Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“Precisamos de resultados, todos têm dado o recado”,

de IGNÁCIO YBAÑEZ RUBIO // embaixador da União Europeia, cobrando do Brasil compromisso com a sustentabilidade.
18/09/2020 05:00 - Giba Um


Precisamos de resultados, todos têm dado o recado”, de IGNÁCIO YBAÑEZ RUBIO // embaixador da União Europeia, cobrando do Brasil compromisso com a sustentabilidade.

O Tribunal de Contas da União está passando um pente fino nas cartilhas, anúncios publicitários e postagens em redes sociais feitos por municípios a pretexto de divulgar ações de combate ao Covid-19. 

Mais: o TCU investiga denúncias de que há prefeitos candidatos à reeleição se aproveitando de recursos repassados pela União para produzir propaganda política travestida de informes da área de saúde.

In – Salada mediterrânea de gorgonzola

Out – Salada de Outono (verdes e shitake)

 
 

Revolução pessoal

A cantora Negra Li, que acaba de completar 41 anos está na capa da revista Joyce Pascowitch. Em entrevista ela conta que está em processo de revolução pessoal, que inclui disco novo e aulas de pompoarismo. 

A rapper que começou aos 16 anos garante que sua grande inspiração é a mãe, que fez magistério depois dos 40 e se formou em Pedagogia aos 50. 

Ela disse que estava pronta para parar, mas os fãs e amigos reacenderam a chama que estava dentro ela e descobriu uma nova mulher escondida.

Não é muito adepta as lives, mas diz que essa quarentena está sendo produtiva. “A quarentena está sendo importante porque voltei a compor, eu não estava fazendo isso, não tinha tempo, era engolida pelos afazeres. 

Quando a gente para, observa mais, consegue refletir melhor sobre tudo o que está acontecendo e as coisas vêm. Você quer falar, colocar para fora, isso está sendo muito bom”. 

Negra é mãe de Sofia de 11 anos, e Noah de 3 anos e no ano passado se separou de Júnior Drea após 11 anos de casada.

Índio na prisão

O Conselho Nacional da Política Criminal e Penitenciária, do Ministério da Justiça vai abordar, em sua próxima reunião de 8 de novembro, regras legais para a prisão de um índio. 

ONGs ligadas à causa indígena cobram que o Conselho determine a presença obrigatória de um funcionário da Funai e de um intérprete no momento da detenção. 

Exigem também que a justiça aplique com rigor a lei nº 6.001/73, segundo a qual penas de reclusão e detenção serão cumpridas, se possível, em regime especial de semiliberdade, no local do funcionamento do órgão federal de assistência aos índios mais próximos da habitação do condenado. 

Não é exatamente o que tem ocorrido na maioria dos casos. O tema ganha agora maior relevância devido à recente morte do indigenista Rieli Franciscato, atingido por uma flecha no tórax, supostamente lançada por índios isolados em Seringueiras, em Rondônia.

 
 

No mundo dos Cosméticos

A blogueira e influenciadora digital Camila Coutinho, dispensa apresentações, já atacou de modelo, inclusive pode ser vista na campanha do tênis Float Fly da Fila, agora mergulha no mundo dos cosméticos. 

No começo do mês lançou uma coleção de produtos para os cabelos (shampoos, máscaras, finalizadores) que batizou de GE beauty. “GE Beauty é um projeto que, pra mim, não simboliza só́ mais uma marca nova no mercado de beleza, e sim uma vontade gigante de falar com mais carinho e clareza sobre a maneira que nós nos enxergamos na frente do espelho. Sem modelos prontos, sem padrões preestabelecidos e sem regras. Vontade que transbordou dos posts do @garotasestupidas e depois de 2 anos de muito trabalho liderando uma equipe pequena, mas incrivelmente dedicada!”.

Balão de ensaio

Deixando as conjecturas de lado, a cena prática do imbróglio da Renda Brasil indica que, com um pouco de tempo, o secretário especial da Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, que veiculou a possibilidade de congelamento de aposentadorias, vai voar. 

Talvez ganhe um posto em alguma estatal. Bolsonaro não tolera medidas que ponha em risco sua popularidade. Tirar Waldery do poder agora significaria, contudo, um ataque a Guedes que tem se mostrado especialista em lançar balões de ensaio de projetos em andamento.

 
 

Também ela

Nem Michelle Bolsonaro escapou dos cortes orçamentários. O programa Criança Feliz, simbolicamente coordenado pela primeira-dama perdeu cerca de R$ 100 milhões em verbas com os mais recentes ajustes no Orçamento feitos pela equipe econômica. 

Já faltam recursos até para bancar as visitas das assistentes sociais a gestantes e crianças inscritas no programa.

Fator Marco Aurélio

Os principais escritórios de advocacia envolvidos com a Lava Jato monitoram os próximos movimentos no tabuleiro do STF. 

Há um torcida para que o ministro Marco Aurélio Mello seja estimulado por alguns de seus pares para se transferir da Primeira para a Segunda Turma, no lugar de Celso de Mello, que se aposenta em novembro. 

Aurélio é o mais antigo da Primeira Turma, que lhe dá o direito de pedir migração. Em tese, ajudaria a diluir a ala punitiva da Segunda Turma, formada por Edson Fachin e Cármen Lúcia. E se juntaria a Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, como ele considerados de perfil garantista.

PESO

Se continuarem a avançar as queimadas no Pantanal, as pressões do setor econômico – da parte do agronegócio – sobre Bolsonaro se elevarão. 

E aí surge a difícil escolha: dobra a aposta no ministro Ricardo Salles, que executa uma agenda para o próprio presidente, ou rifá-lo, abrindo espaço para um ministro low profile, mesmo que muito afinado com o Planalto, como aconteceu na Educação.

De onde tirar

As discussões sobre a “nova CPMF” e a Reforma Tributária têm muita semelhança com a novela da Renda Brasil: sem o novo imposto o Ministério da Economia não tem de onde tirar verbas para bancar reduções de tributos sobre a folha de pagamentos, proposta de Guedes. 

Se a questão for enterrada, o programa do ministro sofre novo esvaziamento. O presidente precisa de uma marca social e os militares são os primeiros a influenciá-lo sobre isso.

O LÍDER TAMBÉM

O líder do governo Bolsonaro na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) foi alvo de uma operação do Ministério Público do Paraná com apoio da Polícia Civil. 

Os policiais cumpriram mandado de busca e apreensão em um escritório ligado ao parlamentar em Maringá. Os investigadores apuram um esquema de corrupção quando Barros era secretário do governo paranaense, na gestão do tucano Beto Richa. Barros disse a Bolsonaro que é inocente.

Bolso vs. Doria

Agora, nada de “Bolsodoria”, usada na eleição governamental por João Doria: para 2022, é “Bolso vs. Doria”, ideia que encanta o presidente porque se sente traído pelo governador paulista. 

O candidato Celso Russomano não teve dificuldade em obter as benções do presidente na disputa a prefeitura paulistana, fazendo o PTB Bolsonarista crava Marcos Costa como vice. Russomano é a mais séria ameaça à reeleição de Bruno Covas e desta vez, ele quer deixar para trás a reputação de “cavalo paraguaio”.

Molusco

O ex-presidente Lula, que estava sumido da mídia, resolveu atacar o presidente Jair Bolsonaro e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles por causa do incêndio que consome grande parte do Pantanal. 

Sobre Salles, o petista declarou: “É um cidadão descaracterizado de caráter e que não tem respeito pela natureza”. Até agora Bolsonaro não se manifestou, já Salles tuitou: “Molusco fica na sua”, e ainda acrescentou que a falta de recurso para investimentos de combate ao incêndio era culpa dos governos petistas que haviam roubado o Brasil.

MERITOCRACIA

Paulo Guedes quer submeter servidores públicos federais à lógica da meritocracia. Em novembro de 1998, FHC enviou ao Congresso o PLP nº 248, disciplinando “a perda de cargo público por insuficiência do desempenho do servidor estatal”. 

A matéria foi aprovada na Câmara em 1999 e no início de 2000, passou também pelo Senado. Como os senadores propuseram modificações, o texto retornou à Câmara, onde tramitou ao longo das duas últimas décadas. Já está aprovada pelas comissões e aguarda apenas a votação do plenário para ir à sanção presidencial.

MISTURA FINA

  • A NOMEAÇÃO do olavista Felipe Cruz Pedro como secretário de comunicação institucional ao governo não teria passado pelo crivo do ministro das Comunicações, Fábio Faria. O lado constrangedor é que Pedro ficará embaixo de Faria no Ministério. Ou, quem sabe, do lado.
  • EX-partido do presidente, o PSL vai receber quase R$ 200 milhões do fundo eleitoral para a campanha deste ano. Em 2016, sem esse fundão indecoroso, o PSL foi o 19º partido a eleger prefeitos: 30 em 5,5 mil.
  • O SITE Cidadania, do Senado, alegou “manutenção” e tirou do ar enquete onde 99% de 9 mil pessoas rejeitavam a reeleição de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre. Mas todas as demais seções do site funcionam normalmente.
  • A “ORIENTAÇÃO” de Jair Bolsonaro para que seus ministros “não se metam” na eleição tem um destinatário principal: Marcelo Álvaro Antônio, titular do Turismo. Em 2018, Marcelo “se meteu” no pleito e carrega até hoje a acusação de comandar um esquema de candidatura “laranjas” no PSL.
  • POLÍTICAS de transferências de renda como Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada e mesmo o Regime Geral de Previdência Social tem efeitos positivos para redução de desigualdade social no Brasil. mas o grande espaço para melhoria desse indicador está no uso da tributação direta sobre a renda e o patrimônio, que hoje contribui mais para a concentração. São dados da POF – Pesquisa do Orçamento Familiar do IBGE
  • OS leilões da frequência 5G só podem ser a entrada da China Telecom no Brasil. Uma das três maiores operadoras de telefonia do mercado chinês, a empresa viria a reboque da Huawei, forte candidata ao fornecimento de tecnologia para o 5G brasileiro. A China Telecom soma mais de 200 milhões de clientes, sendo aproximadamente 40 milhões deles na nova frequência.
  • RACHEL Sheherazade deverá mesmo deixar o SBT em outubro. Ela vinha se mantendo quieta até que resolveu contar que foi “Luciano Hang quem pediu minha cabeça” e Silvio Santos concordou. “Ele é amigo de Bolsonaro e grande anunciante do SBT”. Hang está contente com o afastamento da apresentadora e manda ela “procurar emprego em Cuba”.

Felpuda


Entre sussurros, nos bastidores políticos mais fechados, os comentários são que história apregoada por aí teria sido construída para encobrir o que realmente foi engendrado em conversa que resultou em negociata. 

O script foi na base do “você finge que é assim, e nós fingimos que acreditamos”. 

Batido o martelo, a encenação prosseguiu e, conforme o combinado, deverão ser apresentados novos episódios.

Ah, o poder!