Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“Eu estaria estimulando um movimento contra o Congresso e o Judiciário, não existe isso. Agora, nós não podemos nos envenenar com essa mídia podre que nós temos aí”

de JAIR BOLSONARO // sobre vídeo contra Congresso e STF.
02/03/2020 04:00 - Giba Um


Eu estaria estimulando um movimento contra o Congresso e o Judiciário, não existe isso. Agora, nós não podemos nos envenenar com essa mídia podre que nós temos aí”, 

de JAIR BOLSONARO // sobre vídeo contra Congresso e STF.

 


In – Bolsa de ombro

Out – Bolsa de mão


 

 
 

Herói animalComo 

Todos os anos, a ONG Ampara Animal fundada em 2010 para mudar a realidade dos animais (domésticos ou silvestres) maltratados, rejeitados e abandonados do Brasil, faz um calendário com personalidades que também abraçam a causa. Geralmente são fotos, mas neste ano a ONG mudou: transformou as celebridades em heróis. Artistas como Tatá Werneck, Luisa Sonza, Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank entre outros, viraram desenhos de heróis, que foram batizados de “Liga da Proteção”. No ano passado, a Ampara ganhou dois prêmios: Melhor ONGs 2019 e Melhor ONG da Região Sudeste, ambos concedidos pelo Instituto Doar. Este ano o calendário foi focado em várias espécies de animais que correm risco de extinção e até mesmo aqueles que fazem parte do cotidiano e são vítimas de maus tratos regularmente, como os cachorros.

 

Tudo de novo

No ano passado, quando seu governo dava os primeiros passos e a pauta obrigatória era a aprovação da reforma previdenciária, o presidente Jair Bolsonaro fez uma maratona entre os programas populares. Para ele, esse é o caminho direto e mais prático para falar com população com bom espaço de tempo – e sem gastar nada (recompensas poderão vir depois). Agora, diante da crise institucional gerada pelo assunto e do desgaste entre governo e servidores, Bolsonaro deverá voltar à velha fórmula do périplo por programas populares para referendar a reforma administrativa. Primeiros da lista: José Luiz Datena e Luciana Gimenez. 


 

 
 

Ou tudo ou nada

 “Eu gosto de estar completamente vestida ou se não, totalmente nua. Não gosto de meias medidas”. Gabriela Spanic, 46 anos, atriz, produtora, cantora e empresária, repete Marilyn Monroe ao aparecer totalmente nua em foto na rede social, exibindo grande forma. Ela estará por quatro dias em São Paulo, em abril para fazer negócios com seus produtos de beleza, fazendo uma palestra sobre empoderamento da mulher e terminando com grande festa quando cantará. Ela é super conhecida no Brasil pelo sucesso da novela A Usurpadora (SBT já exibiu cinco vezes) – e está divorciada.


Fonte de inspiração

Alguns analistas políticos compararam a escalada autoritária do governo Bolsonaro à trajetória de Alberto Fujimori, no Peru, em 1990, quando venceu Mario Vargas Llosa nas eleições presidenciais. Fujimori cercou-se de militares e depois deu um autogolpe, ordenando a prisão dos presidentes da Câmara e do Senado, tudo pelos “reais interesses do povo” e pela instalação de “uma democracia real” no Peru. Seu final foi triste: em 2009, foi condenado a 25 anos de prisão por corrupção e “crimes contra a humanidade” (esterilizou mais de 300 mulheres à força).

 
 

A estrela sobe

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que não teve de enfrentar grandes problemas desde que assumiu o posto, ganhou os holofotes por conta do coronavírus e agora é visto por especialistas como um perito com qualificações à altura do comando da pasta, mas se movimenta para atender interesses do governo e satisfazer demandas corporativistas. Avesso à entrevistas, passou a centralizar a comunicação oficial sobre o tema. E sempre se mantendo longe de manifestações ideológicas, Mandetta é o comandante da tropa.


Cereja do bolo

O ex-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, que está fora da prisão há dois meses disse que está indignado e decepcionado com o também ex-governador do Rio, Sérgio Cabral. Pezão que garante que não sabia de nenhum esquema enquanto era vice de Cabral e que ele só começou a atacá-lo depois da 13ª condenação, até então era chamado de “homem probo, honesto e correto”. “Tem hora em que fico triste, indignado, decepcionado, mas graças a Deus eu não guardo ódio, rancor e raiva de ninguém. Sou desprovido disso, graças a Deus. Vejo que ele está tentando se defender. Só resta a cereja do bolo, que sou eu".


 

TERCEIRA MESA

Aliados do presidente do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estão se movimentando em torno da possibilidade de separar as presidências do Congresso e do Senado por meio de uma proposta de emenda constitucional (PR), para mantê-lo em um cargo de prestígio por mais dois anos. Querem deixá-lo em evidência para ser uma alternativa à Presidência ou vice de algum nome do “centro”.


 

Explicação

A advogada do Aliança pelo Brasil, Karina Kufa, resolveu dar uma explicação sobre as fichas que estão sendo rejeitadas para a criação oficial do partido. Ela explica a rejeição se deve porque o candidato já é filiado a outro partido, o que é proibido por uma lei de 2015. “Muitas fichas estão sendo rejeitadas porque o apoiador está filiado. Duas situações: a) não se desfiliou corretamente ou a desfiliação não foi processada a tempo; b) assinou a ficha quando não tinha filiação e no momento do lançamento pelo operador a pessoa fez nova filiação”.

 

PRÁTICO

Ex-presidente do BNDES e do IBGE, Paulo Rabello de Castro, lançado candidato à prefeitura do Rio pelo governador Wilson Witzel já traçou um panorama rápido. Se as pesquisas não forem favoráveis, poderá se aliar a outro candidato (no caso, Eduardo Paes) e sair como vice. E se não der, cai fora: “É simples, não é?”. De um jeito ou outro, faz acenos a Witzel, Paes – e ao próprio Bolsonaro.

 

Em defesa

O vice-presidente Hamilton Mourão saiu em defesa do presidente Jair Bolsonaro depois da confusão após distribuição do vídeo de convocação para manifestação. “O presidente Jair Bolsonaro não atacou as instituições, que estão funcionando normalmente”. Só que completou: “Não autorizei o uso de minha imagem por ninguém, mas protestos fazem parte da democracia que não precisa de pescadores de águas turvas para defendê-la”.


Clandestino

O senador petista Jaques Wagner (BA) quer que o Senado acabe com as placas oficiais que identificam carros de luxo adquiridos com dinheiro público para servir aos senadores. Ele pessoalmente não quer mais circular de carrão com placa de senador: quer disfarçar a mordomia com placas frias. No ano passado, o mesmo Wagner e Álvaro Dias (Podemos-PR) pediram autorização para substituir placas de seus carros oficiais por “não identificáveis”. Em 2010, eram 89 carros oficiais no Senado de 81 parlamentares. Dez anos depois, os modelos são mais novos e poucos abdicaram da regalia.

 

DUAS OPÇÕES

Fernando Haddad ainda não aceitou ser candidato a prefeito de São Paulo: fora o lado político, tem deixado claro que ainda tenta resolver pendências da vida pessoal, que foram alteradas abruptamente por causa de 2018. Os petistas acham que, caso não concorde, fica sem musculatura para 2022. Governadores do Nordeste vão pleitear prévias, incluindo opções que eles acreditam terem fôlego: governadores da Bahia, Rui Costa e do Ceará, Camilo Santana, agora envolvido numa guerra salarial com a polícia de lá.


MISTURA FINA

AINDA as placas do Senador: hoje, apenas cinco senadores abrem mão do carro oficial com placa preta, segundo o próprio Senado. Os demais 76 adoram a mordomia.


UM levantamento feito pela Paraná Pesquisas mostra que 54,5% dos entrevistados acham que o trabalho que o ministro Sérgio Moro, da Justiça e Segurança Pública é ótimo ou bom; 21% regular e apenas 18,2% que péssimo ou ruim.


AINDA o levantamento da Paraná Pesquisa: ela quis saber dos entrevistados o que seria melhor para o futuro do ministro Moro e 57,9% acreditam que o melhor seria seu nome ser indicado para o STF; 15,9% que ele saísse candidato a presidente; e 14,4% que fosse o vice-presidente numa chapa com Bolsonaro em 2022.


O MINISTRO Celso de Mello, que está se preparando para deixar o Supremo, quer ir morar em Tatuí, interior de São Paulo, sua cidade. Lá – e isso ele até anuncia para os mais chegados – quer sentar-se na praça principal, conversar com os amigos de infância e tomar um sorvete de maracujá. O de Tatuí, ele diz, é insubstituível.


OS deputados João Campos e Tabata Amaral está passando uns dias no Nannai Resort, em Porto de Galinhas (PE). Ele será candidato a prefeito de Recife e ela poderá – ainda está em dúvida – ser candidata à prefeitura de São Paulo. Aí, em caso da vitória dos dois, Campos seria “primeiro-damo” de São Paulo e Tabata, primeira-dama da capital pernambucana.


CORRENDO por fora, opções para o PT em 2020 não faltam: Eduardo Matarazzo Suplicy, Jilmar Tato, Carlos Zarantini, Alexandre Padilha e até Ana Estela Haddad, mulher do ex-prefeito Fernando Haddad, na cabeça de uma chapa ou na vice.


NÃO há queda de braço entre o governo e o Congresso pelo controle de R$ 30 bilhões do orçamento porque tudo foi objeto de acordo entre Bolsonaro e os líderes dos partidos mais importantes: caberá ao governo decidir aplicar metade dos recursos e a outra metade será definida pelos parlamentares. O acordo está sacramentado e o presidente e líderes consideraram as negociações “muito produtiva”.


GLEISI Hoffmann, presidente do PT, foi assistir ao desfile de blocos carnavalescos em Fortaleza, em solidariedade ao governador do Ceará, o petista Camilo Santana. Ocupou praticamente sozinha um camarote feito à base de madeira e lona. Ao ser reconhecida virou alvo de bolas de papel, latinhas vazias de cerveja e até pedras

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.