Colunistas
GIBA UM

“Essa atitude se deve ao fato que, em nosso modo de ver, os anais da história escreverão no futuro os nomes na lista dos defensores da democracia”

de EDSON FACHIN (STF) // agradecendo o discurso feito por Rodrigo Pacheco, presidente do Senado em prol da democracia e do sistema eleitoral brasileiro.

Giba Um

05/08/2022 05:00

Os anúncios pagos pelo PL (partido de Valdemar Costa Neto) para promover o início da campanha de Jair Bolsonaro à reeleição lideram os maiores pagamentos de propaganda do YouTube. O gasto total teria sido de R$ 730 mil

Mais: dados do Google mostram que, no final da semana da convenção do partido (23 e 24 de julho), o jingle da campanha apareceu mais de 92 milhões de vezes. Cada um custou entre R$ 80 e R$ 90 mil, em cerca de 10 milhões de exibições.

In – Drinque: piña colada

Out – Drinque: batida do olympo

Fim da linha

A escolha de Jair Bolsonaro (PL) para o STJ, preterindo Ney Bello, candidato do ministro Gilmar Mendes, deverá implodir, segundo aliados, uma das poucas pontes que o presidente-candidato mantém com o Supremo. 

Vira e mexe, o Capitão se aconselhava com Gilmar e até prestigiou jantar em homenagem ao ministro do STF comemorando os 20 anos do magistrado na Corte. A relação foi arranhada e até libera Gilmar: afinal, Bolsonaro não vinha ouvindo seus conselhos mesmo.

CAIR FORA

Analistas acham que Jair Bolsonaro pode derrotar Lula se abrir mão de sua candidatura (estaria sendo estudada essa possibilidade e de que maneira poderia ser feita). Se o petista não vencer no primeiro turno, a chance de ser derrotado pelo segundo classificado cresce muito. 

Há quem seja capaz de jurar que o presidente fala nisso sempre que sai uma nova pesquisa, como a última do Datafolha, que retratou mais uma vez que está estacionado.

Sem corrupção

Jair Bolsonaro vive repetindo: “Não tem jeitinho no nosso governo. Três anos e meio sem corrupção”. De acordo com o Datafolha, 73% veem corrupção no governo. Apenas 19% acreditam na lorota presidencial e 8% não sabem opinar. 

Mais: o eleitor de 2022, segundo pesquisas, está mais preocupado com saúde, desemprego, fome e inflação. E o presidente está estacionado porque não convence ao prometer soluções para esses problemas, dizem os analistas.

VETADO

No Planalto, a avaliação é de que Jair Bolsonaro conseguiu se desvencilhar do caso de Pedro Guimarães, demitido da presidência da Caixa sob acusação de assédio. Ainda mais depois do vazamento da informação de que Paulo Guedes vetou o reajuste de 44% do salário de Guimarães, proposto pelo próprio executivo poucos meses antes de deixar o cargo.

Troco

O Planalto articula com Rodrigo Pacheco para que o Senado cozinhe em banho-maria a votação da entrada da Bolívia como membro do Mercosul. Entre os integrantes do bloco econômico, falta apenas o imprimatur do Congresso brasileiro. 

É mesmo um troco pelo mau comportamento da Bolívia, especialmente por meio da YPFB. A estatal boliviana vem reduzindo o fornecimento de amônia e ureia ao Brasil e recentemente, cortou em 30% a venda de gás para a Petrobras, descumprindo contrato com a estatal brasileira.