Colunistas
LIGA DOS CAMPEÕES

Ancelotti, Klopp e Guardiola fazem disputa de estilos

Confira a coluna do PVC desta segunda-feira (2)

Paulo Vinícius Coelho - PVC

02/05/2022 00:05

O mundo espera a primeira final de Liga dos Campeões entre Jürgen Klopp e Pep Guardiola, em semana que se inicia com Carlo Ancelotti festejado por ser o único técnico a levar as cinco maiores ligas da Europa. Nem Cruyff, nem Arrigo Sacchi.

Ancelotti foi campeão italiano pelo Milan, inglês pelo Chelsea, francês pelo PSG, alemão pelo Bayern e espanhol pelo Real Madrid. Se não bastasse, só ele, o escocês Bob Paisley e o francês Zidane ganharam três vezes a Copa dos Campeões.

O técnico europeu mais vencedor de todos não é tratado como o melhor, e o momento de Klopp e Guardiola ajuda a entender por quê. Ancelotti é o simples, o trabalho árduo e silencioso. Kaká já o definiu como o melhor administrador de talentos que conheceu.

Lidar com a fogueira das vaidades é das missões mais árduas dos grandes técnicos. O treino é o grande argumento, e a justiça das decisões, a maior sedução aos craques.

Guardiola, pelo Bayern, levou 4 a 0 do Real Madrid, de Ancelotti, em 2014, e tentará a revanche. Seu duelo de ideias é com Klopp. Até 2008, José Mourinho parecia levar o futebol para o caminho da força defensiva e certeza dos contra-ataques.

Guardiola apareceu como se tirasse o futebol das mãos de Mourinho, indo para o sul, e anunciasse ao mundo que agora iria ao norte, ao ataque. Klopp fez o mesmo a partir do Borussia Dortmund, em 2010/11, e do conceito de gegenpressing. Em outras palavras, a pressão para matar o contra-ataque.

O livro "Entre Linhas", do inglês Michael Cox, explica em dois conceitos as duas diferenças entre Klopp e Guardiola. O catalão fez seus times pressionarem a saída para ter a bola, porque sem ela seu time ficaria exposto. Fazia o controle do jogo a partir da circulação e dos passes, e sua pressão buscava quebrar as linhas de passe.

Klopp pressiona sempre o homem com a bola, para fazer o desarme, e partir o mais rapidamente possível em direção ao gol. Os técnicos alemão e espanhol têm objetivos iguais, com meios diferentes. Ambos foram transformadores.

Klopp diz não haver um camisa 10 como a pressão alta, porque levaria muitos passes at

é deixar seu meia criativo em condição de fazer o passe decisivo, enquanto um desarme perto da área pode ser também uma maneira de deixar o artilheiro de frente para o goleiro.

Os dois técnicos transformadores serão os favoritos deste meio de semana nas semifinais da Champions. Não convém menosprezar o Real Madrid e seus 35 títulos espanhóis, 13 Ligas dos Campeões. 

Nem desdenhar de Ancelotti, o único capaz de ganhar os cinco melhores campeonatos nacionais do mundo e ser recordista de troféus da Champions League.

Tudo isso com o entendimento de que futebol não tem controle remoto e, como dizem os três badalados treinadores, quem decide é o jogador. 

Está claro como água, mais ainda depois de City 4 x 3 Real, um massacre tático dos ingleses, que manteve o confronto aberto graças ao talento de Benzema ""e também de Vinicius Junior.

Maio vai definir a vitória de um transformador ""Klopp ou Guardiola"" ou a de um detalhista, como Ancelotti.

Reação

O pior momento do Corinthians contra o Fortaleza foi até descobrir como sair da pressão imposta pela equipe de Vojvoda. O Fortaleza pressiona muito no lado da bola, na saída de jogo. 

O Corinthians só se encorpou quando melhorou a qualidade do passe na defesa.

Homem de ferro

O zagueiro paraguaio Gustavo Gómez foge do rodízio de jogadores de Abel Ferreira. Chegou a 11 partidas seguidas como titular. 

É o único. A razão é sua capacidade de recuperação entre os jogos. Mas o Palmeiras dá alguns sinais de sentir a maratona física e emocional.

Ainda não acabou... Assine o Correio do Estado para continuar lendo essa notícia

Apóie o jornalismo sério, que tem compromisso com a verdade e com a entrega de conteúdo relevante para você todos os dias.
Apenas R$ 9,90 por mês

Quero Assinar

Já é assinante? Faça login clicando aqui