Correio B

XCalypso

Cantora abre jogo e conta como é substituir Joelma: ''Fui criticada''

Cantora abre jogo e conta como é substituir Joelma: ''Fui criticada''

Continue lendo...

Nova voz da banda XCalypso — antiga Calypso —, Thábata Mendes aceitou o desafio de entrar para a tumultuada história de Ximbinha, que enfrentou muitas polêmicas desde que se separou da ex-mulher e parceira de trabalho, Joelma. Ciente do tamanho do desafio, a cantora não se intimidou com as críticas e disse ao R7 que não sentiu medo em nenhum momento ao entrar para o grupo. 

Antes mesmo de ser chamada para substituir o posto de Joelma, Thábata Mendes estava como todos os outros brasileiros: acompanhando a história em casa com sua família. 

— Todo mundo se surpreendeu, ninguém esperava, foi algo totalmente inusitado, estávamos acompanhando tudo o que rolou. Todo mundo se sensiiblizou, mesmo quem não acompanhava a banda, se sensibilizou. Nunca imaginei que seria a substituta. Vale salientar que não estou roubando o lugar de ninguém, estou ocupando um espaço. É sempre bom ressaltar.

Apesar de ter sido anunciada como a substituta de Joelma no meio da confusão, Thábata disse que não teve medo em nenhum momento.

— Não tive medo, sendo franca. Senti que era o meu momento, que eu teria que enfrentar uma realidade, era consolidado. Independe de mim essa questão, estou aqui apenas para fazer o meu trabalho, sabia que seria difícil, porém não senti medo, não.

Assim que Thábata foi anunciada como a nova vocalista da banda Calypso, o que não faltaram foram críticas.

— Recebi críticas de todos os lados, a galera hostiliza de todo jeito, mas tem quem ovaciona e me agarro nessas pessoas. Eu já sabia que seria assim, eu estava preparada. Sabia que quando fosse divulgada que seria a nova cantora, isso iria ocorrer. Se não fosse eu, seria outra pessoa, então é bom que seja eu mesmo.

Há dois meses como parceira de Ximbinha, Thábata viu sua vida mudar completamente. Deixou a casa dos pais, em Mossoró (RN), e agora vive de canto em canto, ainda sem endereço fixo.

— Minha rotina mudou bruscamente, ainda estou perdida, estou tentando me situar. A gente foi gravar em Recife, ficamos duas semanas lá, depois voltamos para o Pará para dar continuidade aos ensaios, porque estamos nesse processo de preparação para os shows.

A primeira apresentação da XCalypso será em Ananindeua, numa cidade próxima a Belém, já no dia 3 de janeiro de 2016. Até março do ano que vem, o grupo já tem mais de 20 shows marcados, sendo a média do cachê é de R$ 200 mil.

Parceira de Ximbinha, Thábata é só elogios ao guitarrista. Alheia às polêmicas que envolvem o divórcio entre ele e Joelma, a cantora foca no lado profissional do músico.

— Trabalhar com o Ximbinha é tranquilo. O interessante dele é que ele tem humildade para ouvir e isso é raro. Ele é muito exigente, sem sombra de dúvidas é perfeccionista, mas ele lhe dá a possibilidade de se impor, de opinar. Ele é exigente, porém me dpa abertura. Isso me deixa confortável e segura pra fazer o meu trabalho.

A banda já lançou sua primeira música, Saudade, que já tem mais de 70 mil visualizações no YouTube. A canção é bem diferente do que os fãs da Calypso estavam acostumados e aposta na chambata, ritmo da República Dominicana. Segundo a cantora, o hit marca a nova fase da XCalypso, que irá misturar a essência da banda com outros ritmos.

— A banda Calypso continua sendo a Calypso, tendo a sua essência, mas agora também terá o meu jeito, a minha voz. Então, vamos misturar de tudo. Teremos música para chorar, com muita sofrência, e também música para sair do chão.

Uma das marcas da Calypso é a jogada de cabelo de Joelma — ou melhor, era. Thábata, que já afirmou não ter intenção de ser a nova Joelma, contou que irá dançar da sua maneira e não pretende copiar ninguém.

— Vou dançar porque é um hábito, sempre dancei, fui dessas artistas que sempre busquei me aperfeiçoar em diversas artes, a dança sempre fez parte da minha vida. Calypso é um estilo contagiante, dançante, ele precisa disso. Atuei no axé durante anos, é bom essa semelhança, a dança é indispensável. Mas não será nada coreografado, será com meu estilo. Tem que prevalecer o estilo da Calypso, é muito massa um show animado, alegre.

Com a rotina maluca dos últimos dois meses, a loira acabou descuidando um pouco de uma de suas paixões: a academia. Agora que a poeira baixou, ela está mais do que focada para retomar a rotina de exercícios, combinada com uma dieta regrada.

— Eu amo o mundo fitness, academia, tudo isso. Tive uns problemas de saúde e precisei ficar duas semanas fora da academia, mas agora estou pronta para voltar.

Contando os dias para a estreia nos palcos e com o CD previsto para sair em janeiro, Thábata Mendes só tem motivos a agradecer pelo ano de 2015.

— Tudo está sendo muito maravilhoso, estou muito feliz. Sinto que já evolui muito musicalmente. Ximbinha é um visionário de fato, ele soube selecionar as pessoas mais talentosas, de um coração gigantesco. Ele soube unir uma equipe com conceito diferenciado e muito qualificada, uma galera muito humilde. Estou muito satisfeita.

Correio B+

Capa B+: Entrevista exclusiva com o ator e apresentador Duda Nagle

"Estamos realizando um sonho com 'Os Nagle'. Tivemos essa ideia há anos, e finalmente está lançada".

23/06/2024 21h00

Entrevista exclusiva com o ator e apresentador Duda Nagle

Entrevista exclusiva com o ator e apresentador Duda Nagle Foto: Thais Fujarra

Continue Lendo...

Duda Nagle está no comando do podcast "Os Nagle" ao lado da mãe, a jornalista e ícone da TV Brasileira Leda Nagle. No projeto, que está em sua segunda temporada, eles entrevistam pessoas sobre saúde, bem-estar, educação e assuntos diversos, sempre dando a visão de cada geração. Em paralelo, segue também com o canal que leva o seu nome na mesma plataforma do YouTube.

Ao 41 anos e com mais de 20 de carreira artística, o ator fez sua estreia na novela "Agora é que São Elas", de Ricardo Linhares, em 2003 na TV Globo. Depois, vieram as novelas: "Caminho das Indias", "América", "Salve Jorge", "Páginas da Vida" e em três diferentes temporadas de "Malhação", todas na mesma emissora.

Mas foi em 2017 que o carioca fez seu papel de maior repercussão, o protagonista da novela infanto-juvenil "Cumplices de um Resgate", de Iris Abravanel, no SBT, que hoje faz parte do catálogo da Netflix.

Dali, entrou para "A Dona do Pedaço", novamente na Globo, onde interpretou um lutador de boxe decadente.  Seu último trabalho nos folhetins foi na série "Reis", da Record, onde deu vida a Jotã, um comandante do exército israelita.

Duda Nagle também tem no currículo as séries "Rio Heroes", da Fox, "Os Amadores" e "Divã", na Globo, "Milagres de Jesus", na Record, "Os Suburbanos", no Multishow e "Desencontros", na Sony. Nos cinemas, fez sua estreia em 2021 como o vilão do longa "A garota da Moto", disponível atualmente na Prime Video. Em 2023, lançou o filme "Tração".

Empreendedor, criou um projeto para desenvolver equipes para cenas de ação. Em 2019, organizou em São Paulo um workshop com Bobby Holland Halton, o maior dublê de Hollywood.  Atualmente, Duda Nagle é sócio de algumas empresas (como uma rede de açougues) e ainda faz as vezes de influenciador em suas redes sociais.

Capa exclusiva do Correio B+ desta semana, o ator conversou com o Caderno sobre o podcast 'Os Nagle" que está em sua segunda temporada no Youtube, paternidade e novos trabalhos.

O ator Duda Nagle é Capa exclusiva do Correio B+ desta semana - Foto: Thais Fujarra - Diagramação: Denis Felipe e Denise Neves

CE - Duda atualmente comanda o podcast 'Os Nagle' ao lado de sua mãe Leda Nagle no Youtube. Fale um pouco sobre o projeto e sobre a oportunidade de fazer um trabalho em família?
DN -
Estamos realizando um sonho. Essa é uma ideia que tivemos há alguns anos e que está finalmente lançada. Já gravamos 15 episódios (10 da primeira e 5 da segunda temporada disponíveis). Nos últimos anos, com a chegada da Zoe, a nossa prioridade como família é a criação e formação dela e, desde então, vamos entrando em contato com os dilemas da educação, da convivência e das prioridades na vida de todos no relacionamento familiar.

Pra isso, sempre buscamos nos informar melhor através de contato com pessoas, livros, palestras, podcasts etc. Então agora somos nós dois juntos, mãe e filho, na frente das câmeras buscando aprender sobre tudo isso junto com o público com esses grandes convidados. Fico muito feliz e honrado de aprender e interagir com minha mãe e nossos convidados.

CE - Conhecemos Duda Nagle há muitos anos como ator de novelas, mas agora vemos essa nova versão apresentador/entrevistador... Pretende investir nessa carreira?
DN - 
Pretendo investir cada vez mais nessa área. Gosto muito de escutar histórias e estou cada vez mais à vontade em estar na frente das câmeras fazendo perguntas e, também, por se tratar de podcast, puxar a conversa pro lado mais fácil informal.

Ultimamente, a vida foi me puxando pra esse lado e por mais que tenha resistido um pouco durante os últimos anos, cada vez mais estou entendendo que conviver com a minha mãe foi uma grande escola e que não posso desperdiçar essa herança. Pelo contrário, tenho que continuar com esse legado! Por conta desse nosso momento familiar que chegamos no conceito do podcast, "Os Nagle, O Encontro de Gerações"

CE - No podcast você faz um trabalho como entrevistador ao lado de uma importante jornalista, ainda que seja a sua mãe, dá mais medo (por medo de julgamento até dela) ou mais tranquilidade (por se sentir mais seguro com alguém experiente ao lado)?
DN -
 As duas coisas! Às vezes fico ainda receoso porque além de entrevistar, também tenho que tomar conta da parte técnica, da equipe, de patrocinadores e merchandising e da publicações dos vídeos etc. Às vezes me enrolo, às vezes me alongo e às vezes me empolgo e falo demais (risos).

Mas o fato da minha mãe ser muito experiente também me deixa muito seguro porque sei que a entrevista vai seguir nos trilhos. Minha mãe também ajuda muito desde a preparação do ambiente para receber os convidados até as legendas e títulos dos vídeos. A gente se desdobra em várias funções e os convidados se sentem em casa.

Duda no Podcast 'Os Nagle' - Foto - Divulgação

CE - Aliás, sua última novela foi Reis, na Record em 2022. Pretende voltar a atuar na TV ou agora quer só focar na internet/redes sociais e apresentar?
DN - 
Pretendo voltar às novelas e séries. Acredito que depois da separação a minha vida entraria em colapso se eu inventasse de fazer uma novela no Rio de Janeiro, por exemplo, já que moro em São Paulo. A vida de ponte aérea é muito desgastante, e a minha presença familiar era muito urgente pra suavizar os impactos da separação na vida da minha filha. Graças a Deus não recebi nenhum convite pra não ficar nem balançado (risos). Nesse tempo, consegui montar uma estrutura através das empresas que participo e represento e com o trabalho nas redes sociais, que me sustentou bem nesse período de turbulência maior. Mas agora já estou me sentindo muito mais seguro e pronto pra retomar minha carreira principal.

CE - Além de ator, você virou um grande influenciador nos últimos anos. Como é a vida trabalhando através de redes sociais?
DN - 
Na verdade, ator e influenciador sempre foram coisas misturadas, né? Um artista sempre usou sua imagem para anunciar produtos etc. O bom das redes sociais é que a gente tem uma autonomia muito grande e você consegue comunicar quase direto com o público. E ali mistura também com os bastidores da sua vida pessoal com a sua rotina.

Com isso, as pessoas conseguem acompanhar um pouco mais de perto a vida da gente. Acho que o macete é misturar tudo sem tornar isso chato para o espectador, fazer uma curadoria legal de produtos/marcas com os quais nos associamos. Quando a gente consegue realmente achar um produto que a gente gosta e realmente usa, aí fica uma propaganda muito mais verdadeira e acaba envolvendo mais ainda o seguidor, o cliente. A rede social é uma ferramenta bem dinâmica.

CE - Você já foi cancelado? Tem medo do cancelamento que tanto assombra quem trabalha com imagem?
DN -
Sobre o cancelamento, eu acho que é um medo constante desses nossos tempos, né? Por mais que eu já trabalhe há mais de 20 anos nesse mundo, a gente sempre tem medo de uma fala tirada de contexto, de uma manchete manipulada para atrair atenção, um vídeo tirado de contexto que pode tomar uma proporção muito grande e a nossa resposta dificilmente vai ter o mesmo impacto.

Mas toda profissão tem o seu risco e a gente tem que estar disposto a manter a integridade do trabalho, a essência dos valores e o nosso comprometimento. A gente não pode se curvar a isso, a gente não pode deixar de produzir, de criar coisas por causa desse medo. Várias pessoas já foram canceladas várias vezes e continuam muito bem. Então, o cancelamento, por mais que faça uma sensação de pânico no ápice, depois ele se mostra passageiro e não tão perigoso assim.

Ao lado da mãe Leda Nagle - Divulgação

CE - Você chegou a estudar publicidade. Como foi sair dos bastidores para a frente das câmeras? 
DN - 
Sim, eu comecei como estudante de publicidade e propaganda, mas tinha vergonha de apresentar meus projetos na faculdade e até de me meter em entrevista de emprego já ficava apavorado. Aí eu entrei nas aulas de teatro. No começo, eram aulas particulares porque tinha vergonha que meus amigos soubessem. E aí, com o tempo, ganhei confiança e fui buscando aula de grupo e workshops.

Meu foco era trabalhar com publicidade e propaganda na televisão, na criação das campanhas, das histórias. Virei ator de novela pra conhecer o show business por dentro. Só que aí quando fiz minha primeira novela, já virei a chave de vez. Me empolguei muito!  Foi uma mudança gigante na minha vida. Eu nunca tinha trabalhado, de fato, e entrei pra uma novela das 18h da TV Globo (Agora é que são elas, em 2003). Minha vida mudou totalmente e aí eu nunca mais pensei em voltar.

CE - Você sempre se mostra muito presente na criação da Zoe, sua filha. Como é o Duda Nagle pai? Como é criar uma menina em pleno ano de 2024?
DN -
 A paternidade exige presença. Então, o grande desafio foi conseguir me organizar, porque a minha vida era muito corrida, muito cheia de improvisos. E a criança precisa de rotina, precisa de constância, precisa de previsibilidade, que era uma coisa que eu não tinha muito. E aí tive que me esforçar muito para poder estar presente com ela, estar atento à ela.

E essa foi a grande lição que aprendi. Mas, ao mesmo tempo que dá muito trabalho, a energia que volta é uma coisa absurda. Então é absurda e positiva, muito boa. Isso serve de combustível para você e sacrificar mais, se esforçar mais. Então é meio paradoxal, porque quanto mais esforço você investe ali, mais retorna. E você precisa realmente parar a correria para estar presente.

E o fato de ser uma menina foi uma coisa surpreendente. A menina é delicada, ela é mais meiga e isso fez com que eu tivesse que rever vários pontos no meu jeito de ser, no meu jeito de comunicar, buscar ser mais doce, ser mais carinhoso. Então, aprendi e venho aprendendo muito também. A gente aprende mais do que eles com a gente, a gente aprende mais com os filhos do que os filhos com a gente.

Com a filha Zoe - Divulgação

CE - O que a paternidade te trouxe? E seus seguidores homens chegam a pedir dicas, conselhos?
DN - 
Acho que a paternidade trouxe uma responsabilidade muito maior e uma responsabilidade com a continuidade. Porque eu já era muito responsável na parte profissional, na parte intelectual, na saúde e tal. Mas, quando você tem que cuidar de outra pessoa, tem que ajudar a formação dela - ainda mais tratando da próxima geração da sua família.

Fiz um mergulho interno de autoconhecimento muito grande. E, realmente, as pessoas vem falar, vem pedir dicas. Igual eu fazia também quando eu soube que a Sabrina estava grávida. Na época, fui conversar com meus amigos que já eram pais para pegar dicas. A gente vai trocando muito também com seguidores na internet. Porque hoje está todo mundo muito conectado, né? Então, você vai aprendendo essas dicas, vai testando, os seguidores vão falando também...É uma coisa constante. A rede social aproxima. Então, quanto mais verdadeiro, mais rica essa interação nas redes sociais

CE - Quais os próximos projetos?
DN - 
Seguir com 'Os Nagle', voltar com o podcast presencial da minha mãe e lançar o meu podcast sozinho que vai se chamar "O Generalista", porque eu me considero um generalista (eu gosto de aprender um pouco sobre vários assuntos diferentes e quero explorar isso mais).

E quero muito voltar para as novelas e séries. Eu gosto muito dessa dinâmica. É o que eu realmente considero que faço melhor. Já estou conversando com pessoas da área. E sonho  também produzir de forma independente cinema de ação e efeitos especiais. Esse é o meu grande objetivo de carreira. Quero abraçar todas as oportunidades que surgirem.

Na novela REIS - Divulgação

Correio B+

Saúde B+: Junho laranja - conscientização sobre a anemia e a leucemia

Anemia - médico explica o que é, como identificar e como tratar - 5 dicas de sintomas comuns da anemia

23/06/2024 15h30

Junho laranja - conscientização sobre anemias

Junho laranja - conscientização sobre anemias Foto: Divulgação

Continue Lendo...

Junho laranja é o mês da campanha de conscientização sobre anemia e a leucemia. A anemia é uma condição em que o sangue não tem glóbulos vermelhos ou hemoglobina suficientes para transportar oxigênio adequadamente para o corpo. "Isso pode causar diversos sintomas, como cansaço, palidez, falta de ar e tontura", explica Dr. Juan Valenciano, Diretor Médico do Centro Médico Pastore (RJ).  

O diagnóstico da anemia é feito através de exames de sangue, como hemograma completo.
"Outros exames podem ser necessários para identificar a causa da anemia", alerta o médico que completa:  

"O tratamento da anemia depende do tipo e da gravidade da doença, que geralmente inclui a reposição da substância deficiente (ferro, vitamina B12 ou ácido fólico), transfusões de sangue ou medicamentos", detalha Dr. Juan Valenciano. 

Para alertar sobre a identificação do problema, o médico indica 5 sintomas comuns quando se tem anemia:

  • Cansaço e fraqueza: é o mais comum, deixando você sem energia para as atividades do dia a dia. 
  • Falta de ar: principalmente ao se esforçar, como subir escadas ou caminhar. 
  • Palidez: na pele, nas palmas das mãos e dentro da boca. 
  • Tontura e vertigem: por causa da baixa oxigenação no cérebro. Dor de cabeça frequente e pulsátil. 
  • Unhas quebradiças e cabelos fracos: por falta de nutrientes.

"Lembre-se: consulte um médico para ter um diagnóstico preciso e iniciar o tratamento adequado. Siga as orientações médicas sobre alimentação e medicação. Tenha hábitos saudáveis, como praticar exercícios físicos e evitar fumar", alerta o diretor médico.  

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).