Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“As medalhas são dadas após a guerra, não antes da guerra. Que história é essa de pedir aumento de salário porque um policial vai à rua exercer sua função”

de PAULO GUEDES, sobre aumento do funcionalismo federal
19/05/2020 06:00 - Giba Um


“As medalhas são dadas após a guerra, não antes da guerra. Que história é essa de pedir aumento de salário porque um policial vai à rua exercer sua função”,  
de PAULO GUEDES // sobre aumento do funcionalismo federal.

A indústria de cosméticos já aponta queda nas vendas de batons e blush caíram desde início da quarentena e aumentou ainda mais com a obrigatoriedade do uso de máscara.  

Mais: por outro lado a venda de itens como rímel, sombra e delineador aumentou. As mulheres estão se dedicando mais as áreas que ficam expostas. Aumentou a venda creme para mãos também

 
 

Enchendo o cofrinho

A atriz Bruna Marquezine, 24 anos, que após 17 anos, resolveu não renovar o contrato com a Globo, ficando disponível, assim como outros artistas, para contratação por obra, continua enchendo seu cofrinho. Embaixadora na grife Intimissimi, ela aparece em mais uma campanha, mostrando que está em plena forma. Além de peças sexies a marca também foca em elementos mais confortáveis feitos de algodão. Apesar de estar fora da TV, em breve poderá ser  vista numa série na Netflix, Conquest, que ainda não tem data de estreia. A trama foi gravada antes da pandemia e tem como cenário São Paulo, Los Angeles, Budapeste, Berlim e Nairóbi, no Quênia. Ela atua ao lado do ator Keanu Reeves.

Quem vai querer?

Nelson Teich, indicado pelo empreiteiro Meyer Nigri e reforçado por Paulo Guedes, ficou 28 dias no Ministério da Saúde assinando papéis que os militares lhe apresentavam e resistindo à ordem de Bolsonaro de transformar a cloroquina em “salvação nacional” no combate à coronavírus. Em sua gestão, o número de mortes saltou de 1.924 para 14.817. Antes de completar um mês de gestão, jogou a toalha, virou assunto internacional – e não assinou nada a favor da cloroquina. O presidente coloca no lugar, interino, o general Eduardo Pazuello. Os outros militares reclamam: não querem que Bolsonaro jogue a pandemia no colo das Forças Armadas. Osmar Terra vota a ser cotado, Nise Yamagushi (defende a cloroquina) também e um almirante do Rio está na disputa. O presidente não é médico, mas prescreve cloroquina e hidroxicloroquina como panaceia anti-coronavírus. Sua única incursão em ciências médicas até agora foi ser capa da revista Lancet, uma das mais renomadas do mundo, que classificou como “talvez a maior ameaça ao combate da Covid-19 no Brasil”. agora o próximo ministro da Saúde, para assumir terá de assinar seu compromisso com a cloroquina de Bolsonaro. O general Eduardo Pazuello já avisou que assina e recomenta a receita do Capitão. Ele  também não é médico.

 
 

Três vezes rainha

A atriz Britânica Helen Mirren, 74 anos está na capa da Vogue alemã. Como sempre esbanjando muita elegância. Com alguns projetos secretos e alguns convites para depois da pandemia seu último trabalho com grande louvor foi em Catherine The Great, na HBO que mostrava os bastidores do poder na Rússia sob o comando de Catarina. Uma curiosidade de Helen: casada com o cineasta Taylor Hackford, ela nunca quis ter filho, fica irritada quando perguntavam sobre o assunto e garante que não teria tido tanto sucesso se tivesse parado para ser mãe. Mais: Mirren já interpretou três rainhas da Inglaterra em diferentes filmes: Elizabeth I no seriado Elizabeth I (2005), Elizabeth II em The Queen (2006) e Carlota de Mecklenburg-Strelitz, esposa de Jorge III, em The Madness of King George (1994).

Incomodo

Na semana passada, o general Luiz Eduardo Ramos acusou a imprensa de instalar “um clima de terror” e o general Braga Neto culpou o jornalismo por casos de depressão e violência doméstica na quarentena. Mesmo assim, os militares – especialmente os dois, mais Augusto Heleno – estão começando a incomodar Bolsonaro. São chamados de “tutores” e “bombeiros” e o presidente não gosta de ver crescer o poder deles. O artigo do também general Hamilton Mourão foi bom, mas Bolsonaro achou que “ele acabou aparecendo demais”.

In – Paredes externas: tons acinzentados
Out – Paredes externas: tons terrosos

 
 

Carlucho em cena

Não é apenas Bolsonaro que está achando que os militares estão se achando um tanto “donos do poder’. Seu filho Carlos Bolsonaro também. Carlucho agora, depois de metralhar pelas redes sociais Mandetta, Moro e Teich, o 02 estaria preparando suas primeiras investidas contra Braga Neto, Luiz Eduardo Ramos e Augusto Heleno (de novo). É um semi-processo de fritura que começará com a demissão de Marcos Pontes, tenente-coronel da Aeronáutica, do Ministério da Ciência e Tecnologia.

Investigação

A PRG vai investigar declaração de Paulo Marinho, ex-PSL, hoje coordenador do PSDB do Rio, que disse que, depois do primeiro turno, o atual senador Flávio Bolsonaro lhe disse que um delegado da PF lhe adiantou que a corporação estava atrás de Fabrício Queiróz. Thais Oyama, autora de O cadete e o capitão, sobre anos de vida de Bolsonaro, está afirmando que o delegado que informou não foi Alexandre Ramagem; foi um delegado que atende por um apelido ligado à Operação Furna da Onça.

SEM CADEADOS

O ministro Dias Toffoli tem se amparado em estatística da própria área de segurança pública para rebater a pressão dos secretários estaduais contra liberação provisória de presos. Até agora, o aumento da criminalidade não aconteceu. Em São Paulo, por exemplo, desde o início da quarentena, o número de homicídios caiu 31% e de roubos, 43%. Toffoli foi artífice da recomendação do Conselho pela soltura de detentos do grupo de risco de coronavírus.

Mais em cena

Na conta dos interlocutores de Rodrigo Maia, presidente da Câmara, nem metade dos integrantes do Centrão são simpáticos a embarcar na base aliada. Nesse cenário, Bolsonaro não teria sucesso em nenhuma das frentes que o levaram a retomar as negociações. Hoje, ainda não contaria com apoio para barrar um processo de impeachment, nem para tirar das mãos de Maia o controle sobre a pauta das votações. Paralelamente, Rodrigo Maia vai se consolidando com o pessoal da oposição e integrantes do Centrão, dissidentes do bloco em relação ao Planalto. O objetivo é manter o controle da pauta e garantir mais influência na eleição de um sucessor, em fevereiro de 2021.

DE VOLTA

Paulo Guedes descreveu Bolsonaro como “um democrata”, que “não concorda com a velha política” e combate o “aparelhamento”. No mesmo dia, o presidente reconduziu Carlos Marun (MDB), fiel escudeiro de Eduardo Cunha e Michel Temer ao Conselho de Itaipu. O ex-deputado continuará a embolsar R$ 27 mil por mês, dinheiro que poderia sustentar 45 famílias com o auxílio emergência de R$ 600.

Outro remédio

Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, foi até Floriano, a 240 quilômetros de Teresina, para acompanhar o uso de cloroquina em pacientes da Covid-19. Depois, o médico Justino Moreira, que tem obtido bons resultados, disse que não era tudo por conta da cloroquina. Ele usa, de largada, corticoide e anticoagulante. Damares usa estudos inexistentes para dizer que “a cloroquina faz bem”.

Em pé de guerra

Os govenadores estão em pé de guerra com a intenção de Bolsonaro usar o pacote de socorro aos estados como moeda de troca para conseguir a flexibilização da quarentena. O Capitão quer atrelar a liberação de recursos a uma ação coordenada nos estados para iniciar a abertura gradual da economia a partir de junho. O governador de São Paulo João Doria diz que “é inaceitável” e é capaz de baixar um lockdown só para provocar Bolsonaro. O prefeito Bruno Covas já disse que lockdown em São Paulo “é impossível”.

CIDADES TAMBÉM

Municípios brasileiros também estão em pé de guerra nacional exigindo do governo a obrigatoriedade de hospitais particulares aderirem à fila única de quem necessita de leito de UTI. O SUS pagará a permanência do doente na unidade dos hospitais privados a R$ 2,1 mil por dia. A Confederação Nacional dos Municípios está liderando a proposta da fila única. Em 16 dos 26 estados brasileiros, cidades necessitariam um leito de UTI a cada 10 mil habitantes.

MISTURA FINA

  • AGORA, no cercadinho do Planalto ou na rampa, Bolsonaro responde às perguntas que quer. E faz brados matinais: já disse que é preciso enfrentar a pandemia “como homem” e avisou que “o país está quebrando”. E mais: “Vamos ser fadados a ser um país de miseráveis, como tem países na África” (se não acabar o isolamento).
  • A MÉDICA Ludhmila Hajjar também indicada a Jair Bolsonaro como possível ministra da Saúde pelo médico Antônio Macedo, chefe de equipe médica que trata do presidente desde que sofreu o atentado a facada. A propósito: nos bastidores do governo, com dose de ironia, o Ministério da Saúde tem sido chamado de “Ministério da Saída”.
  • O SECRETÁRIO do Tesouro, Mansueto Almeida, é contra o auxílio emergencial de R$ 600 (primeira parcela de R$ 1,1 bilhão) pago a população mais vulneráveis e informais é importante agora, mas muito caro para ser mantido por mais três meses ou se tornar permanente. Para ele, se for preciso pagar o benefício por mais tempo, seria fazer aperfeiçoamento no Bolsa Família.  
  •  DO alto de seus 92 anos, Delfim Netto gosta do que vê na atuação do Banco Central, presidido por Roberto Campos Neto, que, segundo a PRC do “Orçamento de Guerra”, poderá dar liquidez a todo sistema. Considera “louvável” o trabalho conjunto na área fiscal que começou com Ilan Goldjan. “Essa é uma das coisas boas que a tragédia, a confusão e a fuzarca do Bolsonaro não atingem”.
  • A ÁREA de pesquisa da Universidade de Oxford desenvolveu uma vacina contra o coronavírus, que já foi testada em humanos e saiu muito bem em testes com animais. Os macacos ficaram protegidos e não tiveram efeitos colaterais. Detalhe: poderão não necessitar de injeções. Poderão ser usadas em gotas ou spray, por exemplos, com feito duradouro.
  • O PREFEITO Marcelo Crivella acaba de bater novo recorde nacional de bajuladores de Bolsonaro. Agora, acaba de lhe fazer uma verdadeira declaração de amor: “Bolsonaro é feio por fora e bonito por dentro”.
  • LEVANTAMENTO Vigitel do Ministério da Saúde, mostra que houve um crescimento expressivo do aumento de peso dos brasileiros, nos últimos 13 anos, passando de 42,6% para 55,4%. Em percentual, o excesso de peso teve aumento para homens de 57,1% e para as mulheres foi de 53,9%.

Felpuda


As definições no que se relaciona aos nomes para a disputa eleitoral vêm ocorrendo aqui e acolá. Pré-candidato que sonha comandar cidade o interior poderá deixar de ver o seu sonho realizado. É que o dito-cujo terá de enfrentar as lembranças de rumoroso caso que se tornou escândalo depois da denúncia de uma servidora. Há quem garanta que é só a campanha começar para a história ser contada capítulo por capítulo. Afe!