Clique aqui e veja as últimas notícias!

NOVELA

“Amor de Mãe” reestreia após quase um ano fora do ar por conta da pandemia

Os primeiros capítulos serão para relembrar as histórias dos personagens
01/03/2021 18:30 - Caroline Borges/TV Press


Planejamento é fundamental na realização de uma novela. Antes da estreia do primeiro capítulo, equipe e elenco já estão envolvidos com o projeto há meses. 

No total, um folhetim pode ocupar mais de um ano na vida de atores e direção. “Amor de Mãe”, no entanto, subverteu qualquer lógica já existente na tevê. 

Em março do ano passado, a trama de Manuela Dias foi suspensa e teve as atividades paralisadas por conta da pandemia do novo coronavírus, derrubando qualquer planejamento prévio ou futuro. 

As gravações foram retomadas seguindo todos os protocolos sanitários, o que reduziu bastante o ritmo da produção. 

Em novembro, finalmente, as gravações foram concluídas e no dia 1º de março, depois de quase um ano fora do ar, a produção dirigida por José Luiz Villamarim reestreia. 

Durante duas semanas, os capítulos que relembram as histórias dos personagens vão ao ar antes da reta final de “A Força do Querer” e, a partir do dia 15, o enredo inédito ocupará a faixa integralmente. 

Quando a novela foi interrompida, fiquei preocupada com o mundo, com tudo que estava acontecendo com a humanidade. A preocupação com a novela veio depois. Uma história sem fim é uma história que nunca existiu. Em alguns momentos pensei: ‘será que vai dar para voltar?’. Tem todo um custo, né? Uma cidade cenográfica envelhece, ela foi projetada para durar o tempo normal de uma novela. ‘Amor de Mãe’ durou quase três vezes uma trama normal”, afirma Manuela.

A trama de “Amor de Mãe” fechará com 125 capítulos, sendo o folhetim mais curto dos últimos anos. 

A nova fase do enredo contará com apenas 23 capítulos inéditos. 

A novela retoma a busca incessante de Lurdes, papel de Regina Casé, por Domênico, vivido por Chay Suede. 

O que ela não imagina é que o filho perdido está muito perto. 

Thelma, de Adriana Esteves, já sabe que foi ela quem criou o menino da melhor amiga com o nome de Danilo. 

Apesar da amizade das duas, não será tão simples resolver essa situação. Thelma não vai medir esforços para que esse segredo jamais seja descoberto. 

Eu fico sempre me controlando para não dar spoiler. Mas a Carminha (personagem de Adriana Esteves em ‘Avenida Brasil’), perto da Thelma, é uma fofa”, brinca Regina Casé, que seguiu todos os protocolos de segurança no combate à Covid-19 durante a retomada dos trabalhos. 

Me senti segura o tempo todo e muito bem cuidada. Por ser a mais velha do núcleo, havia uma preocupação de todos muito grande comigo. Mas acho que eu era a que mais me jogava, mas sem imprudência. A Lurdes é uma personagem muito arrebatadora, eu estava com aquilo tudo guardado e não conseguia puxar o freio de mão”, completa.

Vivendo uma situação completamente inédita, Jéssica Ellen, que vive a jovem professora Camila, confessa que teve dificuldades para reviver a personagem após uma pausa de quase seis meses. 

Na nova fase, por conta da pandemia, Camila passa a dar aulas “online”. 

Quando voltamos, foi um turbilhão de emoções. O figurino e o cenário da Camila me ajudaram muito e o retorno e a adaptação aconteceram de uma maneira bem natural. Acredito que tenha sido fácil reconectar porque nossos personagens já estavam todos bem definidos”, aponta Jéssica.

Uma das medidas do protocolo de segurança exigia o confinamento dos atores em um hotel no Rio de Janeiro para a gravação de cenas com beijos e abrações. 

Thiago Martins, que interpreta Ryan, ficou um período “quarentenado” para realizar cenas com aproximação. 

Acho que ‘Amor de Mãe’ foi a novela que eu mais me diverti fazendo. Mas a pandemia chegou e desconstruiu isso. Voltar foi como uma luz no fim do túnel. Todos nós – elenco, produção, equipe técnica – fomos muito bem cuidados em todas as etapas”, afirma. 

Apesar das constantes rodadas de testes e a quarentena para alguns atores do elenco, os beijos e abraços nos bastidores eram bastante regrados. 

Humberto Carrão, o Sandro, precisou se adaptar ao famigerado distanciamento social. 

Passamos meses loucos para nos reencontrar, nos abraçarmos e nos tocarmos. Não podíamos. Esta é uma novela carregada de encontros e afetos e a gente soube mostrar muito bem como se relacionar e se abraçar, mesmo sem poder. Fazíamos planos para assistir ao último capítulo em uma festa, porque imaginávamos que as coisas estariam melhores”, lamenta.