Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CLÁUDIO HUMBERTO

“De novo está no cio”

Deputado José Medeiros (DEM-MT) lembrando que o PT pediu impeachment de todos os presidentes não-petistas
28/02/2020 04:00 - Cláudio Humberto


Acordo divide R$30 bi entre governo e Congresso

Ao contrário do que se divulga na usina de fantasias sobre Brasília, não há “queda de braço” com o Congresso pelo controle de R$30 bilhões do orçamento, porque tudo já foi objeto de acordo entre o presidente Jair Bolsonaro e líderes dos partidos mais importantes: caberá ao governo decidir aplicar metade dos recursos e a outra metade será definida pelos parlamentares. O acordo está fechado, segundo confirmou nesta quinta o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO).

 

Você já sabia

Esta coluna revelou dias atrás que o presidente e líderes mantiveram negociações que consideraram muito produtivas. Era o acordo.

 

Vai-e-vem de recursos

Eduardo Gomes lembra que o “orçamento impositivo” foi aprovado com apoio de Bolsonaro e sua aplicação pela primeira vez explica a polêmica.

De um bolso para outro

Pelo acordo, a metade do Congresso apenas troca de bolso no governo: os R$15 bilhões só podem ser aplicados em programas do Executivo.

Palanque só sob convite

O acordo não garante ao parlamentar presença na inauguração da obra cujos recursos ele garantiu, mas o presidente diz que é sua intenção.

Proposta ordinária cria carro oficial clandestino

Proposta ordinária do senador Jaques Wagner (PT-BA), que o presidente do Senado “avalia”, extingue as placas oficiais que identificam carros de luxo adquiridos com dinheiro público para servir a senadores. Certamente envergonhado da profissão ou da própria história, o senador que foi ministro de Dilma não quer mais circular em carrão com placa de senador, mas trocou a dignidade de comprar o próprio carro por disfarçar a mordomia com placa fria para não ser notado por quem paga impostos.  

Perderam o pudor

Em 2019, Wagner e Álvaro Dias (Podemos-PR) solicitaram autorização para substituir as placas dos seus carros oficiais por “não identificáveis”.

Tudo na mesma

Em 2010, eram 89 carros oficiais no Senado de 81 parlamentares. Dez anos depois, os modelos são mais novos e poucos abdicaram da regalia.

Marca vergonhosa

Apenas cinco senadores abrem mão do carro oficial com placa preta, segundo o próprio Senado. Os demais 76 adoram a mordomia.

Passador de palavra

O governador de São Paulo, João Dória, forçou a barra para aparecer com o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) em nova coletiva sobre coronavírus, repetindo tudo o que foi dito na véspera. O tucano revelou grande talento de “passador de palavra” para jornalistas e entrevistados.

‘Low cost’ alheio

A “agência reguladora” Anac não entendeu o espírito da coisa: autorizou empresas aéreas low cost (“custo baixo”) a operar no Brasil mas só sabe garantir custo baixo na operação da empresa, não para o consumidor.

Sorvete na praça

Celso de Mello já decidiu: após deixar o STF vai residir em sua cidade, Tatuí (SP). Lá, vai poder retomar um velho hábito: conversar na praça da cidade com amigos de infância e tomar sorvete de maracujá.

Contra o atraso

Senadores próximos a Davi Alcolumbre fizeram uma votação informal e verificaram que Simone Tebet (MDB-MS) é a adversária mais forte pela presidência do Senado. Mas ela tem veto de senadores da velha política, até pelo seu papel decisiva na derrota do grupo de Renan Calheiros.

Devagar, quase parando

A última decisão de 2019 que envolvia um projeto de lei foi proferida pelo Senado no dia 11 de dezembro. O trabalho voltou apenas semana passada, após mais de dois meses sem analisar uma matéria sequer.

Transparência opaca

A Petrobras tenta se afastar da corrupção e da falta de transparência, mas esconde informações sobre funcionários, por exemplo. Alega uma portaria assinada pelos petistas Guido Mantega e Celso Amorim.

Ralo destampado

Dos R$87,3 milhões gastos pelo governo federal em viagens de funcionários, R$45,7 milhões foram distribuídos a pretexto de “diárias”. Em média, cada viagem custou R$1 mil ao contribuinte brasileiro.

Força vem de fora

As operações bilionárias de swap cambial para tentar conter a alta do dólar não parecem ter surtido efeito, mas a verdade é que o dólar subiu contra quase todas as moedas, mostrando que as razões são externas.

Pensando bem...

...virou lei não escrita: desde 1º de janeiro de 2019, manifestações são consideradas ataques à democracia.

 

PODER SEM PUDOR

Mão no desperdício

Espremidos no banco de trás do carro oficial, Tancredo Neves e mais três parlamentares jogavam conversa fora. Falavam sobre a importância do sexo na vida do homem. Um deles não se sentia à vontade com o assunto: era uma deputada correligionária do então governador de Minas, conhecida pelo número avantajado do sapato. O papo prosseguiu e a moça só ouvia os comentários libidinosos dos políticos. Percebendo que ela não estava mesmo à vontade, Tancredo colocou a mão delicadamente sobre suas pernas e suspirou, como um lamento: “Ah, menina... já pensou se eu pudesse e se você gostasse?”

___

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!