Clique aqui e veja as últimas notícias!

GIBA UM

“Se você virar um jacaré, o problema é seu, pô!”

de JAIR BOLSONARO // dizendo que as vacinas provocam sequelas e não vão se responsabilizar.
21/12/2020 05:00 - Giba Um


Até agora, em 2020, foram 1.372.522 mortes de quase todas as naturezas (acidentes, doenças, assassinatos e outras) segundo a Transparência do Registro Civil de Cartórios. Quase 184 mil (13%) faleceram da covid-19. 

Mais: o número de óbitos com suspeitas ou confirmação de infecção por covid ainda não chegou ao total de mortes provocadas (187,5 mil), por pneumonia, no mesmo período em 2019, segundo os cartórios de registro civil.

In – Jeans com lavagem clara

Out – Jeans com lavagem escuro

 
 

De olho no futuro

A apresentadora Xuxa Meneghel, 57 anos, de saída da Record está na capa da revista JP. Em entrevista ela conta que tem planos bem diferentes para o futuro. 

“Tudo tem começo, meio e fim. É totalmente natural meu trabalho estar diminuindo e eu querendo me afastar disso tudo. É uma escolha muito adequada para a minha idade e por tudo o que vivi. Ninguém pode querer estar no topo a vida toda, é insano, não existe, a pessoa que procura isso acaba se matando”. 

Mais: com o lançamento de sua biografia tem muita gente lhe procurando para uma série de trabalhos. O que é certo que ela está também produzindo um filme sobre sua vida. Mais: confessou que foi reinventando sua vida aos poucos, primeiro com o nascimento de sua filha, e agora com a bandeira do veganismo. 

E quase no final confessou uma mania: “Antes de comer, tenho que cheirar a comida, é mais forte do que eu, parece coisa de bicho. Tenho uma relação forte com cheiro”.

“Game over”

O presidente Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes estão irritados com a decisão da Sony de encerrar sua produção no Brasil, com o fechamento da fábrica de TVs e equipamentos de áudio em Manaus. 

E já estuda uma reação na redução do IPI para aparelhos de vídeo games, anunciada em outubro. A decisão foi tomada pela expectativa de que a Sony iniciasse a produção do console Playstation 5 no Brasil. 

A companhia não se manifestou e, ao contrário, desativou uma fábrica que funcionava há 48 anos e demitiu 200 trabalhadores. 

Mais: o setor de jogos eletrônicos, guardadas as devidas proporções, virou uma “menina dos olhos” de Bolsonaro por causa do “04”, Jair Renan, que funciona como um lobista doméstico, assim como a indústria de armas com o Eduardo Bolsonaro. Ele tem atuado como lobista como uma espécie de secretário informal do governo no setor. Em Brasília, a própria redução de tributação de vídeo games e acessórios é atribuída a um pedido de Jair Renan.

 
 

Grande vencedora

Jojo Todynho, 23 anos, que entrou como uma das favoritas foi a grande vencedora do reality-show A Fazenda. Nem ela mesmo esperava a vitória. 

Com recorde de votação ela leva o prêmio de R$ 1,5 milhão com 52,54% dos votos. Jojo ficou conhecia com após sua música Que tiro foi este? Em 2018. Analistas dizem que Jojo levou o prêmio porque foi autêntica, brigou, mais ao mesmo lado foi carinhosa distribuindo conselhos para os “peões’. 

Um de seus desafetos dentro da casa foi Biel que ficou em segundo lugar. A funkeira revelou pretende montar um projeto para ajudar as crianças em Bangu, com balé, natação, reforço escolar, tudo que ela não teve quando era criança com parte do prêmio.

Perdeu outra

A ala militar ganhou um novo round. Bolsonaro pretende remanejar o olavista Felipe Martins para um cargo no exterior. É uma medida carregada de simbolismo.

Assessor especial do presidente para assuntos internacionais, Martins é o último discípulo de Olavo de Carvalho ainda em ação dentro do Planalto. Até o mês passado, havia outro: Henri Carrières, braço direito de Martins e genro do próprio Olavo. 

Foi escondido em algum cargo em Washington. A principal voz contrária contra Felipe Martins é do vice-presidente Hamilton Mourão. Ele tinha uma difícil relação com Martins, assim como o chefe da assessoria diplomática com o vice-presidente.

 
 

Bajulação

O novo ministro do Turismo, Gilson Machado, discursou contra as medidas de distanciamento social e também defendeu festas de réveillon com até 300 pessoas. 

“A gente tem que viver a vida, não dá para morrer por antecipação”. O sanfoneiro do Alvorada aproveitou para fazer uma serenata de bajulação.

“Bolsonaro está recuperando a estima do povo”. E mais: “Aonde o senhor vai, o povo lhe aclama”, derramou-se ao chefe.

Inflação

Analistas econômicos estão chamando a atenção para a alta de inflação acumulada em 12 meses de 6% a partir de maio do ano que vem como um dos riscos que o Banco Central terá de enfrentar para manter os índices de preços dentro das metas de 2021, de 3,75%. 

Os riscos de uma inflação acima de 6%, contudo, devem-se ao surto inflacionário que correu no fim do ano e também um efeito de descarte dos índices mais baixos registrados no começo deste ano, quando a primeira onda da pandemia provocou um tombo na inflação.

OLHO NO DÓLAR

Apesar da firme queda do dólar desde o começo de novembro, analistas que compõem o grupo que mais acerta suas projeções de câmbio ainda trabalham com um cenário de dólar forte no fim de 2020. 

Os integrantes do Top 5 de médio prazo do Boletim Focus veem o risco de um repique da moeda nas próximas semanas e se apoiam em estimativas mais conservadoras do que o resto do mercado. 

O Top 5 é formado por Itaú-Unibanco, Rodobank Brasil, LAIC, FGV e Previ que se dividem trabalhando com o dólar em R$ 5,25 durante o ano de 2021 e chegando aos R$ 5 até o fim do ano que vem.

Desculpas

“Por que tanta pressa?”, o comentário estranho do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello sobre as cobranças que recebe para definir o plano de vacinação, fez com que, no dia seguinte, ele apresentasse no ar um pedido de desculpas, de que falou em outro contexto e demais motivos sempre apresentados nessas ocasiões. 

Foi Bolsonaro que lhe recomendou pedido de desculpas imediato em meio às discussões que os dois estão tendo nesse episódio das vacinas. Há quem diga que Pazuello exibe sinais de abatimento e estresse.

SEM FÔLEGO

A proposta do CEO da Tim Brasil, Pietro Labriola, de que o leilão de 5G seja realizado apenas no terceiro trimestre de 2021, foi detonada nos bastidores pela cúpula da Claro. 

A justificativa de Labriola de que, antes da licitação o ideal é que o Cade analise a venda dos ativos de telefonia celular da OI, acabou como um conversa para inglês ver. 

Sem dó, os executivos da empresa mexicana disseram que é papo de quem não tem o mesmo fôlego dos rivais para cacifar os bilhões de investimentos no 5G.

Praga

A ministra Teresa Cristina é que vai tentar resolver por conta de uma praga que atingiu boa parte das plantações no país, produtores de banana correm o risco de perder espaço no mercado sul-americano. 

Grandes importadores da fruta, como Argentina, Chile e Uruguai, já saíram em busca de novos fornecedores para suprir a queda da safra brasileira.

Primeiros

O governador de São Paulo João Doria, convidou os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, José Sarney e Michel Temer, que pertencem ao grupo prioritário de vacinação contra a covid-19 para serem os primeiros a serem imunizados com a vacina Coronavac. 

Convite feito, convite aceito, os três ex-Chefes do Governo aceitaram tomar o imunizante. A ideia de Doria é que o trio dos ex-Chefes do Governo sejam incentivo para o povo brasileiro. 

Se por aqui três ex-presidentes aceitaram ser os primeiros vacinados pela vacina Coronavac, em São Paulo, lá nos Estados Unidos, os três últimos presidentes se ofereceram para tomar a vacina contra os coronavírus. George Bush, Bill Clinton e Barack Obama também querem encorajar os norte-americanos a tomarem a vacina. 

IGNORÂNCIA

Em meio a novo discurso dizendo que não obrigará ninguém a se vacinar contra a covid, e que as todas as vacinas têm efeitos colaterais, Jair Bolsonaro soltou outra pérola: “Eu não vou tomar a vacina. Alguns falam que eu estou dando um péssimo exemplo. Ô imbecil, ô idiota. Eu já tive o vírus e eu já tenho os anticorpos. Para que tomar vacina de novo?”.

 O que Bolsonaro não entendeu é que já existem casos de reinfecção no mundo, inclusive no Brasil.

 

MISTURA FINA

  • BOLSONARO continua com sua campanha contra a Cultura. Agora o total de incentivo fiscal de fomento à Cultura, popularmente conhecido como Lei Rouanet deve ser de cerca de R$ 600 milhões em 2021, a metade do que foi no passado. Incentivo fiscal para Coca-Cola e Ambev, bem como todas as empresas instaladas na Zona Franca de Manaus, pode.
  • JAIR Bolsonaro quer fazer uma reforma ministerial só depois da eleição para presidência da Câmara. Primeiro, os partidos da base aliada terão de demonstrar apoio maciço à candidatura de Artur Lira para só depois vir a recompensa de um ou mais ministérios. É o expresso “toma lá, dá cá”, senão não leva nada, nem cargos do terceiro escalão.
  • O MINISTÉRIO da Agricultura trabalha com a projeção de queda dos preços da carne bovina no mercado interno já a partir de janeiro. O motivo é a redução dos embarques programados para a Ásia. Ao longo de 2020, o custo médio da carne para o consumidor subiu cerca de 25%.
  • BOA parte dos 18 institutos vinculados ao Ministério da Ciência e Tecnologia vive um fim de ano incomum. Todos estão com sobras orçamentárias, que serão usadas para compra de equipamentos. Efeitos da pandemia e do home office que reduziram, por exemplo, os custos de manutenção e instalações e gastos com viagens de servidores.
  • NO julgamento em que o Supremo decidiu obrigar as pessoas (só que não) a tomar uma vacina que ainda nem está disponível, apenas o novo ministro Nunes Marques, divergiu, lembrando que a medida é aceitável só em último caso. O restante optou pela vida autoritária. 
  • A CANDIDATURA de Oto Alencar (PSD-BA) à presidência do Senado ganhou fôlego rapidamente. O responsável pelas articulações é Gilberto Kassab, presidente do partido e velha raposa na política brasileira. Ele diz já ter apoio tanto do DEM quanto do PT.
  • “É O melhor embaixador que o Brasil já teve”. É como o empresário, agora noventão, Silvio Santos costuma se referir ao genro (ele é casado com Patrícia Abravanel) e ministro das Comunicações, Fábio Faria. Muita gente do Planalto que acompanha as ações de Fábio costuma dizer a mesma coisa: ele mistura eficácia com conversa.