Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“Então, assim, eles ainda estão decidindo. Está decidido. Eu não sei, não sei. Que loucura. Acho que ele está me dispensando”,

Regina Duarte, secretária da Cultura depois da renomeação de Dante Henrique Mantovani para a Funarte
07/05/2020 06:00 - Giba Um


Então, assim, eles ainda estão decidindo. Está decidido. Eu não sei, não sei. Que loucura. Acho que ele está me dispensando”, 

de REGINA DUARTE // secretária da Cultura depois da renomeação de Dante Henrique Mantovani para a Funarte.


Para segurar as despesas com máquina pública, o Ministério da Economia pretende postergar para 2021 todos os concursos públicos federais programados para este ano.

Mais: criando problemas em vários setores. Afetaria, de cara, a Justiça e a Segurança Pública. A princípio, estavam previstas cerca de mil contratações para Polícia Federal ao longo deste ano.

In – Vestuário: tons metálicos

Out – Vestuário: tons fluorescentes 
 

 
 

Álbum pronto

A cantora e atriz Miley Cyrus, 27 anos, está na capa e recheio (muito divertido, com direito a foto de máscara personalizada) da revista WSJ. Em entrevista a namorada de Cody Simpson revelou que seu novo álbum She is Miley Cyrus já está totalmente pronto e só está esperando a pandemia acabar para lançá-lo. O novo trabalho tem influência do rock. “Eu fiz um álbum que é meio que influenciado pelo rock. por isso o meu mullet. Esse não era somente um corte de cabelo aleatório das quartas-feiras de ‘Tiger King’. Isso era pra combinar com a nova música, mas agora eu estou andando por Calabasas com um mullet estilo Joe Exotic”. Cyrus revela qual seu maior desejo depois que acabar o distanciamento social. “A primeira coisa que quero fazer é, definitivamente, abraçar a minha mãe e o meu pai, quando receber luz verde e saber que é seguro”.

Sem empatia

333 O prefeito de Campinas e presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizete (PSB), deputado federal por duas vezes adverte que o governador João Doria precisa ter mais empatia e flexibilizar a quarentena no interior. Ele acha que “estamos cerceando os direitos das pessoas” e provavelmente por causa disso os percentuais do isolamento social andam tão baixos. No Google, “ter empatia é ter capacidade psicológica para sentir o que sentiria outra pessoa se estivesse na mesma situação vivenciada por ela”. E mais: “Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente o outro individuo”. Há também quem reconheça nas ações de Doria um certo autoritarismo, que lembra os convescotes dos tempos em que liderava os eventos da Lide. Na época, o governador usava um apito para organizar filas com poderosos empresários (e suas mulheres, dependendo) para embarque em aviões. Agora, o mesmo presidente da Frente Nacional de Prefeitos considera um abuso a pretensão de multar em até R$ 276 mil e prisão de quem esteja na rua sem máscara. De cara, seria necessário arrumar máscaras para 24 mil moradores de rua de sua cidade.


 

 
 

Quem não se mexe

Da esquerda para a direita, as drag queens Ravena Creole, Samara Rios, Miami Pink, Karina Karão e Chloe Van Dame. Elas e outras acham que “quem não se mexe, não aparece” – e são “esquecidas”, segundo Miami Pink. Por isso, estão aparecendo numa programação de lives bem-humoradas promovidas pelo Teatro Rival Refit, com artistas transformistas, no Instagram. Tem conversa, interações (virtuais) com o público e esquetes de humor – sempre às quartas. São as drags em cena, em plena quarentena. Mensalmente, tem o The Queen Brasil com concursos, dublagens e “bateção de cabelo”.

Apoio

Desde segunda-feira (4) em todo estado de São Paulo é obrigatório o uso de máscara em transporte público (ônibus, metrôs e trens). Uma medida que para alguns é considerada abusiva. Mas uma pesquisa feita pelo Ibope mostra que 68% dos paulistanos das classes A, B e C apoiam as ações adotadas pelo governador João Doria e pelo prefeito da capital, Bruno Covas.

 
 

Novo nome

O presidente Jair Bolsonaro já conversa com assessores mais chegados sobre opções para substituir Regina Duarte na Secretaria da Cultura. Um dos nomes ventilados é o de Ygor Siqueira, um dos maiores produtores e distribuidores de filmes evangélicos no país. A indicação teria sido soprada no ouvido de Bolsonaro pelo bispo Edir Macedo, da Universal e da Record.

Sem controle

O episódio de Bolsonaro mandando jornalista “calarem a boca” enquanto protestava, de novo, contra a Folha de S.Paulo, é mais um em sua escalada sem controle e compostura. No jornal, a matéria dizia que seu desejo de afastar o superintendente da PF do Rio foi rapidamente atendido pelo novo diretor-geral da Polícia Federal. De novo, ele agride a Constituição ao impedir o trabalho da imprensa, insuflando bolsonaristas contra o jornalismo profissional. Nesse último caso – pior – ele voltou para dizer que estava nervoso e não pediu desculpas.


BLEFE

Bolsonaro sabe que blefava quando disse que “as Forças Armadas estão conosco” na fala da praça dos Três Poderes. Era uma tentativa de trazê-las para um jogo que não lhe cabe e essa manobra foi alvo de discussões, esta semana, entre ministros do STF e a cúpula do Congresso. Quando Bolsonaro empurra para dentro as Forças Armadas, as especulações não beneficiam ninguém. Especialmente o próprio Bolsonaro, que vê o blefe naufragar. 

Reserva

Ainda a manobra de Bolsonaro: rumores de uma possível intenção de substituir o comandante do Exército, Edson Pujol, incomodaram homens da cúpula das Forças Armadas. E a postura do presidente acaba também por galvanizar e mobilizar militares da reserva, provocando tensão maior dentro das corporações. Não há nenhuma disposição evidente das Forças Armadas em acompanhar Bolsonaro em qualquer solução que passe ao largo da Constituição. Quando blefa, ele aumenta a tensão, mas uma ruptura é absolutamente improvável.

SEM PUNIÇÃO

Ainda as travessuras de Bolsonaro: seus movimentos são mais calculados do que possam parecer. Ele aposta que, na atual circunstância, nenhuma punição mais dura lhe seria aplicada. Aí, passa do blefe a “cutucar a onça com vara curta” a se usar uma expressão popular. Na pandemia, estica a corda e sobe o tom contra os demais Poderes, no limite da responsabilidade. Uma respeitada figura do Judiciário disse: “Agora, só falta ele dizer que as polícias militares estão contra ele”.

Sardinhada

Faltam leitos de UTI, respiradores, máscaras, mas – quem diria – não faltam sardinhas. O governo da Espanha vai doar ao Brasil cerca de 30 mil latas de sardinhas, que serão distribuídas pelo Ministério da Cidadania a ONG da linha de frente do combate à Covid-19. Um pouco de história: na Itália, a sardinha se tornou símbolo de protestos contra a extrema direita. Mas daí a novela já é outra.

Outro Natal

Administradores de shoppings, muitos fechados, outros abertos, estão com as vendas do Dia das Mães comprometidas, discutem como será o segundo semestre. Abrir espaço para crianças abraçarem e beijarem o Papai Noel não parece uma boa ideia. Dever ser um Natal sem contato físico, por isso as atividades com Papai Noel devem desaparecer. Um executivo da área diz que “ninguém vai fazer fila para beijar e abraçar alguém”. Também áreas equipadas com brinquedos para crianças deverão ser desativadas.

FUMAÇA

Depois de demitir o diretor de fiscalização, o presidente do Ibama, Eduardo Bim, recebeu carta branca do ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente, para uma dança de cadeiras entres os superintendentes. O órgão informa que, as nomeações em análise dizem respeito a cargos vagos, como no Amazonas. É justamente a região mais sensível na época mais delicada. Neste mês, com o fim do período de chuvas, começa a estação das queimadas na Amazônia.

MISTURA FINA

LEVANTAMENTO da Paraná Pesquisa quis saber o que os brasileiros achavam da demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde. 61% dos entrevistados acreditam que ele errou, 34% que ele acertou e 5% não quiseram ou não souberam responder.

POR outro lado, o levantamento também da Paraná Pesquisa aponta que para 49,15 dos entrevistados o novo ministro da Saúde está indo bem, 33% acreditam que ele não está se saindo bem e 17,9% não quiseram ou não souberam opinar.

FILHO do missionário R.R. Soares, líder da Igreja Internacional da Graça de Deus, Marcos Soares deverá assumir um cargo no Ministério da Cidadania. Sua nomeação tem a benção do titular da pasta, Onyx Lorenzoni. 

ROGÉRIO Marinho, ministro do Desenvolvimento Social, pode estar na lista negra de Paulo Guedes, mas está em alta no governo e bem apoiado pelos militares. Agora, tem se mostrado um defensor ferrenho da recriação do Ministério do Trabalho. O Centrão está de olho.

A NOMEAÇÃO de Fernando Marcondes de Araújo Leão para comandar o Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs) é o primeiro movimento oficial da “nova política” adotada pelo governo de Jair Bolsonaro. E a velha política do toma lá, dá cá com o Centrão.

O CORTE de quase 15 milhões de vagas será consequência de uma retração (inédita) de 11% do PIB este ano. O cenário é o mais pessimista dos desenhados pelo Grupo de Indústria e Competitividade do Instituto de Economia. As projeções mais otimistas apontam para uma variação negativa do PIB de 3,1% em 2020, com uma redução de 4,7 milhões de empregos.

EM novo comentário, Jair Bolsonaro disse que “convidaria Roberto Marinho para assumir um vaga no Supremo Tribunal Federal “porque ele julga e condena em fração de segundos”. Seria uma indireta a Roberto Marinho que, contudo, morreu em agosto de 2003.

O CONSELHO Nacional de Educação vai estabelecer novas diretrizes curriculares para a graduação em Administração de Empresas. As regras atuais têm mais de 15 anos. Ou seja: Abraham Weintraub já teria o que incluir no portifólio de sua gestão. 


 


 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.