Clique aqui e veja as últimas notícias!

APOSENTADORIA

Servidor público também tem direito a converter tempo especial para se aposentar

Servidores que ficaram expostos a situações de risco ou insalubres, podem converter tempo especial
02/10/2020 05:00 - Juliane Penteado

Olá tudo bem? Hoje a minha conversa é com você servidor público que trabalhou em condições especiais até antes da Reforma da Previdência. Se você exerceu funções que prejudicaram a sua saúde ou integridade física, até 13/11/2019, tem direito a fazer a conversão desse período em tempo comum para poder se aposentar no regime próprio. Foi o que o STF julgou agora em agosto.

Essa decisão nada mais é do que o reconhecimento de que o servidor público de tempo especial deve ter o mesmo tratamento que o trabalhador do regime geral quando o assunto for a aposentadoria especial e o consideração desse período trabalhado em condições nocivas à sua saúde e integridade física.

A própria Constituição Federal no artigo 201, parágrafo 1º já incluía todos os trabalhadores para esse tratamento com critérios diferenciados, e mesmo com isso claro, os entes da Administração Pública se negavam em conceder aposentadoria especial, bem como a conversão desse tempo especial em comum.

Ë fato que somente havia a lei 8213/91 que regulamentava os critérios somente para os trabalhadores do regime geral da iniciativa privada. Foi assim que surgiu a Sumula Vinculante n. 33, que diz que, explicando de forma fácil, os regimes próprios de previdência deveriam aplicar essa mesma lei para conceder a aposentadoria especial aos servidores públicos a ela vinculados.

Pois bem! Ocorre que nos casos em que o servidor ainda não havia completado os 25 anos de atividade especial, seja por mudança de setor ou atividade em si, a administração pública não admitia a conversão desse tempo, de forma aumentada, para computar na aposentadoria.

Vou explicar melhor o que é essa conversão de tempo especial!

O tempo especial total admitido para uma concessão de aposentadoria especial é de 25, 20 ou 15 anos, conforme o tipo de exposição do trabalhador. Nos casos em que o trabalhador não atingiu o tempo, a lei admite a conversão desse tempo em comum, de modo que há um aumento de 40% para o homem e de 20% para a mulher. Essa diferença no percentual se dá em razão da diferença de tempo de contribuição que havia antes da EC 103/19, chamada reforma da previdência.

No entanto, aos servidores públicos essa conversão estava sendo vedada, de modo que muitos acabaram por se aposentar pelo tempo comum, atingindo requisitos gerais, ou ainda nem se aposentaram por não terem atingido esses mesmos requisitos.

Com a Reforma da Previdência que trouxe grandes modificações nas regras para aqueles que tinham direitos expectados no sentido de uma aposentadoria pública, essa conversão pode ser a salvação para que a totalidade de tempo, em sendo aumentada, garanta assim, o direito ao merecido descanso.

Um exemplo:

Um médico formado no ano de 1986. Trabalhou na iniciativa privada desde então, até tomar posse em concurso público para atuar como médico em posto de saúde no ano de 2002.  

Neste caso, ele tem 16 anos de RGPS (INSS) e até 13/11/2019, possui cerca de 17 anos de atividade especial.

De acordo com a decisão do Tema 942 STF, os 17 anos de atividade no RPPS poderão ser convertidos e aumentados em 40%, ou seja, passam a serem considerados 23 anos e oito meses de tempo de contribuição, para efeito de futura aposentadoria.

 

Esse servidor poderá avaliar, através de um planejamento previdenciário, como melhor aproveitar esse tempo:

1- Se desejar permanecer no serviço público, poderá verificar uma das regras de transição da EC 103/2019 – pontos ou pedágio, caso em que deverá ter a idade mínima de 61 ou 60 anos;

2- Poderá também averbar o tempo realizado no RGPS (INSS) no serviço público para aumentar seu tempo de contribuição e melhorar a renda da aposentadoria, (podendo, inclusive, aposentar pelo tempo especial, com direito adquirido antes de 13/11/2019);

3- E ainda, poderá deixar o tempo realizado perante o INSS para garantir futuramente aposentadoria em ambos os regimes.

 

Há ainda a possibilidade de revisão de aposentadoria para aqueles que já se aposentaram por tempo de contribuição comum, sem se utilizarem da conversão do tempo especial, tendo em vista que lhe foram negados ao tempo da aposentadoria.

Neste caso, há chances de o servidor público ter direito ao abono de permanência nos anos em que o direito ao benefício deveria estar consagrado, e não o foi por conta da falta de conversão do tempo especial devido.

Sempre importante ressaltar que toda essa decisão deve ser orientada por um advogado previdenciarista que fará a avaliação de todo o período contributivo e melhor aproveitamento, de acordo com o interesse do servidor.

 

Juliane Penteado Santana é advogada previdenciarista, Coordenadora do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário – IBDP da Região Centro-Oeste e Coordenadora do IBDP de Mato Grosso do Sul, professora de cursos de pós-graduação e extensão, autora de artigos e sócia-proprietária do escritório Penteado Santana Advocacia.

Ainda não acabou... Faça login ou cadastre-se para continuar lendo essa notícia gratuitamente

Receba acesso também a outras notícias exclusivas. É rapidinho e não pediremos seu cartão de crédito :)

Quero Me Cadastrar

Já tem cadastro? Faça login clicando aqui