Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

“Temos 200 milhões de trouxas sendo explorados por seis bancos

de PAULO GUEDES, ministro da Economia, em videoconferência do Itaú BBA, reajeitando depois dizendo que falava sobre falta de competição.
12/05/2020 06:00 - Giba Um


“Temos 200 milhões de trouxas sendo explorados por seis bancos"
de PAULO GUEDES // ministro da Economia, em videoconferência do Itaú BBA, reajeitando depois dizendo que falava sobre falta de competição.  

Os bancos estão dificultando empréstimos para médias e grandes empresas para pagar salários, limitando a companhias até R$ 10 milhões por ano. Deverão mudar a modalidade do crédito imobiliário.  

Mais: para pequenas, grandes bancos resolveram cortar ao meio o cheque especial, sem avisar, temendo calote (é o caso do Itaú). E financiamento, só com garantias – de até suas residências.  

 
 

Maior desafio

A modelo Carol Trentini, 32 anos, está no ensaio ‘Up Close & Personal’, da revista Vogue US, uma série de origens ecléticas e nobres que passam a imagens de histórias de moda globais reunidas pelos estilistas  como Tonne Goodman e Akili King, Alex Harrington, Madeline Swanson e Naomi Elizee, entre outros. Em entrevista, ela contou com o maior desafio que está enfrentando nesta quarentena. “O maior desafio é o homeschooling (ensino doméstico). Uma coisa é educar, outra é lecionar. Tive que despertar esse lado e exercitar a paciência. Não podemos traumatizar os meninos (Bento, de 6 anos, e Benoah, de 3)”.  Ela conta também que relaxou um pouco e baixou sua guarda. “Estou com minhas rédeas soltas. Sempre fui muito controladora, mas estou seguindo o fluxo e tentando aprender pelo caminho.”

Raciocínio simples

O raciocínio é muito simples para contrariar esse mega rodízio de veículos na cidade de São Paulo com objetivo de restringir a circulação de pessoas e consequentemente, menos chance de contaminação (tema que vem sendo criticado por todos os comentaristas). Metade da frota deixa de circular por dia e cria um problema maior. Bruno Covas colocou mais mil ônibus nas ruas (e 600 de reserva) e o problema é simples: os ônibus estão superlotados com maiores chances de contaminação do que se estivem rodando em seus carros. Até agora, ninguém disse que a chance de contaminação é maior em congestionamentos. Mais: rodízio, antes era apenas nos horários de pico, agora, é para a cidade inteira e durante todo os dias, incluindo sábados, domingos e feriados, o que chega ao exagero.

 
 

Nova representante

A campeã da edição deste ano do Big Brother Brasil, Thelma Assis, tem muito que comemorar. Este promete ser seu ano, apesar de não demonstrar que quer seguir uma carreira artística, ela foi convidada e aceitou ser uma das novas representantes da L’Oréal Paris no Brasil. O convite foi feito  por uma das embaixadoras da marca no país Tais Araújo. Thelma diz que foi difícil aceitar seus cachos “Foi um ato de coragem a transição capilar. Começa com uma mudança interna até que você precisa exteriorizar isso”. Mais: a ex-sister, que tem 35 anos garante que não tem medo de envelhecer: “Tem coisas que a gente dá muita importância lá atrás e agora você ressignifica”.

Marido traído

O secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, responsável pelo metrô e pelos trens da CPTM, não foi consultado para o mega rodízio, não participou de debates e teme impacto na rede. Elementar, de novo: o metrô e os trens estarão mais do que lotados. Achar que pobre não tem carro é fechar os olhos para o que se vê, todos os dias, na cidade. Tem gente que trabalha com os carros e até me favelas se vê carros estacionados. “Não estou de acordo e não partiu de mim a decisão”, diz Baldy.

In – Inverno: caldo de batata e queijo
Out – Inverno: caldo de mandioca com carne-seca

 
 

Jet-ski

Em dia de luto decretado pelo Congresso e STF, Jair Bolsonaro vai passear  de jet-ski (com segurança atrás) no Lago Paranoá, em Brasília. Aí encontra um bardo e diz sobre a pandemia: “É uma neurose, 70% vai pegar o vírus, não tem como. É uma loucura!”. Antes, havia desmentido a realização de churrasco para três mil pessoas, a R$ 70 por cabeça. O filho Carlucho emendava nas redes: “Vai ter churrasco e vou levar muita linguiça”. Supostamente, uma predileção. O passeio de jet-ski apareceu nos jornais europeus e americanos.  O The Guardian não deixou por menos: “Ele é um inimigo do combate ao Covid-19”.

Olavo em cena

Olavo de Carvalho, guru dos bolsonaristas, usou as redes para, em postagens diferentes, defender e criticar Regina Duarte. “Maitê, a Regina não tem obrigação nenhuma para com a classe que sempre vive com dinheiro público. Ela tem para com os milhões de brasileiros que pagam o salário dela e toda essa maldita classe de vampiros”. Depois, explicou: “Defendi a Regina Duarte contra a Maitê, mas uma como a outra, essa véia embonecada metida a intelequituar não há saco que aguente”.

“VAI BEM”

O presidente da XP Investimentos, Guilherme Benchimol, declarou que o Brasil “vai bem” no combate à pandemia. “O pico da doença já passou quando a gente analisa a classe média alta. Mas o país tem muita comunidade, muita favela, o que dificulta o processo todo”. No mês passado, cinco ministros estrelaram lives da corretora. Benchimol quer se aproximar cada vez mais de Bolsonaro.  

Nem sabia

O governo Jair Bolsonaro mantém em postos importantes, do segundo e terceiro escalões figuras nomeadas nos governos do PT de Dilma e até de Lula, fora os que se fingem de mortos e estão lá desde os governos FHC e Temer. Regina Duarte encontrou na Secretaria da Cultura assessores ocupando os mesmos cargos desde o governo Geisel. E dezenas de cargos estão nas mãos do PT, PDT e PSDB. Ou seja: na hora de fechar acordo envolvendo cargos no governo Bolsonaro, o Centrão vai acabar descobrindo que já ocupa muitos cargos – e nem sabia.

PROTEÇÃO

O Centrão, se tiver poder para tanto, quer derrubar Paulo Guedes, da Economia, por ser sempre contra qualquer lugar no poder que se dê a indicados pelo grupo. Ele dificulta as nomeações e sempre levanta o currículo dos candidatos. Para o pessoal da casa, a história é outra: Carlucho Bolsonaro nomeou um assessor para ele: é um primo chamado Leo Índio e com salário de R$ 22,9 mil mensais.

Boné no lugar

Nos últimos dias, Paulo Guedes, levou duas trombadas públicas do Capitão: primeiro, o anúncio do programa Pró-Brasil, que não fora consultado, depois, foi a suspensão por dois anos do reajuste do funcionalismo, quando o presidente autorizou a inclusão de exceções da Câmara. Depois, voltou atrás nas duas trombadas. Quando foi criticado publicamente por causa do comentário deselegante sobre a mulher do presidente francês,  Guedes falou que, se surgisse outra, pedia o boné. Agora, já deve estar acostumado.

Com tiro

O deputado federal Eduardo Bolsonaro e sua mulher Heloisa Wolf, estão esperando seu primeiro filho. E no domingo aproveitando o Dias das Mães, fizeram um chá de revelação (nova mania adotada dos norte-americanos). Com a presença de alguns convidados Eduardo pegou uma escopeta para estourar o balão preto que revelaria o sexo. Atirou e descobriu que será pai de uma menina.  

DOMÉSTICAS

O prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, incluiu o trabalho das domésticas entre as “atividades essenciais”. Ou seja, faxineiras, lavadeiras, cozinheiras e babás poderão ser convocadas no período de lockdown. Ele acha que a medida beneficia “quem precisa ter alguém em casa”. Mais: Belém não tem mais vagas em hospitais, mas os ricos da terra encontram uma alternativa. Passaram a fretar UTIs aéreas, que decolam para São Paulo por até R$ 200 mil.

MISTURA FINA

  • O CARTÃO corporativo da Presidência bateu um recorde de gastos entre janeiro e abril: R$ 3,8 milhões. A média de gastos de cartões corporativos da Presidência de 2015 a 2019, no mesmo período, foi de R$ 1,9 milhão. A  maioria dos gastos são rotulados como “confidenciais” e não são divulgados.
  • LUCIANO Huck telefonou para Sérgio Moro, depois de seu pedido de demissão e já no meio dos ataques das falanges bolsonaristas. Conversa séria e amena e Huck resolveu fazer brincadeira: “Se eu chegar lá, você aceita ser ministro da Justiça?”.
  • UMA foto de Roberto Jefferson segurando um fuzil mereceu comentários nas redes. Muitos consideraram, supostamente, que se tratava de um exemplo de que a corrupção passou de furto para assalto à mão armada.
  • HÁ mais uma razão para Bolsonaro ser tão intratável pelas pessoas pelas manhãs. Ele sofre de refluxo e por isso, dorme mal todas as noites. Ou seja: se não for sintoma da Covid-19, a tosse desses últimos dias indica que o refluxo piorou, o que colabora para o enfezamento.
  • A CAIXA, com todas suas filas, trabalha com estimativa de que, até o final de maio, mais de dois milhões de mutuários vão aderir ao benefício de suspender o pagamento da casa própria por 180 dias, Pedro Guimaraes, à propósito, é um nome sempre cotado para substituir Paulo Guedes, numa possibilidade.
  • SÃO Paulo rodou menos em abril. Segundo dados do aplicativo Waze, o total de quilômetros percorridos pelos paulistanos no mês passado, caiu 60% em relação ao mesmo período de 2019.
  • UM dos mais empenhados na fritura de Regina Duarte é o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, “dono” de laranjal de candidaturas do PSL, a quem a Secretaria da Cultura está subordinada. Tem despachado diretamente com o segundo escalão como se Regina não existisse.
  • MISSÃO dada pelo Planalto ao Centrão: bombardear a PEC apresentada na Câmara que propõe a votação da lista tríplice para nomeação do diretor da Polícia Federal. Para Jair Bolsonaro não tem problema, ele ignora como fez na escolha do procurador-geral da República.
  • BOLSONARO finge ser o outsider de Mourão, na realidade é, esta suspeita básica que existe entre parlamentares. Com um pessoal como Arthur Lira na presidência da Câmara, esse fator há de ser medido cuidadosamente. Para uma aliança básica entre governo e Centrão protestar, talvez que haver um sacrifício que beira o insuportável, a demissão de Paulo Guedes.

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...