Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“Tem um artigo na CLT que diz que todo empresário que for obrigado a fechar o estabelecimento por decisão de um governante, os encargos trabalhistas quem paga é o governador e o prefeito”

de JAIR BOLSONARO, defendendo a reabertura dos estabelecimentos comerciais.
26/05/2020 06:00 - Giba Um


“Tem um artigo na CLT que diz que todo empresário que for obrigado a fechar o estabelecimento por decisão de um governante, os encargos trabalhistas quem paga é o governador e o prefeito”,  
de JAIR BOLSONARO //defendendo a reabertura dos estabelecimentos comerciais.

A troca de cargos na PF não foi a única interferência direta de Jair Bolsonaro na Pasta da Justiça. Ele cobrava Moro a demissão do então secretário de Operações Integradas, Rosalvo Ferreira Franco.  

Mais:  trata-se de uma área crucial do Ministério, que centraliza operações policiais conjuntas entre as forças federais, como a própria PF, e estaduais. Roslavo e delegado da PF e próximo de Moro.

 
 

A estrela que sobe

A modelo Kaia Gerber, 18 anos filha de Cindy Crawford está em ascensão no mundo fashion. Só este mês está em duas capas de Vogue, a italiana e a britânica. Mostrando que beleza é hereditário apareceu nos dois ensaios seu corpo torneado e revelou que está muito orgulhosa de sua carreira, que no começou tentou não seguir. Em isolamento social Kaia já pintou o cabelo de loiro e sofre um acidente doméstico onde fraturou o pulso. Para passar o tempo na quarentena ela gosta de fazer exercício diários com aulas com seu personal trainer por vídeo. Juntos com os pais e com o irmão gosta de jogos de tabuleiro ou cartas e escutar músicas. Kaia também adora ler e até organizou um grupo de discussão virtual para falar sobre os livros que está lendo.  

Até bula

O ex-ministro Luiz Henrique Mandetta agora diz que presenciou reunião onde médicos, por determinação de Bolsonaro, estavam estudando uma nova bula para a cloroquina, onde colocariam que o medicamento era recomendado para o tratamento do novo coronavírus. Agora, ele faz nova projeção da escalada da doença. Garante que o pico ocorrerá em julho, com um platô em agosto e uma queda a partir de setembro. Micros e pequenas empresas não resistem até lá. Nas redes, bolsonaristas postam bula de um remédio que “pode causar distúrbios cardíacos, choque anafilático (em alguns casos fatais), distúrbios de sangue e sistema linfático, anemia plástica, distúrbios vasculares, renais, urinários, gastrointestinais e de pele (Síndrome de Stevens-Johnson). E alertam que “não é a bula de hidroxicloroquina e que essa bula resumida é da Novalgina.

 
 

Sou outra pessoa

A atriz e apresentadora Fernanda Paes Leme, disse que é outra pessoa após ser uma das vítimas da Covid-19. Em entrevista revela o que sentiu. “Tive incertezas, inseguranças, senti medo. Sem dúvidas sou uma pessoa antes e depois do teste do coronavírus. Sem romantizar absolutamente nada, depois que passou me deixou aliviada, mas não tranquila. Estou muito realista em relação a tudo, não me vejo fazendo planos de absolutamente nada. Temos que viver um dia de cada vez. Acredito que estou autoimune, mas ainda é incerteza”. Ela não perdeu o bom humor postou fotos em suas redes sociais dizendo que iria tirar o aplique porque não aguentava mais e outra, mais sensual chamando as pessoas para fazerem brigadeiro.

Entre indígenas

Indígenas cobram da Funai e do Ministério da Saúde uma força-tarefa de combate a Covid-19 na Reserva de Dourados (MS). Uma das reivindicações é a instalação de um hospital de campanha na localidade. Mais populosa aldeia indígena do país, a Reserva dos Dourados é considerada um bomba-relógio: são 51 mil nativos das etnias Guarani e Kaiowá. O local contabiliza 30 casos confirmados da doença, nas ONGs do setor alertam que os números são muito mais altos.

In – Unha square
Out – Unha stiletto

 
 

Provocação

André Marinho, filho de Paulo Marinho (PSDB-RJ), que atuou como coordenador da campanha de Bolsonaro resolveu provocar e ironizar o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente.  No Instagram, ele  imitou a voz do Capitão dizendo: “Olha só, 02, eu não já mandei tu parar de espalhar fake news? Vai passear com a Pituca que é o melhor que tu fazes, tá ok? Um forte abraço!”. Integrante do Pânico, André insinuou que Carlucho seria gay.

Ainda Regina

Regina Duarte não havia se habituado ao cotidiano de Brasília. Queria ficar no comando da Secretaria da Cultura em São Paulo, o que Bolsonaro não permitiu. Ele também avaliou, interinamente, que ela não revelou “afinidade com a gestão pública” e conversou sobre tudo isso com ela que se sentiu aliviada (e ainda ganhou prêmio de consolação). Mario Frias também não tem experiência na gestão pública, mas está disposto a permanecer mais conectado com o governo.

CHAPEUZINHO

O ator Lima Duarte em entrevista a Pedro Bial, opinou sobre sua amiga e ex-secretária da Cultura, Regina Duarte. “Regina caiu quando entrou. Me lembrou a história da Chapeuzinho Vermelho. A Chapeuzinho perdida encontrou com o lobo, se abraçaram, vamos casar, não casou, vamos casar, casou. Eu estava esperando o resultado do casamento, e ele jantou ela”.  E completou: “Nunca vi nenhum ator, ou atriz, entrar para a política e dar certo”.

Valeu a pena?

O autor de novelas Walcyr Carrasco usou suas redes sociais para dar sua opinião sobre a passagem  de Regina Duarte pela Secretaria da Cultura. Em seu post ele começa: “Valeu a pena, Regina?”. Mais à frente, sentencia: “Regina manchou uma carreira de sucesso, com papéis notáveis. Destruiu sua imagem. Para que? E agora fico sabendo que a Cinemateca nem tem o cargo prometido por Bolsonaro a Regina”. E finaliza: “Dignidade Regina! Abra mão de qualquer cargo! Não tente enganar o público com essa historinha que estava com saudade da família”.

TRANSPARÊNCIA

A deputado Arthur Lira (AL), líder do PP e do Centrão garante que as conversas com Bolsonaro não têm nada de “é dando que se recebe”, nem “toma lá, dá cá”: garante que o entendimento “faz parte do processo natural lícito, transparente”. E desmente que o Centrão já indica o líder do governo na Câmara ou no Senado e, como sempre, acusa a imprensa. “Boa parte da mídia quer ver desgraça”.

Ociosidade

Claudio Lottemberg em seu livro A revolução digital da saúde afirma que levantamentos indicam que cerca de 60% das cirurgias realizadas não seriam necessárias. Estima-se que os desperdícios da saúde brasileira estejam ao redor de R$ 22 bilhões a cada ano, o que coloca o país em 51ª posição entre 56, no índice Bloomberg. Mais: outro fenômeno observado com a Covid-19, principalmente na esfera privada, é a ociosidade das unidades de emergência, que quase milagrosamente ficam vazias.

Doações

O volume de doações destinados a amenizar os impactos da pandemia da Covid-19 ultrapassaram a marca dos R$ 5 bilhões, segundo dados da Associação Brasileiras de Captadores de Recursos. A marca foi alcançada após registro de nova doação de R$ 50 milhões feita por membros das famílias  Setúbal e Vilella, controladoras do Itaú Unibanco e de outros R$ 50 milhões por parte da holding Itausa, mais pessoas físicas. O dinheiro vai para a aliança Todos pela Saúde.

MAIS FUMAÇA

Fabricantes de cigarros não têm do que se queixar, especialmente diante da quarentena com o coronavírus ameaçando mais o pulmão dos brasileiros: na primeira quinzena de maio, as vendas da indústria nacional cresceram numa média diária de 668 mil unidades mais do que no mesmo período do ano passado. O lado bom (forma de expressão) da pandemia: o isolamento social tem dificultado a entrada de cigarros contrabandeados no país.

MISTURA FINA

  • JAIR Bolsonaro fez chegar à cúpula da Associação de Shopping Centers a promessa de que, em 30 dias, o comércio estará aberto em todo país. Só não explicou como passará por cima das restrições impostas por governadores e prefeitos.
  • ROBERTO Jefferson, veterano da cena política, que foi preso por conta do mensalão, tem chamado a atenção de interlocutores pelos rasgados elogios ao vice-presidente, general Hamilton Mourão.
  • “AINDA é muito cedo para isso”. É a resposta padrão do ministro Luís Roberto Barroso, presidente eleito do TSE, quando consultado por parlamentares sobre a possibilidade de turno único na eleição deste ano.
  • OS produtores de leite bateram na porta da ministra Tereza Cristina em busca de ajuda financeira do governo. O setor está de pires na mão. Desde o início da pandemia, os preços no mercado spot caíram quase 15% em algumas regiões do país. Com estoques cheios, boa parte dos produtores está trabalhando no vermelho.
  • O PASTOR Everaldo dá mostras de que está imune à guerra entre Bolsonaro e Wilson Witzel. Criador e aliado siderúrgico do governador do Rio, o líder do PSC negocia com o Planalto, na maior, cargos no segundo escalão – e com muito êxito.
  • PREFEITOS de capitais – especialmente Bruno Covas, de São Paulo e Alexandre Kalil, de Belo Horizonte – têm subido o tom nas cobranças ao governo federal. A maioria dos grandes municípios do país alega que não está recebendo a ajuda de R$ 1,6 mil por leito prometida pelo Ministério da Saúde. As prefeituras vêm cobrindo os custos com orçamento próprio e parcerias com grupos privados.  
  • EM escutas enviadas à Procuradoria-Geral da República, o governador Wilson Witzel, do Rio é citado como “WW” e “zero um do palácio”. Desde que os auxiliares foram presos, ele se diz vítima de perseguição. Esta semana, atacou a proximidade do juiz Marcelo Bretas, que ordenou as prisões, com Jair Bolsonaro, que virou seu desafeto. “Ele já foi ao Palácio da Alvorada, anda no carro do presidente. Isso não é postura de juiz’, disse Witzel à CNN.
  • A SOCIALITE e empresária Kim Kardashian mostrou que tem mesmo faro para negócios. Em meio a pandemia, por meio de sua marca Skims comunicou que estava lançando máscara de proteção que eram vendidas por US$ 8 (cerca de R$ 45) cada uma.  No dia lançamento as máscaras esgotaram. Ela avisou que, em breve, nova remessa chegaria para atender a demanda e já tem até fila de espera.

Felpuda


Conversas muito, mas muito reservadas mesmo tratam de possível mudança, e não pelo desejo do “inquilino”.

Por enquanto, e em razão de ser um assunto melindroso, os colóquios estão sendo com base em metáforas.

Até quando, não se sabe, pois o que hoje é considerado tabu poderá se tornar assunto em rodinhas de conversas.

Como dizia o célebre Barão de Itararé: “Há mais coisas no ar, além dos aviões de carreira”. Só!