Colunistas
ARTIGO

É preciso motivar jovens e idosos ao voto

O voto é a melhor defesa do cidadão em uma democracia

Da Redação

12/05/2022 07:30

Valmor Bolan - Doutor em Sociologia

A cada eleição, cresce o número de eleitores que optam pelo voto em branco ou nulo, além das abstenções, e os jovens estão entre os que mais vêm se desinteressando pela política. 

Nas eleições de 2020, “os maiores porcentuais de ausência entre aqueles obrigados a votar foram registrados entre os eleitores de 18 a 29 anos”, segundo a revista Veja. 

Tal fenômeno vem sendo observado por especialistas, que procuram entender por que vem crescendo o desinteresse dos jovens pela participação na política. Os jovens deveriam ser os mais envolvidos, como já foram no começo da redemocratização.  

Neste ano, em que teremos eleições para Presidência da República, Câmara dos Deputados, Senado Federal, Assembleias Legislativas e governos estaduais, campanhas têm sido feitas para atrair a atenção dos jovens e despertar o interesse pelo voto.

Segundo reportagem do G1 feita por Fábio Vasconcellos, durante as eleições de 2020, não apenas os jovens, mas também os idosos, demonstraram ceticismo, e “o porcentual de abstenção [...] cresceu principalmente entre os eleitores jovens e entre os idosos. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral [TSE], a taxa geral do Brasil ficou em 23,1%, cerca de seis pontos porcentuais acima do registrado há quatro anos. O recorte por faixa etária mostra, contudo, que os eleitores de 17 a 24 anos e aqueles de 65 a 84 anos apresentaram uma variação maior em pontos porcentuais no comparativo com a abstenção de 2016. Com isso, eles lideram o aumento nos porcentuais de abstenção”.