Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“Não posso virar um “Jairzinho paz e amor” e me violentar. Eu tenho de continuar sendo a mesma pessoa”

Jair Bolsonaro, repetindo 2018 e avisando que a calmaria vai acabar daqui a pouco
03/07/2020 06:00 - Giba Um


Com salários brutos que podem chegar aos R$ 50 mil, grupo de militares terá a partir do ano que vem um aumento de até R$ 1.600 nos rendimentos. O reajuste ocorrerá em um dos penduricalhos.

Mais: beneficiará, principalmente, o oficialato das Forças Armadas. É a chamada “adicional da habitação”, benesse criada por Fernando Henrique Cardoso para quem fez cursos ao longo da carreira. 

 

Não posso virar um “Jairzinho paz e amor” e me violentar. Eu tenho de continuar sendo a mesma pessoa”, 

de JAIR BOLSONARO // repetindo 2018 e avisando que a calmaria vai acabar daqui a pouco.

 

In – Sopa de abóbora

Out – Sopa de cebola

 
 

Estilo Xuxa

Sem saber ao certo o rumo do programa Se Joga, Fabiana Karla postou um ensaio muito divertido no Instagram e fez comparação de uma das fotos com foto de Xuxa em uma capa de seus discos. Ela tem aproveitado a quarentena ao lado do noivo Diogo Mello para fazer o que nunca tinha feito “Esses dias são para me superar com a criatividade, assim como todo mundo. Tenho feito o que vinha sendo adiado, como aulas de inglês e exercícios físicos”. Entre os exercícios começou fazer ioga e comenta “Não sou a pessoa que trabalha na angústia, principalmente nos exercícios físicos. Se não tiver prazer envolvido, não consigo. Isso é regra de vida. Acho que a Cau Saad (personal trainer), consegue fazer um treino específico pra mim, respeitando os limites do meu corpo e me deixando feliz sem cobranças”.

Guerra aos estados

Embora ainda esteja na fase “Jairzinho paz e amor!”, sensatez não é exatamente a marca do governo Bolsonaro, ainda mais quando enxerga uma “janela de oportunidade” para colocar os governadores na berlinda. No caso, entenda-se “janela de oportunidade” a sucessão de denúncias de desvios de recursos para a Saúde, até mesmo no período da pandemia. No momento, 15 estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Acre, Amazonas, Roraima, Amapá, Rondônia, Pernambuco, Maranhão, Tocantins, Ceará, Bahia e Mato Grosso do Sul – e maio o Distrito Federal estão sob investigação. Para Bolsonaro, quanto pior, melhor.

 
 

Down em alta

Em meio a pandemia revistas, grifes tem se desdobrado para poder levar seus produtos até seus clientes. Modelos famosas sempre chamam atenção. Só que algumas destas publicações e marcas começam a apostar em um novo nicho. A Gucci em parceria com a Vogue Itália apresentou sua nova linha de cosméticos com a modelo Ellie Goldstein (à esquerda), 18 anos. portadora de Síndrome de Down. A australiana Madeline Stuart (à direita) é a primeira supermodelo com Síndrome de Down. Ela já apareceu nas capas de Vogue, Cosmopolitan e recentemente na publicação britânica Blush.

Entendimento”

Em solenidade nesses dias, com o ministro Dias Toffoli, do Supremo, o presidente Jair Bolsonaro quis passar um atestado público de sua nova fase “paz e amor”, prometendo um período de “tranquilidade”, “entendimento” e “cooperação”. Depois, o presidente do Supremo declarou que a democracia encerrou o semestre “fortalecida”. Nos bastidores, Bolsonaro foi se aguentando o mais que pode. Em tantas oportunidades, já poderia ter disparado seus mísseis, mas está se controlando, de olho nas eleições municipais e mais à frente, as presidenciais. Aos chegados, contudo, avisa que “não pode se transformar em outra pessoa”. É apenas uma fase.

Dívida

O IPP acumulado em 12 meses até maio de 2020 foi de 4,6%; o IGPM, de 6,51% e o IPCS, de 1,88%. Agora, os analistas estão ansiosos para saber como o governo vai conseguir financiar sua monstruosa dívida de 84,60% do PIB com juros Selic de 3% ao ano. Enquanto a inflação real do mercado está em 6,51% ao ano e a inflação do produtor está em 6,60% ao ano.

 
 

Família frouxa

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP), já demonstrou profundamente e por diversas vezes seu arrependimento por ter apoiado Jair Bolsonaro. E sua revolta vai além do apoio, em entrevista ataca toda família: “Quem menos gosto da família é o Carlos, que é um b... frouxa. O Flávio e o Eduardo se completam. Se eu encontrasse Jair na minha frente, teria muita coisa para falar na cara dele, mas não sei se ele teria coragem de ouvir, porque ele é covarde e frouxo”.

Dividido no meio

As operadoras de telefonia cobram do governo que o processo de licitação do 5G fique sob o teto de um único ministério. Com a cisão da Ciência e Tecnologia, a gestão Bolsonaro criou um problema: há questões que permanecem na pasta como a “internet das coisas” e a banda larga, e outras que passaram para o Ministério das Comunicações – a começar pela responsabilidade legal pela concessão e renovação de licenças. Se, com um ministério, o 5G não saiu ainda, há quem aposte que vire tudo uma loucura, dividido ao meio.

DÁ AULAS

O professor Carlos Decotelli não tem título de doutor, nem fez curso de pós-doutorado na Argentina e na Alemanha, mas dá aulas mesmo “há quase 40 anos” na Fundação Getúlio Vargas. A instituição negou que ele dá aulas lá porque ele não é contratado: é um professor avulso, convocado sempre para substituições ou cátedras sem titular. A negação feita pela FGV foi o “tiro de misericórdia” e ele pediu demissão, antes que Bolsonaro o afastasse.

Outra força-tarefa

O MPF está montando uma “força-tarefa do amianto” para apurar se a Saint-Gobain e a Sama Mineração (Eternit) estão cumprindo a condenação que sofreram em 2018. Há denúncias de que ambas vêm descumprindo termos da sentença proferida pelo juiz federal João Batista Junior. Além de multa de R$ 31,4 milhões, as duas foram obrigadas a reparar danos ambientais nos arredores da mina de amianto em Bom Jesus da Serra (BA). O pano de fundo é um imbróglio em torno do uso do material na produção de telhas e caixas d’água no Brasil.

PRIMEIRA CLASSE

 Para quem gosta de números: um grupo de trabalhadores de primeira classe (servidores públicos) composto por 12,6 milhões de pessoas (ativos, inativos, civis e militares) que representam apenas 5,97% da população brasileira, sendo 2,2 milhões federais, 4 milhões estaduais e 6,4 milhões municipais, custaram em 2019 R$ 1.172,6 bilhões, correspondentes a 16,16% do PIB. Esse percentual representou 48,59 da carga tributária que foi de 33,26% do PIB em 2018.

Olho na fronteira

Usineiros já manifestaram à ministra Tereza Cristina a preocupação de que produtores paraguaios de açúcar entrem no mercado brasileiro praticando dumping. Seria uma reação ao aumento do contrabando da commodity do Brasil para o país vizinho. Os produtores paraguaios já fizeram protestos e prometem fechar estradas e até queimar caminhões que estejam carregando o produto sem nota fiscal ou comprovante de importação.

Pulou fora

Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, está se distanciando do movimento empresarial Brasil 200. O motivo seria o rompimento do líder do grupo, Gabriel Kanner, com o governo Bolsonaro. Pesa também a acusação de que o Brasil 200 financiou a disseminação de fake news. Hang diz que nunca “participou ativamente” do movimento. “Eu estava em Nova York em 2018 quando Flávio Rocha, que é meu amigo, ainda era pré-candidato à Presidência e me perguntou se poderia ser signatário. Foi apenas isso”.

VOU TIRÁ-LO

Ainda sobre a entrevista de Frota: ele está na torcida por Queiroz. “Espero que Queiroz abra a boca, seja homem e conte a verdade sobre os crimes do Flávio, que é envolvido em corrupção, lavagem de dinheiro, milícia e uma série de outras coisas”. Para completar a entrevista, Alexandre Frota dispara: “Se eu soubesse que ele seria esse desastre não teria apoiado. Ajudei a levá-lo a presidência, e ele, a me eleger, mas vou ajudar a tirá-lo. Seja agora, daqui a pouco, lá para frente. Vou fazer de tudo e vou trabalhar incansavelmente para que ele não seja reeleito. Aliás, sempre falou que era contra a reeleição. Bolsonaro é duas caras”.

MISTURA FINA

- O MINISTRO da Cidadania, Onyx Lorenzoni, determinou a realização de nova auditoria interna e o cruzamento do cadastro de programas sociais do governo. Ele quer contradizer o TCU e provar que o número de pessoas que receberam indevidamente o “corona voucher” é bem inferior aos 600 mil apontados pelo Tribunal.

- ONYX Lorenzoni também trabalhou na indicação de Antônio Veronezi, da Universidade Santo Amro (já enfrentou período de problemas) para o Conselho Nacional da Educação. Veronezi integra a lista deixada por Abraham Weintraub.

- DESDE 2012, José Luiz Datena ameaça se lançar candidato a prefeito de São Paulo. E a cada quatro anos, quando chega a hora da decisão final, ele pula fora e continua com seu programa de televisão. Agora, mais uma vez ele avisou que não será mais candidato em 2020. Vai preferir ficar com seu milhão de salário (com merchandising) na Band.

- O PL de Valdemar Costa Neto, não ficará ao relento. Depois de perder a presidência do Banco do Nordeste – o indicado de Costa Neto, Alexandre Cabral, ficou apenas um dia no cargo – o partido deverá receber a diretoria de Negócios da instituição, hoje a cargo de Wagner Rocha.

- ATÉ Bolsonaro comemorou a resolução do Conselho Nacional de Política energética autorizando a venda direta de etanol anos postos sem passar pelas distribuidoras (atravessadoras). Só que a Agência Nacional de Petróleo precisa regulamentar a decisão e a ANP, sob suspeita de submissão às ricas distribuidoras, decidiu analisar o tema apenas em outubro.

- A DELAÇÃO de Mário Queiroz Galvão, sócio da Galvão Engenharia, tem tudo para desaguar numa “Lava Jato do Cerrado”. Além de acusações contra o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, o empresário teria citado outros dois ex-governadores do Centro-Oeste.

- O PASTOR Everaldo, líder do PSC e “founding fathter” de Wilson Witzel na política chamou para si a inglória tarefa de tentar uma reaproximação entre Jair Bolsonaro e o governador do Rio. Até agora, contudo, as portas do Planalto seguem fechadas – à chave.

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido