Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CLÁUDIO HUMBERTO

A solução pra eles é soltar todo mundo”

Procurador Marcelo Monteiro Rocha sobre ONGs que conseguem afastar a PM do morro
28/06/2020 06:00 - Cláudio Humberto


"A solução pra eles é soltar todo mundo”

Procurador Marcelo Monteiro Rocha sobre ONGs que conseguem afastar a PM do morro

Maioria é contra ‘bandido bom é bandido morto’

Levantamento exclusivo do instituto Paraná Pesquisa para esta coluna e o site Diário do Poder revela que 48,3% dos brasileiros discordam da frase “bandido bom, é bandido morto”. Ainda assim, 43,9% dizem concordar com a afirmação e 7,8% não opinaram. Entre aqueles com escolaridade até o ensino fundamental, a afirmação é sucesso: 53,9% concordam que “bandido bom, é bandido morto”. Só 37,3% discordam.

Faixa etária essencial

As faixas etárias acima de 35 anos concordam com a afirmação da pesquisa. Entre 16 e 34 anos, no entanto, quem discorda é maioria.

País dividido

No Norte/Centro Oeste, a afirmação provocou um empate técnico, com vantagem para aqueles que concordam: 45,4% x 45,1%.

Nordeste também

No Nordeste, também há empate técnico: 45,7% concordam que “bandido bom, é bandido morto”, mas 46,1% discordam.

Dados da pesquisa

O Paraná Pesquisas entrevistou 2.258 pessoas de 194 municípios nos 26 estados e no DF, entre 23 e 26 de junho. A margem de erro é 2%.

Deputado da tapioca agora é o preferido de Maia 

Figura menor, que virou ministro do Esporte porque Lula quis agradar ao PCdoB, Orlando Silva (SP) agora é homem da confiança do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para tarefas que garantem holofotes, como relatar projetos de visibilidade. É uma jogada de Maia para “prender o rabo” de partidos de oposição mais à esquerda e, ao mesmo tempo, alfinetar o Palácio do Planalto. Nem que para isso prestigie o deputado que usava cartão corporativo do governo para se lambuzar na tapioca.

Curiosa parceria

O ex-ministro da tapioca se prestará ao papel de chancelar o “projeto alternativo” de Rodrigo Maia de uma “lei das fake news”. Vai dar ibope.

Traquinagens

Orlando não se notabilizou só pelas tapiocas malandras. O escândalo que o derrubou foi inaceitável até para o padrão Lula de ladroagem.

Famoso quem?

Como ministro, Orlando era tão inexpressivo que até foi barrado ao tentar visitar a Seleção no hotel em Königstein (Alemanha), na Copa de 2006.

A hora vai chegar

Até a Segunda Turma do STF, em geral boazinha com essa gente, condenou à prisão Aníbal Gomes (DEM-CE) por corrupção. Isso deixou figurões do MDB quietos como meninos mijados. Porque chegará neles.

Deputada sem medo

A deputada Bia Kicis (PSL-DF) criticou o ministro Edson Fachin (STF) pela defesa da cassação de mandatos por “abuso de poder religioso”. Em meio a inquéritos abertos contra críticos do STF, é um ato corajoso.

Somos mais fortes

A “imprensa de funerária” não divulga, mas, se o covid-19 infectou 10 milhões em todo o mundo, 6 milhões estão curados, incluindo Reino Unido, Espanha, Suécia e Holanda, segundo o Worldometer. Dos 4 milhões ainda doentes, 99% (3,975 milhões) têm sintomas leves.

Se fosse outro alvo...

Na quinta, um homem foi preso após atear fogo em um ônibus, aos gritos de “Fora, Bolsonaro!”. Se o alvo tivesse sido o STF, no outro lado da praça, seria um “terrorista”. Como foi na porta do Planalto, era “maluco”.

Mau agouro não funcionou

Dia 18, a notícia era como o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), crítico do isolamento generalizado, foi internado com coronavírus, quase como falando “bem feito”. Após alguns dias na UTI, teve alta na sexta.

Medida anti-covid

A CNI oferece a partir desta segunda-feira (29) uma série de cursos on-line para ajudar empresas a internacionalizar a operação como estratégia de diversificação. “Quero Exportar”, no exportaflixcni.com.br.

Empregos bem-vindos

A alta demanda por acrílico para equipamentos de proteção à covid-19 levou à reativação de uma fábrica da Unigel no interior da Bahia. Serão 1.440 empregos e R$ 10 milhões injetados na economia local por ano.

Pensando bem...

...só pode estar doente uma sociedade cuja Justiça prende blogueiros, apesar da pandemia, e solta bandidos, até do PCC, a pretexto do covid.

PODER SEM PUDOR

Realidade e ficção

Logo após deixar o governo, em 2002, FHC fez uma viagem de férias com dona Ruth. Os dois apenas, sem seguranças ou assessores. Escolheram uma remota ilha dos mares gregos. Num restaurante, um grupo de turistas olhava insistentemente e cochichava. Um rapaz fortão do grupo se dirige ao casal, que temia alguma provocação. “Desculpe”, aproximou-se o rapaz, “o senhor trabalha na TV Globo, não?” E Fernando Henrique, com aquele sorriso mordaz: “Trabalhava, meu filho, trabalhava. Meu contrato terminou.” O voador agasalhou: “Ah, sim... Valeu, tchau.” FHC ainda ouviu o rapaz se gabar com a turma: “Num falei? Num falei? É ele mesmo!” O caso foi analisado pelo sociólogo FHC e pela antropóloga Ruth. Concluíram que, no Brasil, a força da TV é tão poderosa que realidade e ficção se misturam facilmente.

 
 

___

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

www.diariodopoder.com.br

Felpuda


Nos bastidores, conversas, ou melhor, quase sussurros, dão conta de que compromisso assumido teria prazo de validade se acontecer a vitória de aliado.

A partir de então, o papo passaria a ser bem, mas bem diferente mesmo, pois, com acordo cumprido, novos objetivos passariam a ser fonte dos desejos, e sem nenhuma moeda de troca.

No caso, não haveria mais sequer um fio de bigode. Tipo, cada um na sua.