Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“O Brasil não merece o que o Sr. Rodrigo Maia está fazendo com o Brasil. Não estou rompendo com o Parlamento, não. O tipo de diálogo dele não vai ter comigo, não”

Jair Bolsonaro, achando que Maia “conspira para derrubá-lo do governo”
20/04/2020 01:00 - Giba Um


“O Brasil não merece o que o Sr. Rodrigo Maia está fazendo com o Brasil. Não estou rompendo com o Parlamento, não. O tipo de diálogo dele não vai ter comigo, não”.

de JAIR BOLSONARO // achando que Maia “conspira para derrubá-lo do governo”.

 

O Ministério da Saúde divulgou comunicado no qual relata ter comprado, entre janeiro e março, três milhões de kits para testes junto à Fiocruz, mas “apenas” 105 mil foram entregues.  

Mais:  é o Ministério da Saúde empurrando para Fundação, subordinada à própria Pasta, a responsabilidade pelo atraso na realização dos testes do Covid-19 no Brasil.

 
 

Álbum adiado

Por causa do coronavírus a cantora Rihanna, 32 anos, adiou os planos do lançamento de um novo álbum que estava batizado como R9. Apesar de trabalhar arduamente neste projeto ela diz que agora é hora de salvar o mundo. Capa da Vogue britânica ela revelou o futuro álbum será diferente. “Eu não quero que meus álbuns pareçam temáticos. Não há regras. Não há um formato. É apenas música boa, e eu sinto isso, estou pondo isso para fora”. Ela também falou do seu lado empresária do mundo da moda, em parceria com algumas marcas, entre elas Fenty e Puma. E falou que parece uma nômade para se inspirar no mundo dos negócios: Londres, onde se sente mais criativa; Paris, mais fashion; Barbados, onde está mais próxima da família; e México, onde está mais relaxada. E no final brinca: “Talvez você fosse mexicana em uma vida passada?”, revelando que adora tequila.

Plano de Conspiração

Jair Bolsonaro é vaidoso, gosta de ser adulado e quem não faz isso é contra o governo, mesmo que faça parte de seu ministério. Ou é mais do que isso: pode estar  envolvido numa conspiração que trama sua queda da Presidência. Agora, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, é o “conspirador” da vez. Não há nada de efetivamente registrado ou sequer planejado nesse sentido, mas Bolsonaro “acha que a conspiração está em marcha” e ataca Rodrigo. O parlamentar responde: “Ele nos ataca com pedras. O parlamento devolve com flores”. Malgrado a ironia da resposta, Rodrigo está disposto mesmo a estabelecer uma calmaria “se não, o país não anda”. A demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde deu um certo gás ao super poder que Bolsonaro acha que tem, mesmo isolado por partidos e alianças. Ele pode bater no peito e repetir: “O presidente sou eu, pô!”. Nessa nova “conspiração”, o Chefe do Governo se bandeia para os lados de Davi Alcolumbre, presidente do Senado, que tem atuado sempre  ligado a Maia. Aos demais líderes que procurou para falar da “conspiração”,  não apresentou nenhuma prova – ou mesmo indício – do movimento.

 
 

Das passarelas para medicina

A ex-modelo Ana Cláudia Michels, 38 anos, trocou as passarelas e capas de revistas pela medicina (formada no ano passado). E revela como está sendo lidar com o coronavírus. “Estou sempre em contato com meus colegas de faculdade que estão nos hospitais fazendo suas especializações. O clima é de medo e de incertezas, mas ainda assim ninguém sequer pensa em deixar de ir trabalhar”. E completa: “Acredito que em algum momento todos teremos nos infectado, já que esse vírus é extremamente contagioso. Mas se isso ocorrer gradualmente, o sistema de saúde terá condições de atender os casos que precisam de hospitalização. A pandemia da Covid-19 chegou e tocou todas as áreas de nossas vidas, não só a saúde. Acredito que superaremos esta crise, mas algumas mudanças ficarão para sempre”.

Implante

O presidente do Supremo, Dias Toffoli resolveu tirar a barba. E agora pensa em se submeter a uma cirurgia de implante capilar na parte superior da cabeça e um pouco atrás. E deverá fazer o implante com o médico pernambucano Fernando Basto, que “encheu a cabeça de José Dirceu de cabelos”. Ele trabalhou como o ex-ministro antes mesmo do primeiro mandato de Lula (depois, foi subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil).

 

In – Doces caseiros

Out – Doces industrializados

 
 

Desafio

O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, já teve experiências empresariais ligadas à oncologia, é considerado um “economista da saúde” e seu grande desafio, de cara, é atravessar a pandemia, com o qual pouco trabalhou. Ele é doutor em Ciências da Saúde e Economia da Saúde pela Universidade de York, do Reino Unido. Ligia Bahia, professora de pós-graduação em Saúde Coletiva da UFRJ diz que “ele é uma pessoa focada na gestão da saúde”, mas enfrentará a inexperiência do SUS. E compara a situação do ministro à do timoneiro  do Titanic ao se aproximar do iceberg.

Grande festa

333 Circula uma ideia no Palácio do Planalto – nascida na Secretaria de Comunicação – e de, quando chegar a hora, celebrar a queda excessiva das infecções com grande festa nacional. Jair Bolsonaro seria a estrela da celebração, tratada como uma vitória do governo contra o vírus. O que pega na proposta é o efeito Mandetta porque seria impossível conter a saudações das multidões ao ainda ministro da Saúde. Mais: o respeito aos mortos deve ser lembrado. E o pior de tudo: ninguém tem a menor ideia de quando essa festa possa acontecer.

GUERRA INTERNA

O general Augusto Heleno (GSI) ficou irritado com o episódio da conversa entre Onyx Lorenzoni e Osmar Terra, que deixou o celular ligado, permitindo que um repórter da CNN ouvisse toda a conspiração contra Mandetta. Heleno subiu nas botas, dizendo que se a praxe do governo é essa, dispensa oposição. E disse que dessa maneira, ele, o GSI, a Abin e demais órgãos que trabalham com inteligência “passam a ser bobos da corte”.  Ele não acredita que foi tudo proposital.

Muita calma

O DEM não quer que Luiz Henrique Mandetta se transforme em opositor número 1 de Bolsonaro – e não apenas nas questões de saúde. O partido acha que ele saiu por cima (aplaudido por funcionários) e poderá ser um homem forte da legenda em quaisquer novas situações nacionais. Não pode agora ficar “fazendo picuinha” contra Jair e seus descontroles. Pode ser um nome forte nos próximos embates eleitorais. E também Ronaldo Caiado, de Goiás, defende essa postura.

AVERSÃO

333 A MP 932 foi criada pelo ministro Paulo Guedes, que nunca escondeu sua verdadeira aversão pelo Sistema S, a pretexto de “desonerar” a folha de pagamento. No caso do Sesc nacional, a MP dispensa mais de 600 mil empresas de todo o país de pagar contribuições de R$ 300 mensais, em média. A medida provisória (poderá ser derrubada) afeta entidades e programas, inclusive de segurança alimentar, que seriam muito uteis no combate à pandemia.

Outra quarentena

CNI, Fiesp e outras entidades do setor industrial pressionam o Ministério da Economia a voltar atrás na decisão de paralisar as consultas públicas para adesão de ex-tarifário. É o regime tributário que permite às indústrias obterem redução do imposto de importação sobre máquinas e equipamentos sem produção nacional. Quem comprar maquinários lá fora, terá de pagar 14% da alíquota plena. O Ministério da Economia diz que atendeu solicitação da Abimaq. As consultas públicas estão suspensas por causa da pandemia, mas o setor diz que os fabricantes nacionais criaram uma “quarentena de mercado”.

Vale tudo

Grande parte dos empresários brasileiros aderiram à campanha #fiqueemcasa, e novas peças publicitárias  estão sendo criadas com base nisso. São campanhas bonitas que frisa a importância da saúde, em primeiro lugar. E as ideias são as mais fantásticas. Uma delas vem de uma rede de comida chinesa que ao distribuem os famosos biscoitos da sorte, entregues como brindes nas compras de comidas com frases como “Higienize suas mãos”, em vez das tradicionais frases de sorte.

CONFORTÁVEL

Crítico das sessões virtuais de julgamento, o ministro Marco Aurélio Mello, chamou a atenção na terça-feira (14) ao participar da primeira sessão colegiada da 1ª Turma do STF, realizada em vídeo conferência. Motivo: a indumentária. Ele destoou dos colegas (todos de toga), usando um polo branca. “Estamos em casa, não há por que fazer uso da capa. Não há nada na liturgia que determinou que seja assim”. E mais: “Passo os dias de camisa polo, calça jeans e tênis, é mais confortável”.

MISTURA FINA

  • NELSON Teich trabalhou na campanha de Bolsonaro e até chegou a fazer parte da equipe do Ministério da Saúde. Desde aquela época, sonhava em ser escolhido para o cargo de Mandetta. Ele chega disposto a agradar e já prometeu “alinhamento completo” com Bolsonaro. Contudo, ainda não ficou claro se ele negará a ciência e sabotará as medidas de distanciamento.
  • O GOVERNO de Wilson Witzel (ele está em isolamento) vai instalar um hospital de campanha no Parque Olímpico, na Zona Oeste do Rio. Trata-se de um dos imóveis disponibilizados pelo Ministério da Economia para essa finalidade. O governo do Rio já havia solicitado a área para abertura de um hospital temporário.
  • TRÊS estados preocupam Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde. Aliados de Bolsonaro, os governadores de Mato Grosso, Mauro Mendes, de Roraima, Antônio Denarium, e de Rondônia, Marcos Rocha, tem sinalizado ao Planalto a disposição de antecipar o relaxamento das normas de quarentena para a segunda semana de abril. É exatamente o momento em que as projeções indicam uma disparada na curva de contaminação do vírus.
  • NA metade da semana passada, Mandetta quase não acreditou quando o general Braga Netto, da Casa Civil, hoje um “interventor soft”, lhe comunicou que estava demitido. Para demonstrar desapego ao posto, o então ministro se ofereceu para ficar no cargo até a definição do substituto, que ainda não estava escolhido. Havia um verdadeiro festival de nomes e Osmar Terra sonhava em ser pule de dez. E não foi.
  • BOLSONARO se despediu de Mandetta numa manobra. Esperou começar a entrevista do ex-ministro da Saúde para apresentar o novo ministro Nelson Teich, no Planalto. Esvaziou a coletiva de Mandetta. A coletiva de Maia é sempre na hora do almoço porque não há concorrência. Desta vez, começou às 16h45, também ofuscada pelo anúncio do novo ministro.
  • ATÉ com decreto de recomendação, o prefeito Bruno Covas, de São Paulo, está empenhado numa campanha pró-máscaras. Quer que os paulistanos não saiam às ruas sem máscaras e, se puderem, trabalhem em home office devidamente protegidos. Covas acha que máscaras tem uma espécie de poder de vacinação na ordem de 60%.
  • Devido ao feriado de Tiradentes (21) nossa coluna não irá ser publicada, voltando normalmente na quarta-feira, dia 22.

(Colaboração: Paula Rodrigues)

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.