Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ARTE E NATUREZA

Ariadne reproduz a beleza das folhas e flores em banquinhos

Artista faz seu trabalho em bancos de madeira, telas ou caixinhas de MDF
20/07/2020 07:00 - Naiane Mesquita


A leveza do vento e a cor marcante e única da natureza estão presentes nos banquinhos confeccionados pela artista plástica Ariadne Farinéa, 28 anos. 

Carioca na certidão de nascimento, mas campo-grandense no coração, Ariadne assina como Dino as suas produções, que vão desde a banqueta até quadros, caixas e outras artes, como a música e a atuação. 

“Sou artista plástica e atriz de formação. Não consigo te dizer um momento exato de quando comecei a me interessar pelas artes em geral, porque lembro que desde a infância estou envolvida com a arte”, explica Ariadne.

O primeiro curso de pintura em tela foi aos 11 anos. Em um ano estava apta a integrar o curso de teatro.

 “Minha família sempre estimulou a minha carreira artística. Entrei na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul com 18 anos, em 2010, no curso de Artes Visuais, a partir deste momento comecei a ter uma visão mais profissional, consegui entender que exigiria um grande empenho e dedicação se eu quisesse viver disso”, frisa.  

Ariadne morou 24 anos em Campo Grande, mas já percorreu outros caminhos e países. 

“Eu estava morando fora desde 2015, fiquei um tempo na Nova Zelândia, um ano e meio no Rio de Janeiro e quase dois anos em São Paulo. Retornei para Campo Grande em janeiro”, conta.  

Os bancos surgiram na vida de Ariadne meio que ao acaso. 

“Em 2014 eu passei em um supermercado de atacado e tinha uma promoção desses bancos, só que mais altos. Eu comprei vários e comecei a pintar como arteterapia. Mas eu não os comercializei na época, eu fazia e dava”, explica.  

Foi durante a pandemia do novo coronavírus que os bancos retornaram à cena principal. 

“Como tenho alguns materiais parados em casa, eu comecei a colocar em prática um curso on-line de estamparia que fiz na quarentena, mas não eram banquinhos, eram molduras de MDF. Aí postei a moldura e muita gente gostou e quis encomendar”, conta.

Foi em uma loja, em busca de molduras, que a artista plástica encontrou, novamente ao acaso, as banquetas. 

“Fui em uma loja aqui em Campo Grande comprar mais molduras e tinham chegado esses banquinhos. Minha memória afetiva falou mais alto e eu relembrei de como eu gostava de pintar os bancos. Comprei dois e postei. Isso em menos de uma semana”, ri.

As estampas que buscam inspiração na natureza fizeram sucesso em tempos de confinamento.

“Eu sempre gostei muito de ilustração botânica. É muito difícil chegar perto do que a natureza produz, mas sempre usei ela como referência. Eu acabo fazendo um compilado do que eu gosto e consumo como arte com o que está em destaque no momento. As folhagens, plantas e flores tropicais já estão há alguns anos tomando um espaço legal nas estampas das roupas, na decoração da casa. Tento unir isso com gostos pessoais, como o colorido da cultura brega, parto do princípio mais é mais”, reflete.  

Com sua arte, Ariadne busca o aconchego.

 “Gosto de sobreposição porque dá um volume e causa uma sensação de estranheza em um primeiro momento, mas de aconchego em seguida. Também coloco uma pitada da arte mexicana, fiz até uma colagem pintura de Nossa Senhora de Guadalupe. São tantos anos de referência, estudos e exposições que a gente vai acabando, mesmo que inconscientemente, colocando uma pitada de tudo que a gente consome artisticamente, mas respeito bastante o uso das cores e a composição cheia de detalhes”, aponta. 

 
 

Arte educação

Além do trabalho com a pintura, Ariadne é cantora. “Estava em São Paulo gravando meu EP, mas precisei voltar para Campo Grande”, frisa.

O retorno para a cidade do coração surgiu pela oportunidade de trabalhar com arte educação. “Voltei porque surgiu a oportunidade de voltar a trabalhar com arte educação aqui em Campo Grande, mas por causa da pandemia os planos acabaram mudando. Estou dando aulas a distância e conciliando com a produção”, conta.  

O caminho na arte educação surgiu desde 2012. “Sempre conciliei a arte educação com os meus trabalhos enquanto artista”, pontua.  

Mais informações sobre o trabalho da artista no Instagram: @dino.ilustra.  

 
 

Felpuda


Embora faltem 26 dias para as eleições, a bolsa de apostas nos meios políticos já está em alta.

Dois nomes estão sendo apontados como favoritos para disputarem o segundo turno.

Isso acontecendo, há quem garanta que um deles receberia total apoio de antiga liderança e de todo o seu grupo, que hoje estão em lados opostos.

Vai longe o tempo em que o objetivo era tão somente o bem comum...