Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“Por que todo cearense tem cabeça grande?”

Jair Bolsonaro, em tom jocoso, enquanto a greve dos policiais provocaria 170 homicídios
27/02/2020 05:00 - Giba Um


“Por que todo cearense tem cabeça grande?”

de JAIR BOLSONARO // em tom jocoso, enquanto a greve dos policiais provocaria 170 homicídios.  

 

Pesquisa feita pelo site de corridas Strava com 25 mil atletas em nove países, mostra que os brasileiros (22%) são os que mais correm para melhorar a saúde e 5% para controlar a ansiedade.

Mais: nos EUA, somente 2% dos entrevistados dizem que correm pela saúde. Os americanos (48%) querem ter mais força e os japoneses (15%) procuram reduzir o estresse.

 
 

Abra suas asas

Com o tema “Abra suas asas” o tradicional baile de carnaval do hotel Copacabana Palace entrou no clima no sábado (22). Camila Queiroz (primeira foto à esquerda) foi a rainha do baile. Ela garante que é uma experiência única e que nunca irá esquecer. Celebrando a diversidade, a festa contou com show de Sergio Loroza, Cordão da Bola Preta e Dj Papaga. Glamour Garcia, agora solteira, chamou a atenção com um vestido todo transparente. Quem também esteve por lá, entre tantas celebridades, da segunda foto à esquerda para a direita, estavam Vitória Strada que desfilava ao lado da namorada Marcella Rica, Carol Marra e as veteranas Magda Cotrofe e Terezinha Sodré.

Contra o Congresso

Agora, Jair Bolsonaro distribuiu vídeo, via sistema de robôs usado na campanha, convocando a população para manifestação a seu favor, dia 15 de março. Foi marcada pelo pessoal da extrema-direita e prega bandeiras autoritárias contrárias ao Congresso. O vídeo manda a população “tomar de volta o Brasil”. Antes, no Guarujá, ele fez testes de rua para avaliar sua popularidade. Selfies, abraços, nenhuma grande manifestação e um batalhão de agentes a distância. O vídeo tem provocado repúdio por suas propostas extremistas e inconstitucionais. À certa altura, Jair Bolsonaro pede “Deixem-me governar o Brasil”. O foco básico da manifestação é derrubar Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, presidentes da Câmara e do Senado e ganhou inspiração polêmica envolvendo o general Augusto Heleno que, na semana passada, xingou o Congresso e chamou parlamentares de chantagistas. Mais: entre a caserna e o governo, os militares estão divididos. Alguns tiveram fotos estampadas em material panfletário e reclamaram dizendo que não autorizaram o uso de suas imagens. 

 
 

Ideia fixa

A cantora Anitta, sempre criativa, foi campeã deste carnaval, num quesito especial: em todas suas apresentações pelo país usou fantasias de bichos de várias espécies. E foi exibindo nas redes sociais ao mesmo tempo todas suas mudanças de roupas. Foi de cavalo marinho, cobra, abelha, panda, lagarto, entre Salvador e Recife, zebra (num baile em Guarapari) até sapa (num evento carnavalesco no Jockey Clube de São Paulo). E em todas as fantasias, a generosidade de Anitta era quase uma ideia fixa: todas tinham fio dental.

“Velho”

Na posse da presidente do TST, Cristina Peduzzi, depois que Augusto Heleno chamou parlamentares de chantagistas, Jair Bolsonaro encontrou Rodrigo Maia, presidente da Câmara, que não havia detonado o general e tentou apagar o fogo. E pediu a Maia: “Não bate nele, o Heleno está velho. Esquece ele”. Aí, disse que havia dado uma enquadrada no general Heleno, o que o homem do GSI andou dizendo que não era bem assim: “É muito difícil me dar uma enquadrada”.

 
 

“Irresponsável”

333 O general Santos Cruz, ex-secretário do Governo, chamou a manifestação de “irresponsável”, especialmente por usar as imagens dos generais Hamilton Mourão, vice-presidente e do próprio Heleno Cruz, do GSI. “Estão usando de má fé, mentindo e enganando a população. Entre outra postagem, eles e mais dois generais aparecem ao lado da frase: “Os generais aguardam as ordens do povo. Fora Maia e Alcolumbre”. para muitos, um incentivo ao golpe com militares fechando o Congresso. E Bolsonaro sonha em ser carregado nos ombros.

 

In – Cinema: Tarde para Morrer Jovem

Out – Cinema: O Homem Invisível

 

Genética

Nessas últimas ofensas à jornalista Patricia Campos Mello, petista de coração, grupo de mulheres foram à Câmara protestar contra Bolsonaro e ganharam uma banana do filho dele, deputado Eduardo Bolsonaro que, agora, à propósito, cismou de querer governar São Paulo. Na Câmara, ele autorizou o protesto com uma condição: “Podem gritar à vontade. Só raspa o sovaco porque, senão, dá um mau cheiro do caramba”. Originalmente, ele não queria dizer caramba.

VAIADO

No domingo (23), o governador Wilson Witzel, resolveu testar sua popularidade: beijou as bandeiras da Mangueira, tirou selfie ao lado de Alcione (fazia o papel de Maria, mãe de Jesus) e não adiantou – foi vaiado e saiu de fininho da pista. Mais: depois de lançar a candidatura de dois magistrados à prefeitura do Rio, Witzel lança agora Paulo Rabello de Castro como nome do PSC à sucessão de Marcelo Crivella. Muita gente acha que é manobra para fazer uma composição com Eduardo Paes (DEM) com Rabello na vice.

“Festa danada”

 No Palácio da Alvorada, tem uma servidora que já fez “uma festa danada” na Disney, como disse Paulo Guedes em sua frase sobre empregadas domésticas. Ela se chama Rainê dos Santos, desde novembro cozinheira do casal Michelle e Jair Bolsonaro que, com o filho, passou uns dias na Disney em 2014, com o dólar a R$ 2,20. Na época, era cozinheira da Paulo Marinho, que foi um dos comandantes da campanha de Bolsonaro (hoje no PSDB, aliado a João Doria) e que bancou a viagem.

DÓLAR A R$ 7

Há alguns dias, numa conversa com um pequeno grupo de interlocutores, Paulo Guedes, ministro da Economia, chamou a atenção para a sua situação; apesar de já exercer o cargo há mais de um ano, nunca providenciou um apartamento em Brasília (ganha R$ 8 mil mensais para isso) e continua instalado num hotel perto do Palácio do Alvorada. E ironizou: “Assim fica mais fácil de ir embora. E, se eu vou, o dólar vai a R$ 7”.

Um e outro

O médico Roberto Kalil Filho, diretor do Incor, desfilou num carro da Império da Casa Verde, de São Paulo, que homenageava o Líbano em seu enredo (ele é descendente). Há alguns anos, na mesma Império da Casa Verde, desfilava um bloco inteiro do Incor (na época, uma referência nacional), liderado pelo diretor geral, professor José Antônio Franchini Ramires (eleito pelos próprios médicos como o mais admirado da classe). Eram médicos, enfermeiros, outros fazendo residência, todos de branco. O enredo envolvia o coração.

Empoderada

Elza Soares, 89 anos, se apresentando no Recife, sentada depois de duas cirurgias de coluna, antes de ir para o Rio para assumir o trono de um carro alegórico e ser cantada no enredo da Mocidade Independente de Padre Miguel, ouve a plateia fazer o coro: “Ei, Bolsonaro vai tomar no ...”. E ela, na sequência: “Não adianta mandar o cara tomar aqui, tomar ali... O negócio é ir para rua”. O público (o Nordeste é uma grande reserva de Lula) vai ao delírio. No próximo dia 8 de março, em Brasília, elas vão para a rua na Marcha das Mulheres contra Bolsonaro. Cansaram de ser xingadas e humilhadas.

SÓ MULHERES

Observadores mais atentos chegaram à conclusão de que Jair Bolsonaro, antes e depois de chegar ao governo, não agrediu nenhum homem, por gesto ou palavra: só mulheres. De Maria do Rosário a Patrícia Campos Mello, seu alvo favorito é a mulher, incluindo-se a primeira-dama da França, Brigitte Macron e a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet. Quando o emporcalhado Jean Wyllys lhe deu uma cusparada, não reagiu. Alguém pode ter dito que foi um gesto de tolerância – mas tolerância não é seu forte.

MISTURA FINA

  • POR conta da investida do senador Cid Gomes contra grevistas em Fortaleza guiando uma escavadeira, Carlos Bolsonaro postou que se tratava de “um pessoal de raiz nervosa e lambedor de beiço do Ceará”. Ciro Gomes retrucou dizendo que ele é “uma libélula deslumbrada” e que “nós aqui do Ceará somos e seremos o pior pesadelo de sua família de canalhas, milicianos e peculatários corruptos”.
  • DE um lado, Jair Bolsonaro, mesmo liberando o Exército para ajudar na greve dos policiais do Ceará ironizava a “cabeça grande” dos cearenses, seis dos nove governadores do Nordeste não toparam escola militar em seus estados – e o Ceará foi o primeiro a aceitar.
  • O JUIZ Marcelo Bretas, que ficou com uma certa imagem de “Sérgio Moro do Rio”, está avisando amigos e inimigos que não é candidato a cargo eletivo algum. Ele quer mesmo é se transformar no candidato “terrivelmente evangélico” sonhado por Bolsonaro para uma das vagas do Supremo.
  • LUIZA Brunet – quem diria – musa sensual durante décadas no Brasil, hoje com 57 anos, falará dia 11 de março na 64ª sessão da comissão sobre a mulher (CSW), em Nova York, da ONU, sobre sua “contribuição no enfrentamento da violência doméstica no Brasil”. Ela foi agredida fisicamente pelo ex-marido o bilionário Lírio Parisotto, num episódio de grande repercussão.
  • JAIR Bolsonaro convidou Paulo Skaf para participar de uma de suas lives das quintas-feiras. Até agora, o único empresário apareceu lá: Luciano Hang. Ao que tudo indica, ele continuará sendo o único. Skaf vai empurrando com a barriga.
  • UMA das coisas mais divertidas do humorístico Fora de hora, na Globo, ainda um pouco à deriva, é ver Marcelo Adnet imitar Jair Bolsonaro. Até Bolsonaro já viu – e deu risada.
  • NUM carnaval repleto de blocos onde as mulheres capricharam no Não é não, os marmanjos foram à luta com novas alternativas para tentar chamar a atenção de seus alvos. Camisetas com QR Code e endereços das redes sociais apareceriam entre São Paulo e Rio (criadas pela grife Reserva) e carimbos também eram usados – sob licença – com nome, profissão e celular, claro.

(Colaboração: Paula Rodrigues)

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!