Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“No momento, temos uma pequena crise. Muito mais uma fantasia que não é tudo que a mídia propaga ou propaga pelo mundo todo!”

de JAIR BOLSONARO, sobre o coronavírus que já alcançou 27 países.
12/03/2020 05:00 - Giba Um


No momento, temos uma pequena crise. Muito mais uma fantasia que não é tudo que a mídia propaga ou propaga pelo mundo todo!”, 
de JAIR BOLSONARO // sobre o coronavírus que já alcançou 27 países. 

 

O Brasil desapareceu do radar da consultoria americana Kearney que mede o Índice Global de Confiança para Investimentos Estrangeiros. Até 2014, estava entre os cinco primeiros. 

Mais: no ranking da Kearney, o Brasil caiu para sexto lugar em 2015, para 16º em 2017 e embarcou na lanterna no ano seguinte até deixar a lista em 2019.

 
 

Sempre Gisele

A übermodelo Gisele Bündchen está na capa e recheio Harper’s Bazaar Austrália. Em entrevista ela disse que resolveu abandonar as passarelas, apesar de amar, para ter mais tempo com a família. Afastando os boatos de separação de Tom Brady disse que, como todos os relacionamentos, existe brigas, mas que procura sempre ter uma comunicação clara. “Nós sempre cedemos um pouco e acho que isso é importante. Nós todos cometemos erros. Também acho importante ter paciência, porque nós precisamos de mais compaixão com nós mesmos”. Gisele e Tom também colocaram a mansão localizada em Boston a venda, já que se mudaram definitivamente para Massachusetts, onde tem campo de golfe, sala de ioga, ginásio de esportes e cinco quartos. Preço da mansão: R$ 157 milhões. 

Mudando o foco

A “pequena crise” a que Jair Bolsonaro se referiu, ainda acrescentando que “não é tudo o que a mídia propaga”, faz lembrar 2008 quando Lula, depois de participar da campanha de Luis Marinho à prefeitura de São Bernardo, resolveu comentar a crise americana classificando-a de “ser uma marolinha se chegasse ao Brasil, não dava nem para esquiar”. Historicamente, Lula também nunca foi um especialista em economia. Hoje, ele não classificaria de “marolinha” a epidemia do coronavírus (atingiu 27 países) e nem despreza os 12,17% de alta na Bolsa (a maior desde 1998), quando empresas perderam R$ 432 bilhões e os economistas acham que “a recessão mundial será inevitável”. Enquanto diz que a crise é “pequena” e arrisca palpites sobre a extensão e as consequências do coronavírus, Jair Bolsonaro também resolveu tirar do bolso, sem que ninguém lhe tenha perguntado, a teoria de uma fraude nas eleições de 2018, quando não levou no primeiro turno. E dizendo “ter provas” – o que promete em breve. Rosa Weber e Luis Roberto Barroso tiveram de apresentar nota oficial desmentindo a hipótese. Mas, isso tudo e outras “marolas” que Bolsonaro inventa, encobrem o principal: não falar do “pibinho” e das reformas, ainda nas gavetas. 

 
 

Bobs no cabelo

A cantora e atriz Rihanna levou a internet à loucura dias desses. Ao postar fotos em seu Instagram de calcinha e sutiã de renda, meia-calça e cinta liga e bobs (rolinhos) no cabelo. As fotos são para nova campanha de lingerie de Rihanna em parceria com a Savage X Fenty’s. Há quem garanta que a marca de lingerie da cantora é um dos principais motivos para a queda da concorrente Victoria’s Secret. A grife está prestes a se tornar líder no mercado global de lingerie, que deverá atingir US$ 325 bilhões em 2025.

Encruzilhada

Generais do primeiro time do governo Bolsonaro estão numa encruzilhada: muitos teriam sido convocados para o governo com apoio de outros para controlarem os abuso e ataques do Chefe do Governo. Nem Augusto Heleno (GSI) que, depois do “foda-se” não dá mais conselhos e Braga Neto ainda não “pegou o toura à unha”, expressão de um de seus comandados. Ou seja: o presidente virou o jogo. Agora, são os generais que se submetem aos ruídos presidenciais, com direito a muita demissão.

In – Cinema: Nóis por Nóis
Out – Flores: Cinema: Solteira Quase Surtando

 
 

É Moro

Jair Bolsonaro ainda não bateu o martelo, mas já ficou claro para seu círculo mais próximo que ele indicará Sérgio Moro para a próxima vaga do Supremo. Tira do governo um subordinado indemissível e com agenda própria – e de ser um potencial rival com popularidade suficiente para ameaçar sua reeleição em 2022. Apesar de certa antipatia, a indicação de Moro nunca será rejeitada pelos parlamentares.

De longe

Vítimas de enchentes e desabamentos do Rio de Janeiro, Santos e Guarujá não estarão nem torcendo para que a marcha de 15 de março dê certo para os lados de Jair Bolsonaro. Moradores das regiões que se transformaram em palco de grandes tragédias até hoje reclamam, pelo menos, de uma palavra de apoio do presidente. No Rio, por sinal, ele passou feriados de final de ano e no Guarujá esteve nos dias do Carnaval com toda a família. Ou seja: é bom para dolce far niente, mas não é bom para a solidariedade. Bolsonaro só viu as tragédias pela televisão.

DANDO TCHAU

O apresentador do Brasil Urgente José Luiz Datena voltará as rádios. Na próxima segunda-feira (16) estreia no programa 90 minutos. O programa terá opinião, análise e debates sobre todos os assuntos e irá ao ar as 10h pela Rádio Bandeirantes FM 90,9. O que significa que ele está dando um tchau as possíveis chances de concorrer à prefeitura de São Paulo..

Questão de fé

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos deverá assumir as ações voltadas à juventude e ao idoso, hoje na Pasta da Cidadania. Esta, por sua vez, encamparia todos os programas do governo de apoio à população de rua. A mudança é sob medida para o novo secretário do Desenvolvimento Social da Cidadania, Sérgio Queiroz, pastor evangélico que se especializou no atendimento aos sem-teto

CAUSA PRÓPRIA

Ao saber que Bolsonaro estaria presente, nesses dias, no lançamento da 2ª fase do programa Abrace Marajó, em Brasília, o governador Helder Barbalho encomendou correndo de seus assessores uma solenidade à parte. Antecipou anúncio do decreto isentando de ICMS empresas que se instalarem na Ilha de Marajó, só para evitar que o presidente capitalizasse a medida.

Charlatão

Aproveitando a trágica novela da entrevista da trans Suzy por Dráuzio Varella, o “Doutor Sabe Tudo” da Globo, ao qual restou apenas pedir desculpas à família do menor assassinado pelo marginal e aos telespectadores (a emissora faz o mesmo), olavistas estão postando nas redes sociais um antigo vídeo de Olavo contra o médico. Data de 2011 e nele, o guru da família Bolsonaro chama Varella de “idiota”, “inepto”, “semianalfabeto” e “charlatão”.

Com o Papa

O Itamaraty articula uma visita da ministra Damares Alves ao Papa Francisco, no Vaticano. É mais provável que a audiência ocorra no mês de maio, embora a nova situação determinada pelo governo por conta do coronavírus possa modificar qualquer agenda. Damares pretende apresentar ao pontífice resultados dos programas sociais no combate à violência contra crianças e adolescentes. O importante será o simbolismo do encontro, por causa da identificação do governo com as igrejas evangélicas. 

CAMPEONATO

Nas últimas semanas, os irmãos Flávio, Carlos e Eduardo Bolsonaro perderam terreno no Instagram para dois ministros: Sérgio Moro e Regina Duarte. A secretária da Cultura passou Carlos em seguidores e colou em Flávio: ele com 2,26 milhões, ela com 2,25 milhões. Eduardo tem 2,9 milhões. Já Moro gera mais interações que Flávio e Carlos – fica só atrás de Eduardo. Posts de Moro desde janeiro geraram 8,3 milhões de reações; os de Eduardo, 11 milhões.

MISTURA FINA

  • JAIR Bolsonaro está usando uma tática militar para tentar descobrir quais de seus auxiliares está vazando informações de bastidores a jornalistas. Tem testado ministros e assessores dos quais desconfia. Detalhe: muitos já reconhecem quando o Chefe do Governo está tentando farejar alguma coisa.
  • A ESCALADA do dólar tem feito estragos em viagens internacionais e em que depende de produtos importados, ao se aproximar de R$ 5. Só que a situação está longe do nível alcançado em 2002 com a iminente vitória de Lula nas eleições presidenciais. A cotação de R$ 4 da época, motivando a “Carta aos Brasileiros”, equivaleria a R$ 11,14 atualmente, aplicada a correção do IPCA dos últimos 18 anos.
  • A ALIANÇA pelo Brasil só conseguiu validar 267 assinaturas em todo o Nordeste. Em seis dos nove estados da região. Nenhuma assinatura foi validade pelo TSE: Ceará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. O levantamento é de Época.
  • FAKE news são investigadas pela CPI e pelo STF, em inquérito inconstitucional conduzido pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo. Há quem aposte que mais cedo do que se espera empresários financiadores de redes de fake news serão denunciados publicamente.
  • ENQUANTO o Congresso avança na reforma tributária com a criação de uma comissão mista, o grupo de trabalho do Ministério da Economia, que deveria estudar o tema, não se reúne há três meses, não divulgou nenhum documento e perdeu o prazo para apresentar o relatório final. Mais: apesar de vender a ideia das reformas, até agora, o governo não moveu uma palha para encaminhamento delas ao Congresso Nacional.
  • ABRAHAM Weintraub, que resiste no Ministério da Educação por conta de Olavo de Carvalho, está criticando proposta de um deputado da oposição de distribuição gratuita de absorventes femininos em escolas e postos de saúde. Ironiza e diz que vem aí o “Chicobrás”.
  • E NEM poderia ser diferente, Gleisi Hoffmann, atacou novamente o governo Bolsonaro após a queda do preço do petróleo. “Crise com o preço do petróleo mostra a necessidade de ter uma Petrobras do Brasil. Uma empresa que regule preços e estoques, produza combustíveis aqui, que nos proteja diante das oscilações e especulações. Governo Bolsonaro fragiliza Petrobras ao reduzi-la a produtora de óleo cru”.

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.