Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VIA STREAMING

3 sugestões de filmes e séries nas plataformas para assistir essa semana

A dica da semana é o filme “42: A História de Uma Lenda”, com o ator Chadwick Boseman
04/09/2020 10:03 - Kreitlon Pereira/Via Streaming


Dica da Semana: “42: A História de Uma Lenda”

Em seu primeiro filme de destaque, Chadwick Boseman interpretou o primeiro jogador de beisebol negro a atuar na principal liga do país, reservada aos brancos

Nos anos 1940, existiam duas ligas de beisebol nos Estados Unidos. Uma reservada para jogadores brancos - onde nomes famosos como Joe Di Maggio atuavam - e aquela onde os jogadores negros deveriam jogar. Porém, essa segregação racial não se limitava ao campo de beisebol. Prevalecia no país uma noção de “separados mas iguais”, que defendia o afastamento entre negros e brancos em espaços de convívio social, sendo demarcadas áreas separadas para o uso exclusivo de pessoas segundo a sua cor de pele. Essa ideia só seria derrubada pela Suprema Corte do país nas décadas de 1950 e 1960. 

É nesse contexto que se passa o filme “42: A História de Uma Lenda”. O longa conta sobre a jornada do primeiro jogador de beisebol negro a jogar na liga principal, que até então eram reservadas para homens brancos. Jackie Robinson (Chadwick Boseman) foi contrato por Branch Rickey (Harrison Ford), presidente do Brooklyn Dodgers (atual Los Angeles Dodgers), entrado em campo pelo time pela primeira vez em 1947. Vestindo a camisa de número 42, Robinson se tornou uma lenda do esporte norte-americano e da luta pela igualdade racial no país ao quebrar barreiras que pareciam intransponíveis, dando espaço para que outros grandes atletas negros viessem depois dele. 

Disponível no YouTube, no Google Play e no Looke, “42: A História de Uma Lenda” foi o primeiro filme de destaque do ator Chadwick Boseman, que surpreendeu o mundo com a notícia de sua morte no último dia 28 de agosto, causada por um câncer de cólon. O ator de 43 anos se tornou um ícone mundial da luta por igualdade racial ao protagonizar “Pantera Negra”, o primeiro filme de super-herói com um homem negro no papel principal. Ao longo de sua curta carreira, Chadwick sempre defendeu as causais do movimento negro, lutando por igualdade, visibilidade e representatividade dentro (e fora) do cinema. Além de T’Challa e Jackie Robinson, o ator viveu outros personagens importantes na história da luta racial nos Estados Unidos, como o cantor James Brown (em “Get on Up”) e o juiz-associado da Suprema Corte Thurgood Marshall (em “Marshall”).

Link para o trailer de “42: A História de Uma Lenda”.

 
 

Sonho distante

Para realizar seu sonho de viajar para Marte, uma astronauta americana deverá se afastar das pessoas que ama por três anos na nova série original Netflix, “Away”

O universo para além do planeta Terra sempre foi um tópico que despertou profunda curiosidade nas civilizações humanas. Mesmo com os diversos avanços científicos atuais, muito ainda não se sabe sobre o que acontece no universo. Por conta de todo esse desconhecimento, são várias as produções artísticas e cinematográficas que exploram os mistérios do espaço exterior. Produção original Netflix, "Away" não é diferente. Com estreia marcada para o dia 4 de setembro, a série de dez episódios gira em torno de uma missão espacial internacional para Marte, um marco na história mundial por ser a primeira vez que humanos são enviados ao planeta. 

Nesse contexto é apresentada a protagonista da série. Emma Green (Hilary Swank) é uma astronauta americana cujo sonho é embarcar na viagem para Marte. Porém, para tal, ela deve passar três anos longe da filha adolescente (Talitha Bateman) e de seu marido (Josh Charles). Como comandante da nave, Emma e os outros membros da equipe - que é formada por pessoas de diversas nacionalidades - embarcam em uma viagem que, por si só, já seria extremamente desafiadora. Porém, nada poderia preparar os personagens frente à dor de se afastarem daqueles que amam em prol de seguirem seus sonhos.   

Apesar de uma mulher ser a comandante da missão especial à Marte, esse não é o tópico central de "Away". Também muito menos é um filme com grandes cenas de ação no espaço. Na verdade, o longa é um drama de ficção científica que, no seu cerne, fala sobre a condição humana e como ela se comporta quando testada em condições drásticas. É também sobre as relações entre as pessoas e como elas constroem e moldam a vida de alguém. Apesar de declaradamente celebrar os avanços científicos feitos pela humanidade, "Away" também traz consigo uma reflexão sobre os sacrifícios que são feitos ao longo do caminho em direção a um objetivo final.           

Link para o trailer de “Away”.

 
 

Sustos da mente

Novo original Netflix desafia o convencional e entrega uma história aterrorizante sobre o subconsciente

Charlie Kaufman é um roteirista americano conhecido pelo surpreendente “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças” e seu fascínio pela tortuosa relação entre a vida e a mente. Em suas produções, temas que envolvem a consciência humana são habitualmente retratados com uma ironia perversa, de quem acredita que o egoísmo é uma condição intrínseca à existência. Por isso, não foi um choque para ninguém quando a Netflix anunciou que ele estava à frente de “Estou Pensando em Acabar com Tudo”, um filme original da plataforma, que estreia dia 4 de setembro e é baseado no livro homônimo de Iain Reid.

A história acompanha uma estudante (Jessie Buckley) inicialmente apresentada como Lucy, mas cujo nome varia ao longo do filme, que aceita embarcar numa viagem de carro para conhecer os pais do namorado Jake (Jesse Plemons). Ela não consegue lembrar exatamente há quanto tempo estão juntos, algo entre sete e seis semanas, mas também não enxerga nenhum futuro para relação e é constantemente tomada pela vontade de terminar com tudo. Talvez por descrença em seus sentimentos, ou por curiosidade, o fato é que a jovem deseja desvendar os mistérios de Jake, um homem desajeitado e por vezes entediante, que possui uma visão idealizada de Lucy.

Após uma longa viagem, recheada de momentos constrangedores, os dois finalmente chegam à fazenda da família do namorado, onde as incertezas de Lucy apenas se agravam. A casa possui um ar sombrio, compartilhado pelos pais dele, que possuem um senso cômico perturbador. Sua mãe (Toni Collette) ria muito alto e prolongadamente de piadas sem sentido, por vezes incapaz de pronunciar corretamente as palavras em decorrência de um declínio cognitivo misterioso, e seu pai (David Thewlis) recorre a pequenos discursos críticos sobre arte abstrata para atestar sua presença. Ao longo do filme, fica claro que não existe uma linha temporal fixa, nem uma motivação para os personagens, mas sim uma história que deixa os espectadores numa dúvida constante sobre onde se pretende chegar.   

Link para o trailer de “Estou Pensando em Acabar com Tudo”.

 

Felpuda


A lista do Tribunal  de Contas de MS,  com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros  de quando exerceram cargos públicos,  está deixando  muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto  pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!