificação e eu tenho muita preocupação de desconstruir essa possibilidade”

Luís Roberto Barroso, ministro do STF, durante o programa Roda Viva
17/06/2020 05:00 - Giba Um


O ex-jogador de vôlei de praia Emanuel Rego, foi exonerado do cargo que ocupava no governo desde maio do ano passado como secretário de Alto Rendimento da Secretaria especial de Esportes.

Mais: ninguém sabe o motivo certo de sua exoneração, mas muitos acreditam que se deve ao fato dele ser casado com a senadora Leila Barros (PSB-DF) que vinha tecendo várias críticas ao governo.
 

“As Forças Armadas não podem se identificar com governo algum. Não pode haver essa identificação e eu tenho muita preocupação de desconstruir essa possibilidade”, 

de LUÍS ROBERTO BARROSO // ministro do STF, durante o programa Roda Viva.

 

In – Suflê de ovos

Out – Moqueca de ovo


 


 

 
 

Leilão do bem

A atriz Fiorella Mattheis, 32 anos, resolveu entrar para o mundo dos negócios. E lançou o site Gringa uma plataforma que venderá produtos de segunda mão. E engana-se que ela pensou nisso por causa do distanciamento social. O projeto nasceu há mais de um ano. A empreitada tem também como investidores e conselheiros Luiza Nolasco, Maurício Feldmann e João Machado, que são grandes nomes no e-commerce, startups e tecnologia. Fiorella define a ideia: “É incentivar a moda circular, estender a vida útil dos produtos e contribuir para um mundo mais sustentável”. Os primeiros dias de atuação da plataforma foi voltado para um leilão, com peças doadas por Angélica, Paulo Gustavo, Bruna Marquezine, Thaila Ayala, entre outros, onde 100% das vendas foi revertido para o combate da covid-19 junto com Instituto PHI. O total arrecadado foi R$ 95.800 devidamente transferido para o Instituto. 

Biografia de Sara

“Não defendo o empoderamento. Defendo o empoderarmamento”. É o lema de Sara (Winter) Fernanda Giormini, 30 anos, que avisou o ministro Alexandre de Moraes que “ia infernizar a vida dele” e acabou presa por determinação dele. O serviço de streaming de perfil conservador Lumine produziu e lançou há algumas semanas A vida de Sara, uma hora e meia sobre a trajetória da atual líder do 300 do Brasil. Mostra desde que ela deixou a prostituição e se engajou no Femen, movimento feminista do Leste Europeu, cujo maior protesto no Brasil era fazer topless em praça pública. Na entressafra com o movimento bolsonarista, ela liderou um bloco chamado BatalhaX, que não deu em nada e nunca revelou a que veio. No livro, não há referências claras contando como migrou para a defesa do presidente e tampouco de onde vem o dinheiro para esse bloco. Ela confessa que aprendeu a fazer “técnicas honestas e desonestas de protestos” e cobra por isso quando dá. Quando foi receber o abraço forte de Damares Alves no ministério (ia trabalhar lá) usava uma blusa onde se lia “Olavo tinha razão”. Nas fotos que coloca nas redes sociais, sempre aparece com revolveres e metralhadoras.

 
 

Aproveitando a folga

A apresentadora Lívia Andrade, uma das queridinhas do Silvio Santos, está aproveitando seu isolamento social. Na verdade, um isolamento forçado ela estava apresentando o programa Triturando no SBT ao lado de Chris Flores, Gabriel Cartolano e Mara Maravilha, que estreou em maio. Só que uma semana depois por ordem de Silvio Santos, tanto ela como Mara foram afastadas do programa sendo substituídas por Flor Fernandez e Ana Paula Renault (ex-BBB). Ela não está reclamando, está passando alguns dias num hotel de luxo em Santa Catarina e posta fotos diárias de suas aventuras por lá com direito a banheira, morangos e vinhos.

O outro lado

Se Supremo, Congresso e até alguns militares pressionam o presidente Jair Bolsonaro, para demissão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, há um outro grupo que faz pressão contrária para a permanência do ministro na Pasta, entre eles estão os filhos. Bolsonaro sabe que a saída de Weintraub da pasta seria o ideal para acabar com os entraves com os outros Poderes. O Capitão procura uma saída honrosa para Abraham Weintraub. Há quem garanta que Bolsonaro está pensando em transferi-lo para a Secretária da Cultura, que está vaga desde a saída de Regina Duarte.

 
 

No colo

A participação de Abraham Weintraub (indicação de Olavo de Carvalho) em manifestações em Brasília, domingo (14), no momento em que o Planalto busca conter o desgaste com o Judiciário levou o presidente cogitar a saída do ministro da Educação, depois de dizer que problema “caiu no colo dele”. “Acho que não foi muito prudente participar. Não foi um bom recado”. E Weintraub ainda foi multado por estar sem máscara. A possível sucessão já mobiliza partidos do Centrão, mas Bolsonaro prefere alguém de perfil ideológico.

Esticar a corda

Jair Bolsonaro admitiu que a nota assinada por ele, pelo vice, Hamilton Mourão e pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo, referia-se ao TSE no trecho em que afirmava que a Forças Armadas não aceitarão “ordem por conta de julgamentos políticos”. O TSE iniciou a análise em plenário de uma ação de cassação de chapa em 2018. O presidente disse que isso significaria “esticar a corda”, mas negou hipótese de “golpe militar”. E ressaltou que não existe intervenção militar.

GASOLINA

O ministro do STF, Gilmar Mendes, disse que o presidente precisa “aprimorar o seu filtro” ao comentar a devolução da MP sobre os reitores. E acredita na boa qualidade dos técnicos dos assessores jurídicos do governo para dizer que um dado tema devassa tramitar. “Eu acho que o entorno do presidente acabou fazendo algo que a gente normalmente diz que não se deve fazer que é acender o fósforo para ver se tem gasolina no tanque”.

Conta-gotas

O alinhamento entre Romeu Zema e Bolsonaro começa a dar dividendo para Minas Gerais, embora a conta-gotas. O governo federal vai repassar ao estado recursos para a construção de Linha 2 do Metrô de BH. O dinheiro virá do acordo entre AGU e a VLI Logística que topou para uma indenização de R$ 1,2 bilhão para encerrar quatro processos movidos pela União contra a Ferrovia Centro-Atlântica, controladora. Menos de um terço desse valor será transferido aos cofres mineiros – em 60 meses.

PÁGINA VIRADA

Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o vice Hamilton Mourão voltou a dizer que “1964 é uma página virada da história”. Ele citou o próprio presidente que disse que os militares não participaram da aventura. “Qualquer tipo de autogolpe não é e nunca será a visão de Bolsonaro”. E afirmou que o nome do novo ministro da Saúde só acontecer quando o país vencer a pandemia.

Empurrãozinho

O pastor Silas Malafaia conta com a intervenção de Bolsonaro junto à Polícia Federal para acelerar as investigações sobre o vazamento de seus dados pessoais. Endereços e números de cartões de crédito do líder foram expostos na internet, supostamente pelo grupo de hackers Anonymus. E a julgar pela reunião ministerial de 22 de abril, Malafaia não vai esperar muito: familiares e amigos são prioridade na PF de Bolsonaro.

Avaliação

O site Ranking dos Políticos fez um resumo sobre a avaliação do novo ministro das Comunicações, Fábio Faria. Ele está em seu quarto mandato, se elegeu pela primeira vez em 2007. Está na 85ª posição do ranking entre os 594 parlamentares. O parlamentar que tem direito a uma cota mensal de R$ 42.731,99 por mês e até o dia 11 de junho quando foi anunciado como novo ministro havia usado somente R$ 2.424,61(8%) da sua cota mensal. Seus maiores gastos durante sua estadia no Congresso foram com manutenção de escritório (R$ 38,556,21) e telefonia (R$ 8.023,47). 

NÃO É BEM VISTO

Da sua avalição do ano de 2018 para 2019 ele ganhou 30 pontos devido a votação a favor da MP do Agro, afastamento do deputado Wilson Santiago e veto ao Orçamento impositivo. Ela é a favor das reformas. Só que sua avaliação junto a população não é tão boa assim. Para 5% Fábio Faria é considerado um ótimo políticos, outros 5% consideram ruim e grande maioria (88%) consideram ele um péssimo político.

MISTURA FINA

- A PRÓXIMA reunião virtual de governadores com Bolsonaro será o primeiro encontro com Wilson Witzel depois da operação da PF contra o governador, festejada pelo próprio Bolsonaro. À propósito: dias antes, Witzel tentou um acordo de pacificação com o clã Bolsonaro, que não topou a ideia.

- LEVANTAMENTO do Instituto Orbis revela que maioria dos brasileiros não está satisfeita com atuação do Poder Legislativo: para 46,6% o desempenho dos parlamentares brasileiros é “ruim ou péssima”. Outros 39,5% acham que a Câmara dos Deputados e o Senado têm trabalho “regular” e apenas 7,8% avaliam o Congresso como “bom ou ótimo”.

- HÁ quem aposte que Luciano Hang, proprietário da rede de lojas Havan e dono de uma fortuna de R$ 2,2 bilhões chegou a cogitar que a própria rede patrocinasse os cursos online de Olavo de Carvalho. Teria sido demovido por seus executivos. Luciano desmente a boataria, mas continua usando suas redes pedindo que as pessoas comprem os cursos e livros de Olavo. “Assim ele pode continuar o trabalho dele”.

- GRUPO de procuradores da República pressiona Augusto Aras a abrir procedimentos para apurar o teor dos recentes ataques de Olavo de Carvalho a Jair Bolsonaro nas redes sociais. Essa ala do MPF defende que o filósofo seja ouvido para explicar o que sabe e eventualmente seria capaz de derrubar o governo, como ameaçou. Até parece que Aras vai mexer nesse enxame de abelhas. 

- NA última década, a população passou de 196 milhões para 210 milhões (crescimento de 7,1%) e dobrou o número de favelas. Dados do IBGE retratam que aumentou 197,7% em apenas dez anos. Era 6.239 em todo país em 2010 e agora são 13.151. Em 2010 o muro social era visível em 323 municípios e hoje está em 734 cidades (127,2% maior). Já são 5,1 milhões de habitações nesses aglomerados subnormais na classificação do IBGE. Eram 2,3 milhões (aumentou 59% em uma década).

- AINDA dados do IBGE sobre a década perdida: um em cada quatro das casas dessas favelas está no Rio e em São Paulo. mas há cidades como Belém com mais da metade (55,5%) dos lares situados em comunidades. Em Vitória do Jari, no Amapá, nove mil dos 12 mil habitantes (74%) da população sobrevivem em favelas, grotas, palafitas, mocambos ou similares.

- É GRANDE a pressão das companhias aéreas para que o governo não prorrogue, novamente, a proibição à entrada de estrangeiros no Brasil – o atual prazo expira dia 23. Até parece que, na circunstância atual, os estrangeiros estivessem dois para vir ao epicentro da pandemia.

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...