Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“Ninguém vai fazer nada ao arrepio da Constituição, fiquem tranquilo. Ninguém quer dar um golpe em cima de mim, não, podem ficar tranquilos”

de JAIR BOLSONARO, falando a apoiadores na cidade de Cristalina (GO)
05/05/2020 06:00 - Giba Um


“Ninguém vai fazer nada ao arrepio da Constituição, fiquem tranquilo. Ninguém quer dar um golpe em cima de mim, não, podem ficar tranquilos”,  
de JAIR BOLSONARO // falando a apoiadores na cidade de Cristalina (GO).

Nos próximos dias, a CNBB vai renovar a recomendação aos bispos e arcebispos pela continuidade das missas online em todo o Brasil, ao menos até o final de maio.  

Mais: a medida se aplica também a estados onde já existem um relaxamento da quarentena, notadamente para fins religiosos, como é o caso de Santa Catarina. 

 
 

Momento chacoalhão

Ainda comemorando seus 45 anos a revista Vogue traz em sua capa Gisele Bündchen. Por apresentar um conteúdo mais leve  em vez de focar na pandemia a revista foi criticada. A publicação responde que todas as capas em comemoração de seu aniversário foram previamente programadas e feitas bem antes da pandemia. No caso de Gisele Bündchen, as fotos foram feitas em dezembro na mesma casa onde ela está em isolamento social na Costa Rica, cercada pela natureza como ela gosta. Gisele ao anunciar a capa falou: “O momento de reclusão nos faz, de alguma forma, reavaliarmos nossas vidas. É um convite a rever nossas prioridades e valores. A vida nos deu um chacoalhão e nos fez olhar não só́ para dentro de nós mesmos, mas para como agimos e nos relacionamos com o outro”.  

Delírio galopante

“Tenho certeza de uma coisa: nós temos o povo do nosso lado, nós temos as Forças Armadas, pela ordem, pela democracia e pela liberdade”. Era Jair Bolsonaro participando, no domingo, na Praça dos Três Poderes, de manifestação contra Sérgio Moro, em novo delírio galopante (havia acontecido outro, no dia anterior na cidade de Cristalina, em Goiás), quando pregou uma ação anticonstitucional pelo fechamento de dois Poderes. E garante estar apoiado pela Forças Armadas, o que não é verdade: há dias, o Alto Comando expediu nota dizendo-se a favor da democracia e da constitucionalidade. Fica no ar o que Bolsonaro pretende. Outra frase delirante: “Chegamos ao limite, não tem mais conversa”. Não diz conversa com quem, o que significa limite, o que fará porque chegou ao limite e se tem alguma ação programada. Nada: é um impulso de campanha. Em vida, Boris Fausto definia Bolsonaro como “autoritário” e “obscurantista”. E apontava: “Nunca se mentiu e se enganou tanto como hoje se mente e se engana no Brasil”.

 
 

“Panos no ar”

É assim que a modelo Georgina Rodríguez, 26 anos, esposa do jogador Cristiano Ronaldo, legendou sua foto onde aparece de fio dental, colocando algumas roupas para secar. Ela está aproveitando ao máximo os momentos de quarentena ao lado do marido e dos filhos Alana Martina e os gêmeos Eva e Mateo, em sua  casa em Ponta de São Lorenzo, em Portugal. Lá, além de curtir os filhos tem aproveitado para se exercitar e fazer caminhadas em trilhas entre as montanhas com direito a escadaria e uma vista deslumbrante.

Candidato

No caso de Sérgio Moro, as falanges bolsonaristas espalham fake news sobre ele na base de metralhadora giratória. O ex-juiz vai aguentando. Bolsonaro não quer que ele saia vitorioso desse embate: criaria mais musculatura para 2022. Os apoiadores são em pequeno número, organizados por variantes do “gabinete do ódio”. Ele vê comunistas por todos os lados, declara-se “salvador da pátria” e Trump lhe vira as costas. Diz que o Brasil é “um exemplo de descontrole da pandemia”. Lá fora, os jornais dizem que sem Moro, com Guedes balançando e Ernesto Araújo na chancelaria, o “país perde o sentido”.

In – Série: La Casa de Papel
Out – Série: Não Provoque

 
 

Biografia

O governador João Doria resolveu telefonar para Paulo Guedes, ministro da Economia, o famoso “posto Ipiranga” de Bolsonaro, para dizer que seu governo estava aberto para ele e que Guedes deveria cair fora “para não manchar sua biografia”. O ministro anda sendo frito, agradeceu e tornou pública a conversa. E contou também a Bolsonaro que dedicou algumas palavras nada lisonjeiras a Doria.

Traidor

Paulo Guedes identificou Rogério Marinho como o autor da ideia do programa Pró-Brasil, que acabou conseguindo suspender (os militares ainda não desistiram dele). Os gastos previstos seriam um atentado contra o projeto de ajusto do ministro da Economia. Guedes afirma que seu ex-secretário da Previdência e atual ministro do Desenvolvimento Regional agiu às suas costas: “É um traidor e vou dizer isso na cara dele”, avisou Guedes derrubou o programa.

A FAVOR

Uma pesquisa feita Tracking the Coronavírus, realizada pela Ipsos, mostram que mais 60% em média da população mundial é a favor de que o isolamento seja mantido por algum tempo. As populações mais favoráveis são da Índia 78% e Japão 77%. 68% dos brasileiros são contra o relaxamento do distanciamento social neste momento.  Alemanha (44%) e Itália (49%) são os países menos favoráveis a quarentena.

Comissionados

O pacote de ajuda aos estados brasileiros representará gastos de R$ 130 bilhões ao governo federal e como sempre vai sobrar para quem paga impostos. “Gordura” é o que não falta nos Três Poderes: relatório do Tribunal de Contas da União sobre comissionados no serviço público federal mostra que essa despesa representa um terço do total da folha de pagamentos do pessoal do funcionalismo ativo: R$ 3,5 bilhões dos quase R$ 10 bilhões totais. Mais: dos 1,1 milhão empregados do Executivo, Legislativo e Judiciário, cerca de 350 mil ocupam cargo de confiança. Segundo o Planejamento, a folha do governo federal custa em 2020 cerca de R$ 26,3 bilhões ao mês.  

NO TRABALHO

A OIT – Organização Internacional do Trabalho alerta para a subestimação de seus dados, diante das incertezas da evolução da doença e das medidas tomadas para mitigar impactos. Neste mês, a segunda edição de seu monitor dava conta de 2,7 bilhões de pessoas afetadas ou 81% de pessoas de trabalho mundial. Do total de trabalhadores, 1,25 bilhão de pessoas pertencem a setores que enfrentam declínio severo na produção e alto risco de desligamento.  

Prova

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, está na linha de tiro do ministro da Educação, Abraham Weintraub. Lopes tem se mostrado favor ao adiamento do Enem e Weintraub não quem nem ouvir falar na proposta. O ministro adora moer auxiliares. Em dois meses, dois secretários da Pasta foram defenestrados depois de bater de frente com Weintraub.

Olho nos cargos

Há um grande grupo de políticos que nem se incomodam com as manifestações de Bolsonaro para seguidores embandeirados, mas sem máscara e bem concentrados: são os integrantes do Centrão que ironizam e dizem que “é mais uma travessura do Capitão”. Estão mais é preocupado com os cargos que irão receber (Tereza Cristina já avisou que na Agricultura não vai dar). Bolsonaro acha que está constituído uma defesa num eventual pedido de impeachment. Ledo engano: Dilma também esperava isso e metade do Centrão se bandeou em cima da hora.  

AO CONTRÁRIO

Enquanto Bolsonaro continua se expondo e não seguindo recomendações a OMS, para isolamento, em São Paulo, governo e prefeitura, com seus respectivos comandantes, João Doria e Bruno Covas, criam decretos para tentar evitar o alastramento do coronavírus pelo Estado.  Agora para circular em transportes públicos (ônibus, metrôs e trens) somente com o uso da máscara, se não tem são convidados a se retirar ou impedidos de embarcar.

MISTURA FINA

  • PESSOAS próximas de André Mendonça garantem que ele não estava muito animado para assumir a pasta deixada por Moro, especialmente devido à forma como o ex-juiz da Lava Jato desembarcou do governo. Também não havia dúvidas, entretanto, de que ele aceitaria a missão imposta pelo chefe, a quem, na posse, chamou de “profeta”.
  • QUEM conhece bem Brasília e sabe como funciona o Congresso, sabe que se Rodrigo Maia aceitar um pedido de impeachment, abrir o processo e instalar a comissão especial, a sorte de Bolsonaro estará selada. A enxurrada que segue um movimento como esse é inflexível e implacável.  
  • COM exceção de um, todos os presidentes do Brasil desde o retorno da democracia em 1985 terminaram suas carreiras em desgraça. Dois sofreram impeachment, dois foram maculados por acusações de corrupção, um foi preso e outro desencadeou uma crise financeira de uma posição posterior. Só FHC manteve sua reputação intacta.  
  • LEVANTAMENTO feito pela XP Investimentos mostra que a avaliação positiva apresentou nova queda após a saída de Sérgio Moro. A avaliação que antes era de 31% caiu para 27%. Já avaliação negativa saltou de 42% para 49%.
  • AINDA o levantamento da XP Investimentos: 67% dos entrevistados acreditam que a saída de Sérgio Moro do Governo terá impactos negativos; e 69% dos entrevistados dizem acreditar que haverá inferência do presidente na atuação do novo ministro André Mendonça e somente 19% esperam que Mendonça atue de maneira independente.
  • JAIR Bolsonaro foi assistir cerimônia de transmissão de cargo no Comando Militar do Sul e teve de mudar seu comportamento: a todos os militares que estendia a mão, recebia de volta um cotovelo e era obrigado a corresponder. Ninguém quis arriscar.  
  • A PRESENÇA de Bolsonaro em Porto Alegre para posse do novo Comandante Militar do Sul, general Valério Stumpf, é cercada de expectativa. O general Antônio Miotto, que deixará o posto e passará à reserva, já é um nome cotado para integrar o governo. Quem viver, verá.  
  • DAMARES Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, agora circula com uma máscara que tem bordado o símbolo da Mulher-Maravilha. Ninguém pode acusar Damares de não ter, pelo menos, humor.

Felpuda


Pré-candidatos que em outras eras cumpriram mandato e hoje sonham em voltar a ter uma cadeira para chamar de sua estão se esmerando em apresentar suas folhas de trabalho. O esforço é grande para mostrar os serviços prestados, mas estão se esquecendo que a cidade cresceu, os problemas aumentaram e aquilo que já foi tido como grande benefício hoje não passa da mais simples obrigação diante do progresso e das novas exigências legais. Assim sendo...