Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

GIBA UM

“Não vi por parte dele nenhum tipo de ataque quando a gente estava votando o aumento de salário dele como militar da reserva”

Rodrigo Maia, presidente da Câmara, contra ataques do general Augusto Heleno (GSI) ao Parlamento
21/02/2020 05:00 - Giba Um


“Não vi por parte dele nenhum tipo de ataque quando a gente estava votando o aumento de salário dele como militar da reserva”  

RODRIGO MAIA // presidente da Câmara, contra ataques do general Augusto Heleno (GSI) ao Parlamento.

 

Rodrigo Maia, já avisou que a reforma administrativa não será aprovada este ano. Diz que a Casa vai “se debruçar” sobre a reforma tributária que está apenas em algumas folhas de papel.  

Mais: o argumento é que a Câmara, num ano eleitoral, não terá fôlego para aprovar suas reformas. O Congresso prepara-se para enfrentar Paulo Guedes. É questão de pouco tempo.

 
 

Grito de Carnaval

Faltando poucas horas para o início do carnaval as musas, madrinhas e rainhas de baterias das escolas paulistas também enchem as redes sociais com ensaios provocantes mostrando que existe muito mais do que samba no pé. Desfilando pela 16ª vez pela Gaviões da Fiel, Sabrina Sato (primeira foto) sairá como Julieta, do clássico Romeu e Julieta, de William Shakespeare; Lívia Andrade (segunda foto), apresentadora do Fofocalizando depois de deixar a Império da Casa Verde será uma das musas da Pérola Negra; Juju Salimeni (terceira foto), ex-Pânico na TV, rainha de bateria da X9 Paulistana representará os índios, mas sem penas; Carla Prata (quarta foto) ex-bailarina do Faustão é musa das Dragões da Real que irá homenagear os Doutores da Alegria; Fernanda Lacerda (última foto) como Mendigata do Pânico gastou R$ 30 mil na fantasia de Maria Bonita.

Segue o líder

Desde o início do governo Bolsonaro, o general Augusto Heleno, que quase ficou sem ministério, era tido como conselheiro de todas as horas e dono de um poder moderador em qualquer circunstância. Agora, implode essa postura, especialmente quando termina sua impensada fala com um sonoro “Foda-se”, que – pelo menos, ao que se vê – soma-se às atuais bananas que proliferaram no seio do governo, incluindo agora Eduardo, o 03. Mais: em rodas mais íntimas também Guedes adora soltar um palavrão. Augusto Heleno também tem mais episódios desprezíveis: insultou o presidente da França, mandou FHC “calar a boca” num bate-boca com ex-presidentes brasileiros, chamou Dilma de “terrorista” e defendeu que Lula fosse “condenado à prisão perpetua”, se esquecendo que a pena foi banida da Constituição de 1988. E criticou no Twitter (é outra ala que ele imita o Capitão), um jornalista sem perceber que era um blog de humor. Virou chacota. 

 
 

Folia é para todos

A atriz e cantora Cleo também está em clima de Carnaval, apaixonada pela data declara: “Eu adoro a época do Carnaval porque acredito que as pessoas ficam mais livres e se sentem mais desinibidas para fazer o que querem, poderia ser assim o ano inteiro”. E defende que a folia é para todos “Quando penso a respeito, para mim não é uma questão de abolir o corpo malhado e sim permitir que as pessoas se sintam bem e seguras da maneira que elas são ou querem ser. É poder se expressar da maneira que quiser e sem sofrer julgamentos por isso”.

Campeonato

No governo Bolsonaro, há um campeonato para ver quem fala mais desatinos. Agora, o general Augusto Heleno (GSI), que não tem nada a ver com negociação com o Congresso, diz que “não podemos aceitar esses caras chantagearem a gente o tempo todo”, na presença de Luiz Eduardo Ramos (Governo) e Paulo Guedes (Economia) gerando, mais um barril de pólvora entre Legislativo e Executivo. Antes, os generais já haviam pressionado Bolsonaro sobre “as empregadas da Disney” e o Chefe do Governo disse que Guedes cometera apenas “um pequeno deslize”.

 
 

Apoio especial

Ainda o general Augusto Heleno, da GSI, que andou se arvorando e criando situação de saia justa (ou pior que isso) para o governo no Congresso: no começo da gestão Bolsonaro, ele ameaçou subir na plataforma depois que um sargento da FAB foi preso na Espanha com 39 quilos de cocaína. O caso enfureceu Carlos Bolsonaro, o 02, que passou a atacar Heleno nas redes. Agora, Heleno se juntou aos radicais e virou herói para o vereador: “Somos todos general Heleno”. Era apoio ao “Foda-se”.

 

In – Macacão feminino pantacourt

Out – Macacão feminino saruel

 

Lava Jato peruana

As empreiteiras brasileiras Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e OAS foram notificadas pelo Instituto Nacional de Defesa da Concorrência peruana. São acusadas de participarem de um cartel para fraudas e vender licitações de obras públicas no país. A investigação é grande: envolve 35 corporações peruanas e estrangeiras que teriam manipulado concorrências na mega conexão rodoviária entre Norte do Brasil e portos do Pacífico, lançada nos governos Lula e Alejandro Toledo, mais uma via expressa de 25 quilômetros em Lima, hidrelétrica de Inam bari e outras. Esses projetos somam mais de US$ 5,5 bilhões.

“COUNTRY”

Ainda a Lava Jato peruana: as empreiteiras são acusadas de participarem de um grupo chamado de “Country Club da propina” para as licitações andarem. O pessoal da OAS já admitiu ter pago US$ 7,3 milhões ao representante do grupo, um advogado conhecido como Rodolfo Prialé. Andrade Gutierrez e Queiróz Galvão querem deixar andar para ver como é que fica. A Lava Jato peruana quer buscar a farra da propina de volta.  

Menos

Meio sem graça de ter sido nomeado para o lugar de Osmar Terra, no Ministério da Cidadania (ele sou através de um blog) o ex-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, sugeriu a Bolsonaro que o deputado federal (não aceitou a embaixada no Canadá) assumisse a liderança do governo na Câmara como prêmio de consolação. Negativo: para Bolsonaro, nem Terra tem essa bola toda para ocupar o posto no Congresso e Lorenzoni, menos capital ainda para se seu cabo eleitoral.

AUTOFÁGICO

A participação do falso lucro da Petrobras (R$ 40,1 bilhões no ano passado, o maior da história) será rateada (participação de lucro) apenas entre funcionários (burguesia de estado) e acionistas de mercado, o que aumenta a imoral concentração de renda. E cabe lembrar que a Petrobras é a maior devedora do crédito subsidiado do BNDES no montante de R$ 62,4 bilhões, provando que o capitalismo brasileiro é autofágico: alimenta-se do próprio fracasso.

Reforço

Depois de sofrer baixas na reta final de Raquel Dodge na PGR, a força-tarefa da Lava Jato vai ganhar reforços. Augusto Aras autorizou a transferência dos procuradores Joel Bogo e Luciano Miguel Cardoso (eles são casados) para a “República de Curitiba”. Atendeu pedido direto do próprio Deltan Dallagnol, que tenta manter a Lava Jato respirando.

Paralelo

O carnaval serve para acalmar os ânimos, mas de cara, o general Augusto Heleno se recusou a se desculpar com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre. Se nada acontecer, o resultado se verá em votações das reformas administrativas e tributária (ainda no papel). E Guedes teria colocado o cargo à disposição (não é um pedido de demissão) e o presidente não aceitou. O motivo é claro: Guedes montou uma máquina que funciona à revelia da Presidência. Seus secretários dominam áreas que o Chefe do Governo nem sabe do que se trata. Guedes saindo, esse paralelo desmorona e Bolsonaro não tem como erguer outro – nem no médio prazo.

DIVISÃO

Há ainda outro lado nesse choque de Heleno com o Congresso: os ataques do general da GSI ao acordo articulado também pelo general Luiz Eduardo Ramos revelam que existem “divisões” no bloco militar. Ramos é adepto do diálogo com relação ao Congresso, do lado posto a Heleno. Bolsonaro fica no meio. A nomeação de Rogério Marinho para ser um reforço para quem defende fazer política. Se não der certo, Bolsonaro pode chutar o pau da barraca. E, supostamente, a barraca também do lado errado.

MISTURA FINA

  • A JUÍZA Gabriela Hardt resolveu tirar o sigilo do processo envolvendo as empresas de Lulinha para permitir “saudável escrutínio público” sobre a atuação da administração pública da própria Justiça. Os advogados do  filho de Lula reclamavam o acesso a jornalistas a documentos apreendidos pela PF numa seria de empresas investigadas por supostos pagamentos ilícitos da Oi/Telemar à Gamecorp. Agora vai.
  • O GOVERNO do Rio Grande do Sul começou a rascunhar com o BNDES o modelo de venda da empresa de saneamento Corsan. Se não der, o caixa fica mais esburacado ainda.
  • O VICE-presidente Hamilton Mourão recebeu dias atrás a deputada  federal Perpétua Almeida (PCdoB-AC), o governador Gladson Cameli (PP) e outros parlamentares do Acre. Os políticos foram pedir ajuda para combater a criminalidade no estado.  
  • A DEPUTADA federal Joice Hasselmann (PSL-SP) garantiu que não mudou em nada e que não se afastou do presidente Bolsonaro. “Não fui para um outro lado. Eu continuei exatamente onde eu estou. Quem foi para o outro lado foi ele. Nós fomos eleitos com uma bandeira nacional. Não com uma bandeira de um homem”. E disse que apoiará o Chefe do Governo se for necessário e que se ela concordar com seus ideais.
  • NO Ministério da Agricultura, há dúvidas se o número anunciado pela ministra Teresa Cristina, uma das raras que funcionam no país, para o seguro rural de R$ 1 bilhão para este ano será de fato consumado. O pessoal de Paulo Guedes quer passar o trator e reduzir essa dinheirama.
  • GRANDES editoras estão fazendo fila na porta da Livraria Cultura em São Paulo. Esperam que Sérgio Hortz, dono, cumpra o acordo de usar os R$ 13 milhões recebidos pela venda do site Estante Visual para o pagamento de entregas atrasadas. Tem algumas desde o final de 2018.
  • Devido ao feriado de Carnaval está coluna não irá ser publicada nos dias 24 e 25 de fevereiro voltando normalmente no dia 26 de fevereiro.

Felpuda


Esforços vêm sendo feitos por certos candidatos derrotados na tentativa de conseguir emplacar em cargos públicos comissionados alguns ex-integrantes das equipes de trabalho da campanha eleitoral.

A preocupação não seria, na realidade, com situação de dificuldades que essas pessoas enfrentariam a partir de agora, mas, sim, para livrarem-se de pagar pendências trabalhistas referentes ao período da disputa. Tem cada uma!