Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GIBA UM

Carla Zambelli é cartomante de circo. Ela perde tempo em sacanear os outros em vez de trabalhar sério”

Alexandre Frota (PSDB-SP), sobre a parlamentar que acabou sendo alvo de operação da Polícia Federal.
19/06/2020 05:00 - Giba Um


Militares do governo estão fazendo pressão junto a Bolsonaro para saída de Weintraub. Dizem que nem precisam relatar os motivos para a saída do ministro da Educação. O presidente resiste. 

Mais: Bolsonaro procura um cargo para ele que não passe pelo Congresso. Weintraub acaba de publicar um balanço das “entregas de 2020” do MEC, atitude vista de quem se prepara para deixar a pasta. 

 

Carla Zambelli é cartomante de circo. Ela perde tempo em sacanear os outros em vez de trabalhar sério”, 

de ALEXANDRE FROTA (PSDB-SP) // sobre a parlamentar que acabou sendo alvo de operação da Polícia Federal.

 

In – Franja reta

Out – Franja meia lua


 


 

 
 

Questão de bom senso

A supermodelo Carol Trentini está na campanha primavera/ verão da Max Mara, em fotos feitas antes da pandemia. A nova coleção da grife mostra roupas sofisticadas, leves com tons de vermelho, marrom, amarelo e laranja. Ela está em isolamento na sua casa no Balneário de Camboriú, Santa Cantarina e diz que vai manter o distanciamento o máximo possível, mesmo com flexibilização no seu estado. “Acho que é uma questão de bom senso: há muita gente em apuros e, se posso ficar em casa, fico”. E garante que parte do seu dia é preenchida com serviços gerais, auxílio na educação a distância aos filhos Bento e Benoah e mantém uma rotina de exercícios diários, que, às vezes, é compartilhado com o filho caçula. Carol tem uma vantagem para fotografar para revistas e campanha mesmo a distância: é casada com o fotógrafo Fábio Bartelt. 

Testando limites

“Está chegando a hora de tudo ser colocado no seu devido lugar”. É Jair Bolsonaro, se referindo aos abusos do Supremo de quebrar o sigilo bancário de dez deputados e um senador aliados. É mais um discurso que dá margem à leitura de ameaças às instituições democráticas. Ele acena mais uma vez à base de apoiadores radicais, testando limites. Para especialistas, a estratégia do presidente e de alguns de seus ministros de apostar no confronto faz parte de um projeto autoritário, formado por tentativas de erros e que, na maioria dos casos, em recuar. Outros dizem que “o que ele fala hoje, não repete amanhã”. Nesses dias registrou-se outra tentativa frustrada de Bolsonaro ultrapassar limites no caso da MP que autorizava Abraham Weintraub a escolher reitores de universidades federais cujo mandato termina esse ano, confrontando a lei. A Câmara e o Senado avisaram da inconstitucionalidade da medida e Davi Alcolumbre estava tratando de devolvê-la, mas o próprio presidente tratou de fazer isso. Assessores contavam que Bolsonaro tinha certeza da reação, mas tentou para ver o que acontecia.

 
 

Se viram como pode

Já faz dois meses que o Big Brother Brasil acabou e ao contrário das outras edições os ex-participantes não estão faturando com eventos e todos se viram como podem. Vivem se exibindo nas redes sociais e até fazem propaganda para algumas marcas. Mari Gonzales (à esquerda), que foi ex-Pânico e é influenciadora digital deu até dicas de como apimentar o relacionamento nesta época de isolamento social. Já Gabi Martins (à direita) exibe suas músicas e nova composições sempre com muita sensualidade, esperando o fim da quarentena para sai em turnê.

Morde e assopra

Para o cientista político Davi Fleischer, da UnB, esses arroubos de Bolsonaro revelam uma incapacidade de governar do que propriamente uma ameaça ao sistema atual. Ele é incapaz de se articular com o Congresso. Não sabe exatamente o que está fazendo. Esse morde e assopra é um estilo de governar. Ele tenta atrair as Forças Armadas, mas elas estão muito divididas. Os generais da ativa são muito sensatos e avessos a qualquer aventura golpista.


 

 
 

Droga eficaz

Em sua rápida passagem pelo Ministério da Saúde, o oncologista Nelson Teich trabalhou pela entrada no país do Radium 223, uma das drogas mais eficazes no tratamento do câncer de próstata. Ficou na vontade. Nenhum laboratório requisitou junto à Anvisa o registro para comercialização da droga no país. Causa: devido à política de controle dos preços dos medicamentos no país, sua venda se torna pouco lucrativa.

Exceção

Resolução do Conselho Nacional de Justiça de nº 305 proíbe magistrados de se manifestarem a favor ou contra políticos e ordena que evitem emitir opiniões que busquem “superexposição”. A resolução cita redes sociais. Detalhe: o STF não se subordina às decisões do CNJ e Celso de Mello e Alexandre de Moraes (e as entrevistas de Gilmar Mendes) vivem se revezando e criticando o governo. Mais: só o Senado tem competência para processar e julgar ministros do STF. Ou de aprovar lei que as subordine às decisões do CNJ.

NÃO LEGISLA

Por outro lado, João Otávio Noronha, presidente do STJ, dá entrevista à Rádio Bandeirantes, onde crítica as brigas entre Supremo “e um chefe do Poder Executivo de pavio curto”, apontando que o equilíbrio apontado pela Constituição é coisa simples: “Nenhum poder diz ao outro o que fazer”. E mais: “O Poder Executivo não ensina o Judiciário a julgar, o Judiciário não legisla e o Legislativo não governa”.

Escanteio

A reação do deputado Marcelo Aro, que rebateu Bolsonaro nas redes sociais e disse que o presidente não queria dar mais de R$ 200 de benefício aos trabalhadores informais, acendeu a luz amarela na CBF. Aro é diretor de Relações Institucionais da Confederação e tudo o que o presidente da confederação, Rogério Caboclo, não quer e levar essa história para dentro da entidade. Se precisar, joga o parlamentar para escanteio.

ARMISTÍCIO”

O ministro da recriada pasta das Comunicações, deputado Fábio Faria (PSD-RN) assumiu com um pedido de diálogo, por meio de um “armistício cívico”, um tom que há muito tempo não era ouvido por parte de alguém do governo. Ele é conhecido por sua habilidade em patrocinar conciliações num governo que faz política pelo confronto constante, em prejuízo próprio e do país. Já tem até torcida.

Verdade

A pandemia digital consegue produzir mentiras até com verdades. A CPI das fake news investiga origem de um texto de 268 palavras, todas copiadas por milhares de perfis no Facebook, atacando a imprensa por não publicar notícias favoráveis a Bolsonaro. Cobra da mídia a divulgação de quatro informações, entre a arrecadação de R$ 2,3 bilhões com outorgas de aeroportos e assinaturas de decreto que extinguiu 21 mil cargos comissionados no serviço público federal. Detalhe: todos os eventos ocorreram, mas em março.

“Chumbrega”

O governador João Doria acaba de apresentar ao STF uma queixa-crime contra o senador Jorge Kajuru, por crime de injúria. Doria reclama de uma entrevista de Kajuru onde o senador o chamou de “escória da escória”, “metido a intelectual”, “vazio’, “inculto” – e “chumbrega”. A expressão existe: significa “de má qualidade, ordinário, reles” e “diz-se de uma pessoa ou coisa de mau gosto”.

DESEMPREGADOS

O Brasil tinha 17,7 milhões de pessoas que gostariam de trabalhar, mas procuram emprego, por causa da pandemia ou por não ter trabalho na localidade em que moravam, mostram dados do IBGE. Esse contingente integra o chamado “desemprego oculto” pela pandemia – pessoas que não são contadas como desempregadas porque não adotaram nenhuma medida prática para assegurar uma vaga no mercado. Somados aos 10,8 milhões de pessoas contadas como desempregadas, surge um universo de 28,5 milhões de desempregados.

MISTURA FINA

 - “QUANDO você tem contenciosos acimada de R$ 1 trilhão de um lado e desonerações de R$ 300 bilhões de outro, está muito clara a configuração de um manicômio tributário”. É a definição de Paulo Guedes, da Economia, reforçando a reforma no sistema de impostos para diminuir litígios a Justiça.

- LIDERANÇAS do Senado firmaram um acordo para acelerar a votação da lei complementar que prevê pagamento de perdas de arrecadação provocadas pela Lei Kandir. É tudo que Paulo Guedes não quer ouvir neste momento. A proposta em tramitação no Senado prevê a transferência para estados e municípios de R$ 61,6 bilhões até 2037. A primeira parcela, de R$ 1 bilhão, teria de ser desembolsada até dezembro.

- O MINISTRO-astronauta Marcos Pontes ficar olhando para lua. Além da recriação do Ministério das Comunicações, foi informado que a troca de comando da Telebrás será decida em outra instancia, longe de sua Pasta. Se deixar o ministério Pontes acha que sobrevive com palestras e propaganda para agências de viagens, como fazia no passado.

- O EX-assessor e ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, depois de muito tempo, está preso. Ele estava num imóvel em Atibaia, interior de São Paulo, que pertence a Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro. Wassef esteve presente na posse de Fábio Faria no Ministério recriado das Comunicações na quarta-feira (17). A mulher de Fabrício está foragida.

- HUMORISTAS de plantão não deixaram passar em branco a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro em Atibaia. Disseram que Atibaia é uma cidade de foragidos e corruptos. Lembrando o episódio do ex-presidente Lula, que dizia não ter um sítio na cidade. Posteriormente foi julgado, considerado culpado e condenado há 17 anos de prisão.

- FLUMINENSE de Vassoura, desde a primeira eleição direta depois da ditadura, em 1989, o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, 62 anos, vota no Rio. Agora, mudou seu domicílio eleitoral para Brasília, como manda a lei.

- MESMO com a pandemia, a Antaq pretende marcar para dezembro a licitação do Terminal de Carga Geral do Porto de Maceió. A agência já teria três candidatos firmes para o leilão. O porto é o maior exportador de açúcar do Nordeste.

- A CONSTRUTORA São José adquiriu o terreno onde funcionava a fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. O plano da construtora é buscar uma montadora que alugue parte das instalações. Outra parte será destinada a um centro logístico. O terreno fica próximo à rodovia Anchieta, que liga a capital ao litoral.

Felpuda


Entre sussurros, nos bastidores políticos mais fechados, os comentários são que história apregoada por aí teria sido construída para encobrir o que realmente foi engendrado em conversa que resultou em negociata. 

O script foi na base do “você finge que é assim, e nós fingimos que acreditamos”. 

Batido o martelo, a encenação prosseguiu e, conforme o combinado, deverão ser apresentados novos episódios.

Ah, o poder!